Pinheiro de Dom Pedro II

Na Estrada da Graciosa, próximo a cidade de Quatro Barras existe um marco de pedra que marca a passagem do Imperador Dom Pedro II, em 1880 a caminho de Curitiba. Nesse local existia um grande pinheiro e a comitiva do Imperador parou sob sua sombra, na localidade hoje denominada Florestal. O pinheiro (araucária) não existe mais, foi destruído por um raio há muitos anos.

Pintura retratando a passagem da comitiva imperial.
Antiga foto de pessoas visitando o pinheiro.
Foto colorizada, de pessoas visitando o famoso pinheiro.

Bazar de la Charité

Em 4 de maio de 1897, ocorreu em Paris um incêndio durante um bazar de caridade que entrou para a história da cidade. O Bazar de la Charité era um conhecido evento que marcava o início da temporada de verão da elite parisiense, desde 1885. Nesse bazar beneficiente, objetos diversos eram vendidos e a renda era revertidda em benefício dos pobres. Pessoas de baixa classe social, religiosos e crianças ajudavam na organização do evento, cujo responsável principal era o Barão de Mackau.

Para o bazar de 1897, o Barão de Mackau alugou um terreno vago, e num edifício temporário foram construídas 22 cabines de madeira, onde seriam vendidos os produtos do bazar. O prédio usado no evento não era muito grande e tinha sido  feito de madeira de pinho. O tema foi Idade Média, e decoraram o local para se parecer com uma rua de Paris daquela época. O interior tinha telas pintadas e tecidos que cobriam o teto. A principal atração era uma novidade para a época; a projeção cinematográfica. O cinema era um invenção rescente, dos franceses irmãos Lumière.

O primeiro dia do bazar foi de relativo sucesso de público. E no dia do incêndio cerca de  1.700 visitantes se encontravam no local, quando aconteceu um inesperado acidente. Uma das lâmpadas de éter utilizadas para iluminar o cinema explodiu, causando um incêndio que se espalhou rapidamente pelo teto coberto de tecidos. Em poucos minutos 126 pessoas morreram no local do bazar e nos dias seguintes outras mais morreram nos hospitais. Alguns sobriviventes ficaram com cicratizes causadas pelo fogo, para o resto de suas vidas.

Algumas pessoas pobres que ajudaram no resgate dos ricos, receberam medalhas. E muita gente se perguntava se o incêndio não foi um castigo divino dirigido aos ricos. Os  dois técnicos do cinema, causadores do acidente que provocou o incêndio, foram condenados à prisão. Mas o grande escândalo foi a constatação de que morreram muito mais mulheres do que homens. Testemunhas contaram que os nobres cavalheiros parienses, para fugir pela unica saída do bazar abusaram da brutalidade, socos, chutes e bengaladas contra as indefesas mulheres. A bengala era um item que os ricos usavam na época.

No local do desastre, posteriormente foi construída uma capela. A Capela Notre-Dame-de-Consolation de Paris, foi inaugurada em maio de 1900. No seu interior os nomes de 126 vítimas estão inscritos em seis placas de mármore preto, com letras de ouro. No Cemitério do Père-Lachaise, que é considerado o mais famoso do mundo, existe uma sepultura onde foram enterrados os corpos não reconhecidos na tragédia. Numa época em que não existia exame de DNA, o reconhecimento de vitímas de incêndio era uma tarefa bastante difícil.

unnamed
Interior do Bazar de la Charité.

