LIVRO: Um Novo Olhar pelos Caminhos de Peabiru

Hoje estive presente no lançamento do livro Um Novo Olhar pelos Caminhos de Peabiru, da minha amiga Gessiane Pereira. O lançamento e noite de autógrafos foi em frente a Casa da Cultura de Peabiru e contou com a presença de um bom público. O livro é um coletânea de fotos da autora e poesias de alguns moradores da cidade de Peabiru.

Livro: Casa Ipiranga

LANÇAMENTO DO LIVRO HISTÓRICO DA CASA IPIRANGA

Será lançado, no dia 15 de junho, às 20 horas, o livro que resgata a história da Casa Ipiranga, o chalé mais charmoso da Serra do Mar.O evento será transmitido numa live pelo canal do YouTube, pesquisando pelo título do livro: Casa Ipiranga o Palácio da Serra do Mar.

Construído a 132 anos, em 1889, serviu de residência para o engenheiro Bruno Lange e sua família, responsável pela manutenção da estrada de ferro Paranaguá-Curitiba, no trecho da Serra, nos seus primeiros anos de funcionamento. Convidado da família, o pintor Alfredo Andersen também morou por uns tempos na Casa. A sua presença no local, influenciou o surgimento do pintor Lange de Morretes, filho mais velho do engenheiro Lange.Chamado carinhosamente de Palácio da Serra, a Casa Ipiranga teve destino e ocupação até 1996. Ficou órfã durante o processo de privatização da Rede e, a partir daí, começou a ser destruída por vândalos.Hoje, o aspecto da Casa mais se parece com as ruinas de uma construção abalada num conflito militar.Passados 25 anos de abandono, eis que surge um grupo interessado na sua reconstrução. A criação da Associação SOS Casa Ipiranga vem realizando gestões para viabilizar o projeto. O livro, em lançamento, aborda toda a história deste Chalé, incluindo depoimentos e informações contidas em relatórios do Arquivo Histórico Nacional, da Rede e bibliografia que tratou do tema ao longo de décadas, além de depoimentos orais.Mais de 200 fotografias estão impressas na publicação, coloridas e em sépia, muitas inéditas , enriquecendo o seu conteúdo.O autor do livro, Rubens Habitzreuter , relata com detalhes o seu conhecimento da Casa, onde pernoitou muitas vezes, na década de 50, acompanhando o seu pai, que fazia a manutenção da pequena usina hidrelétrica existente no local.Parte da receita oriunda da venda do livro, será destinada à Associação SOS Casa Ipiranga, como donativo ao projeto para a sua reconstrução.

Ímola 1994

Para quem igual a mim curte Fórmula 1, está sendo lançado o livro Ímola 1994. O livro foi escrito pelo Flavio Gomes, jornalista com 39 anos de profissão e que cobriu durante muitos anos as corridas de Fórmula 1. O Flavio Gomes estava presente em Ímola no dia 1 de maio de 1994, quando aconteceu o acidente que matou Ayrton Senna.

O livro está na fase de pré-venda, o que significa que não está sendo comercializado nos canais convencionais. É uma compra direto com o autor. Para saber mais informações e adquirir o livro, você pode escrever direto para o Flavio Gomes, no e-mail flaviogomes@warmup.com.br

ÍMOLA 1994 narra minha trajetória jornalística como correspondente de Fórmula 1 de vários veículos de imprensa entre o final dos anos 1980 e início da década de 1990 até a cobertura dos acidentes do fim de semana do GP de San Marino de 1994. São 27 capítulos contando histórias passadas em autódromos pelo mundo que retratam uma época em que o trabalho da imprensa era muito diferente de hoje. Não é meu primeiro livro com temática de Fórmula 1. Em 2005 lancei “O Boto do Reno”, com crônicas de viagem. Ele foi reeditado no começo de 2021, mas esgotou em 12 dias. Por isso, quem tiver interesse vai ter de esperar pela terceira, que devo lançar no segundo semestre.