154647

4523

789

458

120520518

baz

01
Túmulo das vitímas não reconhecidas. (Cemitério do Père-Lachaise)

As Catacumbas de Paris

A história das catacumbas de Paris remonta ao final do século XVIII, quando grandes problemas de saneamento relacionados aos cemitérios da cidade levaram à decisão de transferir seu conteúdo para o subsolo. As autoridades de Paris escolhem um local de fácil acesso, localizado fora da capital: as antigas pedreiras de Tombe-Issoire, sob a planície de Montrouge. Exploradas desde pelo menos o século XV, então abandonadas, essas pedreiras constituem uma pequena fração do labirinto que se estende sob a cidade em aproximadamente 800 hectares. O desenvolvimento do local e a organização das transferências de ossos são confiados a Charles-Axel Guillaumot, inspetor a serviço da Inspeção Geral das pedreiras de Paris, ou IGC. Esse serviço, estabelecido em 4 de abril de 1777 por Luís XVI, é responsável pelo monitoramento e consolidação de pedreiras abandonadas, após uma série de graves colapsos do solo parisiense em meados do século XVIII.

As primeiras evacuações ocorreram de 1785 a 1787 e afetaram o cemitério mais importante de Paris, os Santos-Inocentes, condenado anteriormente em 1780, após um uso consecutivo de quase dez séculos. As sepulturas e valas comuns são esvaziadas de seus ossos, que são transportados ao anoitecer para evitar reações hostis do povo de Paris e da Igreja. Os ossos são então despejados por dois poços de serviço da pedreira, depois distribuídos e empilhados nas galerias pelos trabalhadores da pedreira. As transferências continuaram após a Revolução até 1814, com a remoção de cemitérios paroquiais no centro de Paris, como Saint-Eustache, Saint-Nicolas-des-Champs e o convento dos Bernardinos. Eles foram retomados novamente em 1840, durante o trabalho de planejamento urbano de Louis-Philippe e durante os trabalhos de Haussmann, de 1859 a 1860. O local foi dedicado ao “Ossuaire municipal de Paris” em 7 de abril de 1786 e apropriado a partir daquele momento o termo mítico das “Catacumbas”, em referência às catacumbas de Roma, um objeto de fascínio público desde a sua descoberta.

A partir de 1809, as Catacumbas tornaram-se acessíveis ao público mediante agendamento. Um registro é aberto no final da rota para coletar as impressões dos visitantes; enche-se muito rapidamente porque essas visitas são rapidamente muito bem-sucedidas com franceses e estrangeiros.

Durante o século XIX, as modalidades de visitas não pararam de mudar, entre o total de fechamentos e as aberturas mensais ou trimestrais. Hoje acessíveis a todos sem autorização, as Catacumbas de Paris recebem cerca de 550.000 visitantes por ano. Antes de sua abertura ao público em 1809, foi objeto de um consequente arranjo decorativo sob a égide do inspetor Héricart de Thury, que transformou o local de acordo com uma visão museográfica e monumental. Os ossos, anteriormente deixados soltos, são cuidadosamente organizados em paredes, no modelo das hages da pedreira. Na fachada, as fileiras de canelas se alternam com as de caveiras, enquanto atrás das faces empilham os ossos restantes, muitas vezes muito fragmentados.

Monumentos de alvenaria de estilo antigo e egípcio também são apresentados ao longo da rota, na forma de pilares dóricos, altares, cippi ou túmulos. Nomes inspirados na literatura religiosa ou romântica e na Antiguidade são dados em certos lugares: o sarcófago do Lacrymatoire, a fonte do Samaritaine ou a lâmpada sepulcral, por exemplo.

Ansioso também por trazer uma dimensão educacional à jornada, Héricart de Thury construiu armários com a tradição de armários de curiosidades, um dedicado à mineralogia e o outro à patologia. Este mostrou espécimes referentes às doenças e deformações dos ossos, segundo as pesquisas do médico Michel-Augustin Thouret em 1789. A última ferramenta de ensino é o conjunto de placas decoradas com textos religiosos e poéticos distribuídos nas galerias, com o objetivo de trazer a visitante em um estado de introspecção e reflexão sobre a morte.

Fonte: http://catacombes.paris.fr/

00
Entrada de visitantes.

01

02

15

08

05

03

04

Thoreau

Thoreau nasceu na cidade de Concord – USA,  em 1817. Descendente de hunguenotes franceses, o menino Thoreau aprendeu a amar a natureza quando levava as vacas da família da mãe para pastar. Em 1837, formou-se em literatura clássica e línguas. Fundou junto com o irmão uma escola, em 1838. Fazia esporádicos trabalhos como agrimensor e como ensaísta, acreditando sempre que o homem devia ganhar somente o necessário para sobreviver. Apenas foi trabalhar na fábrica de lápis da família quando precisou ajudar a mãe e as irmãs, quando da morte do pai.

Thoreau mantinha-se eternamente insatisfeito com a vida na sociedade e com o modo como as pessoas viviam.  Em 1845, com 27 anos, Thoreau foi morar no meio da floresta, em um terreno que pertencia a Ralph Waldo Emerson. Às margens do lago Walden construiu sua casinha e um porão para armazenar comida. Apesar de inexperiente como agricultor, tentou a auto-suficiência e, a longo prazo, teve algum sucesso, plantando batatas e produzindo o próprio pão. Segundo suas próprias palavras, ele foi morar na floresta porque queria “viver deliberadamente”. Queria se “defrontar apenas com os fatos essenciais da existência, em vez de descobrir, à hora da morte, que não tinha vivido”. Em seu período na floresta, ele queria “expulsar o que não fosse vida”. Baseado no relato e em todo o pensamento filosófico empreendido nos dois anos em que morou na floresta, Thoreau escreveu “Walden”, uma obra que se tornaria um referencial para a Ecologia e um de seus livros mais famosos. Além de descrever sua estadia na floresta, “Walden” analisa e condena a sociedade capitalista da época. E, convida a uma reflexão sobre um modo de vida simples, propondo novos olhares sobre o conceito de liberdade.

Insubmisso, Thoreau decide não pagar impostos porque acreditava ser errado dar dinheiro aos EUA, um país escravagista e em guerra contra o México. Não querendo financiar nem a escravidão nem a guerra, Thoreau foi preso enquanto se dirigia ao sapateiro local, foi abordado e preso e após solto retornou a sua vida a partir do ponto em que a interrompeu, lá regressando para ir buscar os sapatos que mandara arranjar. Inspirado pela noite na prisão, Thoreau escreveu o famoso “A Desobediência Civil”. Leon Tolstói, um dos mais famosos escritores do mundo venerava este ensaio e o recomendou, por carta, a um jovem indiano preso na África do Sul. Este jovem indiano era Mahatma Gandhi.

Thoreau, que havia saído das florestas a pedido do proprietário do lugar, passou o resto de sua vida empreendendo grandes passeios às florestas e aos campos e também escrevendo muito. Ele acabaria morrendo em 1862 de tuberculose. Encontra-se sepultado no Sleepy Hollow Cemetery, na cidade de Concord.  A casa que construiu no lago Walden, hoje é um museu que possui uma estátua sua na entrada. A floresta em volta do lago virou área protegida. É considerado um dos grandes escritores norte-americanos.

Benjamin_D._Maxham_-_Henry_David_Thoreau_-_Restored

ls-frisomarzo2014-thoreau

Aniversário da Torre Eiffel

Inaugurada em 31 de março de 1889, a Torre Eiffel é uma torre treliça de ferro e está localizada em Paris. Ela se tornou um ícone mundial da França e uma das estruturas mais reconhecidas no mundo. A Torre Eiffel é o monumento pago mais visitado do mundo. Nomeada em homenagem ao seu projetista, o engenheiro Gustave Eiffel, foi construída como o arco de entrada da Exposição Universal de 1889 e também para comemorar o centenário da Revolução Francesa.