ÍMOLA 1994 tem quase 300 páginas e foi produzido nos primeiros meses deste ano. São textos inéditos com relatos de episódios sobre os quais eu nunca tinha escrito antes, envolvendo os principais personagens de um momento muito específico da Fórmula 1. Gente como Senna, Prost, Mansell, Piquet, Schumacher, Barrichello, Jean-Marie Balestre, Bernie Ecclestone, Luca di Montezemolo, Flavio Briatore, Jean Todt e muitos outros. E fala também da imprensa — brasileira e estrangeira. ÍMOLA 1994, como definiu o escritor e jornalista Mário Magalhães no prefácio do livro, é uma obra sobre automobilismo, viagens, aventuras e, também, “uma história de paixão arrebatadora pelo jornalismo”.

Flavio Gomes

Livro: Caminhos de Peabiru História e Memória

O amigo Arléto Rocha está lançando o livro Caminhos de Peabiru História e Memória. O livro revela os Caminhos de Peabiru por quatro diferentes visões: a do não indígena, a visão dos Historiadores, a visão dos Geógrafos, e a quarta e mais importante que é a visão do Indígena pelos relatos dos próprios indígenas.

O livro será lançado no próximo domingo, 8 de novembro. O local do lançamento será na praça central da cidade de Peabiru, respeitando todos os cuidados que a pandemia de Covid-19 exige. Interessados em adquirir o livro devem entrar em contato pelo WhatsApp (44) 99975-8280.

Livro Into The Wild – 1ª Edição

O livro Into The Wild, de Jon Krakauer, foi lançado em 1997 nos Estados Unidos e logo fez grande sucesso. Depois se tornou filme também de sucesso. A história trágica de Christopher McCandless, conquistou o coração e a mente de jovens e adultos em todo o mundo.

A primeira edição do livro Into The Wild, se tornou uma raridade e as poucas edições que eventualmente são colocadas a venda em sites ou sebos, já alcançam preços na casa dos U$ 150,00 (R$ 799,50 no câmbio de hoje).

Abaixo algumas fotos de uma primeira edição do livro Into The Wild:

s-l500 (2)

s-l500 (3)

Livros: Na Natureza Selvagem

Publicado em 2007 nos Estados Unidos, o livro Into the Wild (Na Natureza Selvagem), logo fez bastante sucesso e se tornou filme também de sucesso. No Brasil, o livro foi publicado em 1998. Em 2017 foi publicado uma edição com um posfácio do autor, Jon Krakauer, onde ele revisa sua opinião sobre a real causa da morte de Christopher McCandless. Essa nova edição tem poucas páginas a mais no final, e não muda em praticamente nada a história.

a00
Edição de 1998.

a01
Edição de 2017, com o posfácio.

Alfredo Sirkis

Hoje faleceu Alfredo Sirkis em um acidente de automóvel no Rio de Janeiro. Alfredo Sirkis escreveu um dos livros que marcaram minha juventude. No livro Os Carbonários, Sirkis conta suas memórias de estudante e guerrilheiro urbano contra a ditadura no Brasil. Foi a partir da leitura de Os Carbonários,  que passei a compreender melhor o que significou o Ato Institucional Número 5 (AI-5), as passeatas de 1968, os sequestros dos embaixadores da Suíça e da Alemanha, a libertação de presos políticos e as ações da ditadura para aniquilar as oposições.

91qteEdmqiL

Norte Verdadeiro – Peary, Cook e a Corrida ao Polo

Pouco mais de dez anos após ter lido o livro; Norte Verdadeiro – Peary, Cook e a Corrida ao Polo, resolvi reler tal livro. Sempre faço isso com livros de que gosto muito, guardo eles na estante, e anos depois releio. Após dez anos, muita coisa já não lembrava mais, e fica parecendo que nunca tinha lido o livro.

Sou apaixonado pelas histórias sobre a conquista do Polo Sul. Li cerca de quinze livros sobre o assunto, ou seja, todos que consegui encontrar que foram publicados no Brasil. Alguns desses livros eram os diários de viagem das expedições comandadas pelo norueguês Roald Amundsen e pelo inglês Robert Falcon Scott. Os dois comandaram expedições na famosa “corrida” pela descoberta do Polo Sul, sendo que os noruegueses foram vencedores e os ingleses derrotados vieram a morrer no retorno do Polo. A história do Polo Sul tem outros nuances e personagens interessantes, mas nela ficou bem claro quem foi o “descobridor”. Já no caso do Polo Norte, até hoje não se tem certeza de quem foi realmente o “descobridor”.