A torre possui 324 metros de altura e fica cerca de 15 centímetros maior no verão, devido à dilatação do ferro. Foi a estrutura mais alto do mundo desde a sua conclusão até 1930, quando perdeu o posto para o Chrysler Building, em Nova York. A torre tem três níveis para os visitantes. A caminhada para o primeiro nível é superior a 300 degraus. O terceiro e mais alto nível só é acessível por elevador. Do primeiro andar vê-se a cidade inteira. Ela tem sanitários e várias lojas e o segundo nível tem um restaurante.

Quando o contrato de vinte anos do terreno da Exposição Universal de 1889 expirou, em 1909, a Torre Eiffel quase foi demolida, mas o seu valor como uma antena de transmissão de rádio a salvou. Os últimos vinte metros da torre correspondem à antena de rádio que foi adicionada posteriormente.

public-domain-images-eiffel-tower-construction-1800s-0007
Construção da Torre Eiffel.

800px-Vue_panoramique_de_l'exposition_universelle_de_1900
Cartão Postal da época da inauguração da Torre Eiffel.

torre-eiffel-trocadero
A Torre Eiffel atualmente.

Antiga Rodoviária de Maringá

Estive na cidade de Maringá recentemente e ao parar em um semáforo no centro da cidade, olhei para um enorme terreno ao lado. Demorei alguns segundos para lembrar o que existia em tal local, que agora é um feio estacionamento público. Nesse terreno ficava a antiga Rodoviária de Maringá, que foi construída no anos sessenta. Durante muitos anos a rodoviária funcionou no centro da cidade e foi palco de milhares de histórias alegres e tristes. E tal rodoviária também faz parte de minha história, principalmente em minha infância e adolescência. Muitas vezes passei a noite na antiga Rodoviária, pois costumava ir para Maringá visitar amigos, ir em festas, assistir partidas de futebol e shows. E durante muitos anos o meio de transporte para ir de minha cidade, Campo Mourão, até Maringá, eram os ônibus que entravam e saiam da antiga Rodoviária da cidade. E muitas vezes era necessário pernoitar na antiga rodoviária, para esperar o primeiro ônibus no dia seguinte e voltar para casa. Era mais seguro esperar dentro da Rodoviária!

Nos quase dois minutos que fiquei parado no semáforo ao lado do local onde existia a antiga Rodoviária, pude lembrar de muitas histórias engraçadas e interessantes que vivi naquele local. A maioria delas foi na companhia de amigos. E ali também aconteceu uma dolorida despedida de uma linda carioca loira de olhos claros (um verde e outro azul), em meados de 1990.

Não sei ao certo qual o motivo de demolirem o antigo prédio da rodoviária, após terem construído uma outra rodoviária maior e mais moderna em outro local. Mas sei que tal demolição ocorreu em 2010 e que foi conflituosa. Tentaram fazer com que o prédio fosse tombado, por ser histórico. Mas no final prevaleceu a vontade do Prefeito da época, que era demolir o prédio o mais rápido possível. Tal decisão foi lamentável, pois o prédio histórico poderia muito bem ter sido restaurado e servido para outros nobres fins.

Infelizmente no Brasil não existe a cultura de preservar e conservar prédios históricos. Aqui o velho é considerado feio e sem importância, então decidem demolir e construir outra coisa no local. E muitas vezes a decisão de destruir construções histórias é tomada em razão de interesses econômicos obscuros. No caso da demolição da antiga Rodoviária de Maringá, não sei ao certo qual era o real interesse. Mas sei que se passaram mais de cinco anos e no local da antiga Rodoviária existe uma “vazio” bem no coração da cidade, onde atualmente existe um feio estacionamento.

mga
Cartão Postal da antiga Rodoviária de Maringá.