Dois norte-americanos reivindicaram ser o primeiro homem a colocar os pés no Polo Norte. Um levou os créditos, mas fica claro que ele mentiu. Também a história do “derrotado” Frederick Cook tem algumas controvérsias e mentiras. Documentos encontrados nas últimas décadas deixam mais claro que Peary mentiu mais do que Cook. Peary era militar da Marinha, era amigo de políticos poderosos na época e por isso praticamente todos acreditaram nele, que acabou levando a fama.

Nos livros de história hoje consta que o Polo Norte geográfico foi conquistado pelo americano Robert Edwin Peary, no dia 6 de abril de 1909. Mas nesses mesmos livros de história, não consta que tal conquista aconteceu não no gelo, mas nos tribunais. Para que seu feito fosse reconhecido, Peary teve de realizar uma monumental campanha de difamação contra Frederick Cook. Foi uma campanha suja, cheia de truques e artimanhas.

No livro que estou relendo; “Norte Verdadeiro – Peary, Cook e a Corrida ao Polo”, ao saber, voltando do Ártico, que Cook clamara ter estado no polo quase um ano antes dele, em 21 de abril de 1908, Peary mobilizou aliados políticos, forjou relatos de esquimós -além do próprio diário de viagem-, ameaçou gente de confiança de Cook e, segundo o autor do livro, até pagou um ex-companheiro de alpinismo do rival para que desse falso testemunho sobre uma conquista anterior deste. As histórias tanto de Peary quanto de Cook, na época foram tão mal contadas, que fica difícil escapar à conclusão de que a controvérsia jamais se encerrou, e de que possivelmente ambos os exploradores mentiram. E que jamais saberemos com absoluta certeza qual dos dois foi o primeiro a pisar no Polo Norte.

Após a leitura do livro acima citado, que estou relendo e de outros artigos sobre a conquista do Polo Norte, eu particularmente acho que o primeiro homem a pisar no Polo Norte, foi Cook. Inclusive anos atrás quando li o livro, fiquei tão puto com Peary, que jurei que se pudesse, um dia iria urinar no túmulo dele. Fiz isso movido pela emoção do momento! Kkk… Quando fiz tal “promessa” não tinha a mínima ideia de qual era o local onde ele tinha sido sepultado. E muito menos que um dia eu teria a chance de cumprir o que prometi. Mas nessas voltas que a vida faz, não é que numa visita a cidade de Washington – USA, em 2011, acabei visitando o Cemitério Nacional de Arlington, onde (descobri um pouco antes) Peary está sepultado. Arlington é o cemitério militar mais tradicional e conhecido dos Estados Unidos, onde foram sepultados seus maiores heróis e também soldados de todas as guerras que os Estados Unidos participaram. Por ser considerado o descobridor do Polo Norte, e por ser militar da Marinha, Peary está sepultado em Arlington. Quando entrei no cemitério fiquei pensando na promessa idiota que fizera anos antes e se teria coragem de cumprir o que prometi. Costumo cumprir minhas promessas! Meu maior risco era ser visto pelos seguranças do cemitério e acabar sendo preso por vandalismo e ato obsceno em público. Felizmente, para minha sorte acabei não vendo o túmulo de Peary. O cemitério é muito grande, e você precisa quase que de um dia inteiro para visitá-lo por completo. Eu e meu irmão passamos pouco mais de uma hora e meia andando pelo cemitério e não vi a sepultura de Peary, que devido a sua construção diferente da maioria das sepulturas do lugar -que possuem apenas uma cruz branca- ela seria visível de longe. Mas mesmo olhando com atenção por onde passei, não encontrei a sepultura de Peary e não precisei me arriscar para cumprir a promessa idiota que fiz. Melhor assim!

norte-verdadeiro-peary-cook-e-a-corrida-ao-polo-D_NQ_NP_623615-MLB28363556038_102018-F

web_Cook_9_50

RobertPeary
Robert Edwin Peary

Frederick-Cook-4
Frederick Cook

Grave_of_Robert_Peary_-_Arlington_National_Cemetery_-_2011
Túmulo de Peary, no Cemitério Nacional de Arlington.