Rodoviaria_velha2090529
Antiga rodoviária. (Foto: Gazeta de Maringá)

September eleven

Hoje completa 14 anos dos atentados de 11 de setembro de 2001, nos Estados Unidos. Alguns eventos só se transformam em datas históricas muito tempo depois de ocorridos, quando se atribui a eles uma importância crucial para os rumos tomados pela História. E há fatos que nascem com a marca da mudança,  devido sua grande importância para os caminhos percorridos após tal evento ter ocorrido. Nestes casos não é necessário nenhum afastamento para concluir que tal evento será para sempre, um divisor de águas da História, um acontecimento que independente da forma que será narrado, o passado nunca deixará de estar presente na linha do tempo como um ponto de mudança de rumo. Este é o caso do 11 de setembro de 2001.

IMG_5463

125 anos da morte de Van Gogh

Hoje, 29 de julho está fazendo 125 anos da morte de Van Gogh. Um dos maiores pintores de todos os tempos, o holandês Vincent Van Gogh é o maior ícone da pintura pós-impressionista. Sua vida foi um fracasso e ele se suicidou aos 37 anos, sofrendo de problemas mentais. Mas era um gênio, e sua genialidade só foi descoberta após sua morte. Sua fama póstuma iniciou após uma exposição com alguns de seus quadros, realizada em 1901 em Paris.

Atualmente os quadros de Van Gogh valem milhões e estão espalhados pelo mundo, em coleções  particulares e museus. No Brasil é possível encontrar quadros de Van Gogh no Masp, em São Paulo. No acervo do Masp (Museu de Arte de São Paulo), existem cinco quadros pintados por ele.

Van Gogh é meu pintor favorito e tive a oportunidade de ver ao vivo seus quadros que estão no Masp. Também tive a oportunidade de ver alguns de seus quadros que estão em exposição no Metropolitan Museum of Art, de Nova York.

Quadros de Van Gogh que fazem parte do acervo do Masp.

Passeio ao Crepúsculo (1889-1890).
Passeio ao Crepúsculo (1889-1890).

Natureza-Morta com Prato, Vaso e Flores (1884-1885).
Natureza-Morta (1885).

O Escolar (1888).
O Escolar (1888).

Banco de Pedra no Asilo de Saint-Remy (1889).
Banco de Pedra no Asilo de Saint-Remy (1889).

A Arlesiana (1890).
A Arlesiana (1890).

Alguns quadros de Van Gogh que fazem parte do acervo do Metropolitan.

Shoes (1888).
Shoes (1888).

The Flowering Orchard (1888).
The Flowering Orchard (1888).

Aniversário de Che Guevara

Hoje, 14 de junho é aniversário de Che Guevara. Para muitos, principalmente socialistas e alguns outros esquerdistas mal informados, Che Guevara é um herói. Entre outras o cara era racista, homofóbico e assassino. Matava quem ia contra suas idéias! Disse muitas idiotices, inclusive que mataria como um verme até Jesus Cristo se ele cruzasse seu caminho. Só idolatra e acha Che Guevara um herói ou um homem extraordinário, quem não conhece sua história, ou quem apenas assistiu ao filme “Diários de Motocicleta” (que por sinal é um bom filme e eu gosto!), que mostrava Che Guevara jovem e idealista, antes de se transformar num monstro.

11406804_10207033839185603_6603511457835576909_n

Lousas de quase um século

Em uma escola da cidade de Oklahoma, nos Estados Unidos, funcionários que trocavam algumas lousas (quadros negros), fizeram uma descoberta surpreendente. Ao removerem lousas antigas de algumas salas de aula, descobriram atrás delas lousas ainda mais antigas, que no passado eram pintadas na parede. Algumas dessas lousas tem quase cem anos! E muitas delas estavam com escritos, cronogramas, tabuadas, lições de literatura e música, conteúdos escritos por professores e alunos. Algumas lousas estão com a data do dia em que o conteúdo foi escrito.

Parece que quem instalou as lousas (que foram trocadas agora) por cima da lousas antigas, deixou de propósito as lousas antigas escritas, sem apagar ou destruir as informações que estavam escritas nelas. Deixou tudo como estava, como uma espécie de túnel do tempo, para um dia serem descobertas. E isso levou quase cem anos!

A Prefeitura da cidade de Oklahoma vai preservar as lousas antigas como estão. O conteúdo nelas escrito foi feito entre 30 de novembro e 4 de dezembro de 1917. Possivelmente os alunos e professores que escreveram nestas lousas, estão todos mortos.

Fotos: Oklahoma City Public Schools

1297709814431_ORIGINAL
Lousa com escrito de 1917.

ok-4-1024x683
Aula de matemática e música.

okc-schools-chalkboard-4
As lousas eram pintadas nas paredes.

Oklahoma-chalkboards-from-1917-1
Data de 30/11/17, no padrão americano, onde o mês vem antes do dia.

Oklahoma-chalkboards-from-1917-9-599x385
Desenho e texto de história.

Diários de Dom Pedro II

Nos 58 anos em que foi imperador do Brasil, Dom Pedro II fez muitas viagens pelo interior do Brasil e para o exterior. Durante estas viagens ele tinha o costume de anotar tudo em cadernetas, uma espécie de diário. Ele fazia as anotações com riqueza de detalhes e ao todo escreveu 43 cadernetas. Atualmente estes diários fazem parte do acervo do Museu Imperial, em Petrópolis.

O imperador era detalhista em suas anotações e seus diários serviram e servem como fonte de pesquisa sobre muitos assuntos da época do Brasil Império. Boa parte destes diários estão em forma digital e são liberados para consulta. Em 2010 os diários de Dom Pedro II foram considerados Memória do Mundo pela UNESCO.

Sou um admirador confesso de Dom Pedro II e estudioso do assunto. Em 2009 durante uma visita ao acervo do Museu Imperial, solicitei uma consulta ao diário de Dom Pedro II sobre sua visita à Província do Paraná, em 1880. Fui muito bem recebido pelos funcionários do acervo do Museu Imperial e já estava sentado ao lado de uma mesa, com luvas próprias para manusear o diário sem danificá-lo. Uma funcionária tinha ido buscar o diário no arquivo e meu coração batia mais forte diante da expectativa de ter em mãos um dos diários escritos por Dom Pedro II. Mas então veio a decepção, pois outra funcionária lembrou que o diário sobre a visita à Província do Paraná já estava disponível no formato Word e eles podiam me enviar por e-mail. Ao mesmo tempo em que isso facilitava minha pesquisa, me tirava o prazer de poder manusear as anotações originais. Agradeci a atenção que me deram e fui embora chateado, mas não podia “exigir” que me mostrassem o diário original, pois estaria tomando tempo desnecessário do pessoal do arquivo sem necessidade. No dia seguinte recebi em meu e-mail o arquivo com o texto extraído do diário sobre a visita do imperador ao Paraná.

No ano seguinte ao visitar a Bienal do Livro de Curitiba, encontrei um livro escrito por um historiador da cidade de Ponta Grossa, onde ele contava sobre a visita de Dom Pedro II ao Paraná. Comprei o livro e lendo-o descobri que nele estava transcrito quase que totalmente os textos que o pessoal do Museu Imperial tinha me enviado. Só não sei se o autor do livro consultou o diário original ou igual a mim recebeu o texto do diário via e-mail.

Ainda continuo colecionando livros sobre Dom Pedro II e tenho planos de no futuro escrever um livro sobre a visita do imperador ao Paraná. Visitei muitos locais onde ele esteve nessa visita e tenho diversos textos e anotações sobre o assunto. Mas a frustração de não ter visto ao vivo as anotações sobre a visita do Imperador a Província do Paraná, ainda existe.

Também continuo na busca de algo assinado por Dom Pedro II, ou algum documento escrito por ele, para fazer parte de minha coleção de livros, revistas e documentos antigos. Mas os poucos documentos que encontrei disponíveis para venda estão no exterior e seus preços são proibitivos. Mas quem sabe um dia eu consiga algo!!! 