DSC01520
Eu, no Cemitério Nacional de Arlington. (2011)

 

Ps: Caso queira saber mais sobre o Cemitério Nacional de Arlington, segue abaixo o link para ver a postagem sobre a visita que fiz ao cemitério em 2011:

Cemitério de Arlington

 

Meu livro na Black Friday da Amazon

Do dia 19 até 27 de novembro de 2017, meu livro “ESTRADA REAL CAMINHO VELHO” estará em promoção na Black Friday da livraria Amazon. Nesse período o preço do livro passará de R$12,74 para R$1,99. Você poderá baixar gratuitamente o aplicativo Kindle no computador ou celular, para poder ler o livro.

23593558_10155188522803067_2923663231996591224_o

Paris é uma festa…

Li três livros de Ernest Hemingway em meados dos anos noventa. Gostei muito e o autor passou a figurar entre os meus favoritos. Mas foi nessa mesma época que parei de ler romances e livros de ficção, para ler somente biografias e livros que contassem sobre coisas reais. Como eu não poderia ler todos os livros que queria, passei a ler somente sobre coisas verdadeiras. E com raríssimas exceções foi o que fiz nos últimos vinte anos. E por isso acabei não lendo mais nada escrito por Hemingway.

Mês passado estive viajando pela Europa, conheci Paris e depois passei dois dias na cidade espanhola de Pamplona. E foi aí que redescobri Ernest Hemingway, pois ele é lembrando pelas ruas da cidade onde passou algumas temporadas. Em seu livro Fiesta, Hemingway usa Pamplona e suas touradas como pano de fundo do romance. Andando pelas ruas de Pamplona pude ver muitas homenagens ao escritor. De estátuas, a bares e lojas com o seu nome. E também fui ao Café que ele costumava freqüentar, o hotel onde ele se hospedava.

O romance “Paris é uma festa”, são as alegres memórias de Ernest Hemingway, relatando sua temporada em Paris nos anos 1920, quando era um jovem aspirante a escritor. Esse livro ganhou um sopro de popularidade em novembro de 2015, após os ataques terroristas em Paris que deixaram dezenas de pessoas mortas. De repente muita gente correu as livrarias para comprar Paris é uma festa…  Muitos deixaram um exemplar do livro em frente á casa de espetáculos Bataclan, local da chacina terrorista que deixou 129 mortos e 352 feridos. E durante os eventos posteriores que homenagearam as vitimas, era comum ver pessoas segurando uma cópia do livro nas mãos. Tal livro foi escolhido, pois ele é uma homenagem a cidade de Paris dos anos 1920, quando a cidade era vibrante de cultura.

Paris é uma festa…  é um livro póstumo de Ernest Hemingway. Ele foi lançado em 1964, três anos após a sua morte, a partir de manuscritos do escritor editados por sua viúva, Mary Hemingway. Terminando esse livro, vou ler também Fiesta.

alx_mundo-literatura-franca-20151118-001_copy_original-e1448294928243

106980

Piratagem

Descobri que os livros que escrevi sobre algumas de minhas viagens estão sendo pirateados. Tem sites distribuindo os livros em versão e-book de forma gratuita. Me senti importante! Se um autor é pirateado, isso é sinal de que sua obra tem algum valor. E não me importo com isso, pois nunca escrevi meus livros visando lucro. O importante é que eles sejam lidos! E também já piratiei livros, então não posso reclamar do que estão fazendo com os meus livros…

VD
Um dos sites que está pirateando meus livros.

D. Pedro: A História Não Contada

Sou um confesso apaixonado pela história do Brasil, principalmente da época do Império. E sou fã de D. Pedro II. Nos últimos dias estou lendo sobre o pai de D. Pedro II, no caso D. Pedro I, o responsável pela independência do Brasil. O livro que estou lendo foi publicado em 2015 e se chama D. Pedro: A História não Contada. Estou quase no fim do livro e estou achando ele muito interessante. Baseado em muita pesquisa de documentos, o livro revela muita coisa que eu não sabia ou que sabia vagamente. Para quem gosta de história do Brasil, aconselho a ler tal livro.

Muito se fala do grito às margens do Ipiranga, da sexualidade exacerbada e do jeito impaciente que lhe rendeu a pecha de monarca difícil e de pouco tato político. Mas quase duzentos anos depois de sua morte, pouco ainda se sabe do homem de personalidade complexa que se dispunha a morrer por uma causa; do pai que queria para os filhos a educação que reconhecia falhar em si próprio; do governante que foi protagonista na transição do absolutismo ao liberalismo e ao regime constitucional no Brasil. Foi para preencher as inúmeras lacunas sobre nosso primeiro imperador que este livro foi escrito. Eis, enfim, a história não contada de d. Pedro. Ao morrer, d. Pedro deixou para as futuras gerações de brasileiros uma difícil tarefa: entender as muitas contradições da sua vida e extrair das suas memórias uma imagem fiel de sua personalidade, suas ideias, angústias e ambições. Até hoje, esta tarefa não havia sido bem cumprida. Em meio a um emaranhado de especulações e distorções históricas, restava ainda a interrogação: quem foi o primeiro imperador do Brasil? Foi para responder a essa pergunta que Paulo Rezzutti recorreu a uma ampla gama de fontes primárias e documentos originais que revelam uma miríade de facetas desconhecidas de d. Pedro, e que lhe deram acesso à história não contada do nosso primeiro monarca. Em lugar da caricatura que tomou conta do imaginário nacional, o autor nos apresenta o homem por trás do imperador, com todas as contradições e riqueza de personalidade que o transformam em um dos personagens mais interessantes da nossa história – um homem que, para além das muitas amantes, dos filhos ilegítimos e da fama de turrão, nos deixou como legado uma história de sacrifícios em prol da unidade nacional; um homem repleto de defeitos morais e contradições políticas, mas que esteve ligado a grandes passagens da história do liberalismo mundial, e que, acima de tudo, viveu uma vida intensa e repleta de humanidade.

Autor: Paulo Rezutti    Páginas: 432  Editora: LeYa

11458402_1GG

Assim Morreram os Ricos e Famosos

Estou lendo um livro bastante curioso, que conta sobre a morte de muita gente famosa. Até que é uma leitura gostosa, mesmo o assunto sendo morte. Para aqueles que não tem medo da morte, segue a sugestão de uma leitura calma, rápida e sem dor…

Este livro apresenta uma série de necrológios fascinantes, inacreditáveis e repletos de humor negro, sobre a morte das celebridades. Baseada em uma profunda pesquisa, esta obra de referência única apresenta a verdade nua e crua sobre a morte de uma multidão de famosos, enquanto apresenta os vários feitos, façanhas e trapaças cometidos ou sofridos por eles, desvenda os bastidores dos seus estilos de vida.

6629163_1gg

Livro: Estrada Real

Acabo de publicar mais um livro, dessa vez contando sobre minha viagem pela Estrada Real, no último mês de abril. O livro tem 202 páginas e sua versão online (e-book) está à venda no site da livraria Amazon. Já a versão impressa pode ser comprada no site do Clube de Autores.

O livro contém o relato de uma viagem de bicicleta pelo Caminho Velho da Estrada Real. A viagem durou dez dias e o autor conta detalhadamente o dia a dia da viagem, com as emoções, perrengues e perigos. Também conta curiosidades sobre os lugares por onde passou e fala sobre a história de muitos desses lugares. Foram pouco mais de 600 quilômetros de pedal entre as cidades de Ouro Preto, em Minas Gerais e Paraty, no Rio de Janeiro.

www.clubedeautores.com.br

Número de páginas: 202

Edição: 1(2016)

Formato: A5 148×210

Coloração: Preto e branco

Acabamento: Brochura c/ orelha

Tipo de papel: Offset 90g

cover_front_big

book_preview_big-2

book_preview_big-8

book_preview_big-5

book_preview_big-12

book_preview_big-13

book_preview_big-3

Livro: Sete Cumes

Ganhei um livro sorteado pelo Portal Extremos. Trata-se do livro Sete Cumes, do montanhista brasileiro Manoel Morgado. Ele é o segundo brasileiro a chegar ao cume das sete maiores montanhas do mundo.

sete cumes

Sete Cumes
Uma vida nas montanhas

Manoel Morgado

Descrição do livro:
Sem ter a intenção que isso se transformasse em um plano mais ambicioso, em 1990 Manoel Morgado então um jovem em uma longa viagem pelo mundo escala o ponto mais alto da Austrália, o Kosciuszko. Sem saber, tinha escalado o primeiro de seus Sete Cumes, a escalada da montanha mais alta de cada continente. Vinte e um anos depois colocava os pés no ponto culminante da Antártica, o cume do Mt Vinson. Tornava-se assim o segundo brasileiro a escalar os Sete Cumes! Mas este projeto não foi planejado ou mesmo sonhado e sim foi acontecendo conforme sua vida foi sendo desenhada buscando um só objetivo: estar nas montanhas.