Documentos Relativos às Viagens do Imperador D. Pedro II pelo Brasil e pelo Mundo. Registro Internacional (MoW), 2013.

Os Documentos Relativos às Viagens do Imperador D. Pedro II pelo Brasil e pelo Mundo são parte integrante do Arquivo da Casa Imperial do Brasil, doado ao Museu Imperial pelo príncipe d. Pedro Gastão de Orleans e Bragança, bisneto de d. Pedro II, em 1949. O conjunto é formado por diários, itinerários de viagens, correspondências, registros de visitas, contatos do imperador, relatórios de despesas, periódicos, panfletos, programas, homenagens, convites, desenhos e totaliza 2.120 documentos. A documentação permite traçar um painel do século XIX, suas transformações e a passagem à modernidade, revelando aspectos do pensamento, das descobertas científicas, da diversidade cultural e das paixões políticas, e analisar as relações diplomáticas do Brasil com outros países.

Fonte: www.museuimperial.gov.br

Um dos diários de Dom Pedro II.
Um dos diários de Dom Pedro II.

aa
Sala do acervo do Museu Imperial.

mi_4855836864109015
Pesquisadora no Acervo do Museu Imperial. (Foto: revista Isto É)

certificado-01
Certificado concedido pela UNESCO.

150 anos da morte de Lincoln

Hoje está fazendo 150 anos da morte do Presidente norte americano, Abraham Lincoln. Ele sofreu um atentado a tiro no dia 14 de abril de 1865, e veio a falecer no dia seguinte, 15 de abril. Para os brasileiros tal data e personagem não tem nenhuma importância. Mas para mim tem, pois Lincoln é um dos personagens históricos que admiro. Sou apaixonado por história e formado em história. Por isso muitos fatos históricos e personagens históricos me interessam muito.

Não existe um motivo especial por tal interesse por Lincoln. Acho que a história dele de uma maneira geral foi que me fascinou. Ele era um lenhador pobre, que acabou entrando para a política e se tornou o Presidente dos Estados Unidos. Sob sua administração os Estados Unidos passaram por uma mortífera Guerra Civil, que buscava principalmente o fim da escravidão. Tal Guerra durou quase cinco anos, causou milhares de mortes, mas transformou o país e a mentalidade dos norte americanos de uma maneira que tornou possível serem a potência que conhecemos hoje em dia. Pouco depois do fim da Guerra, Lincoln sofreu um atentado quando assistia a um peça no Teatro Ford, na cidade de Washington. O autor do atentado era um famoso ator, cujo motivo do crime era mais do que ser a favor da escravidão. O motivo principal era entrar para a história e ter seu nome lembrado durante anos, mesmo que por um assassinato.

Li muitos livros sobre Lincoln, assisti filmes, vi fotos antigas. E também tive a oportunidade de conhecer o Teatro Ford, em Washington, local onde Lincoln sofreu o mortal atentado. Também conheci a hospedaria (Casa Petersen) para onde levaram Lincoln ferido e onde ele veio a falecer, que fica em frente ao Teatro Ford. Também pude ver em múseus alguns documentos e peças de vestuário de Lincoln, inclusive uma de suas cartolas.

Somente quem gosta de história é que pode entender a sensação de ver ao vivo e a cores, locais e objetos que fazem parte da história de determinado personagem que admiramos…

Nos links abaixo você encontra postagens aqui no blog, que falam sobre o Teatro Ford e sobre a hospedaria onde Lincoln faleceu.

https://vanderdissenha.wordpress.com/2011/11/06/teatro-ford-fords-theatre/

https://vanderdissenha.wordpress.com/2011/11/06/casa-petersen/

a1

a2
Abraham Lincoln.

a3
Teatro Ford (Washington – DC).

a4
Velório de Lincoln.

a5
Cartola de Lincoln.

a6
Túmulo de Lincoln (Springfield, Illinois).

Tumba de Lincoln.
Tumba de Lincoln.