De médico pediatra, tornou-se guia de montanha e conforme sua experiência aumentava foi sonhando cada vez mais alto. Em 2010 escalou o Mt Everest depois de um cuidadoso preparo de dois anos. Mas, assim como em seus outros livros, este não é um livro exclusivamente de montanhismo e sim o relato de uma pessoa apaixonada por viagens e de uma curiosidade incansável que o levou aos quatro cantos do mundo e que aqui divide esta história com seus leitores.

Páginas:
166

Disponível para ler em:
iPad, iPhone, iPod e Mac – Android, eReader, PC, Windows PhoneImpresso

eBook:
R$ 24,99 – Amazon Kindle (clique para comprar)


Impresso:
De R$ 47,00 – Clube de Autores (clique para comprar)

– See more at: http://www.extremos.com.br/ebooks/2015/sete_cumes/#sthash.AluyVi0n.dpuf

 

Diário de um Banana – 10

Foi lançado recentemente mais um livro da sério Diário de um Banana. O livro número 10 da série, tem o título Bons Tempos. Li o livro ontem e confesso que o achei o mais sem graça de toda a série. Mesmo assim vale a pena a leitura, que é rápida, pois mistura quadrinhos e textos.

Fui iniciado na leitura de Diário de um Banana, através da Myleninha, quando foi lançado o livro número 7, há pouco mais de dois anos. Logo li todos os livros da série e virei fã. Em seguida descobri que existiam três filmes com atores reais, baseados nos primeiros livros da série. E existe a informação de que estão gravando o quarto filme.

b10.jpg

A vida era melhor antigamente. Bem, pelo menos é o que dizem. Mas Greg Heffley, um garoto bastante acostumado ao conforto do mundo moderno, não concorda muito com isso. E uma decisão polêmica vai colocar o seu paraíso tecnológico em curto-circuito: todos em sua cidade resolvem dar um tempo dos aparelhos eletrônicos. Dentro e fora de casa, Greg terá que enfrentar o dia a dia à moda antiga. Será que ele vai conseguir sobreviver do mesmo jeitinho que se fazia nos “bons e velhos tempos”?

MUSSUM forévis

Eu que gosto de biografias, acabo de ler um livro muito bom, a biografia do eterno trapalhão Mussum. Tal biografia resgata muita coisa da minha infância e da história do Brasil, que é trazida como pano de fundo em meio á história do Mussum. No livro o autor conta de forma fácil e divertida a trajetória do sambista e humorista Mussum. Narra como o negro pobre, ex-militar da Aeronáutica e sambista da Mangueira, se tornou um dos mais queridos humoristas do Brasil.

Biografias sobre artistas e cantores brasileiros me atraem muito, pois através delas é possível saber um pouco mais sobre a história da música, do cinema e da televisão no Brasil. E no caso do Mussum, sua história passa principalmente no período em que eu era criança, e lendo sua biografia pude me lembrar de muitos fatos de minha infância e entender muitas coisas que aconteciam no Brasil naquela época e que eu não sabia.

Nos últimos anos li algumas biografias de cantores e artistas nacionais, entre elas as de Tim Maia, Erasmo Carlos, Bussunda, Wilson Simonal, Chacrinha e até mesmo o livro biográfico proibido de Roberto Carlos. De todos estes, o mais divertido e gostoso de ler foi esse livro sobre o Mussum. Esse é daqueles livros que você começa a ler e não quer parar enquanto não chega ao final. E quando termina o livro, fica aquela sensação de tristeza, de quero mais…

Indico esse livro a todos aqueles que foram fãs dos Trapalhões e não perdiam o programa do grupo, nas noites de domingo da Rede Globo, antes do Fantástico. E ler o livro me fez lembrar de algo que tinha esquecido, de que assisti um show ao vivo dos Trapalhões. Isso aconteceu em 1990, em Curitiba. Foi um show gratuito, em praça pública, em frente ao Palácio do Governo do Paraná. O show fazia parte de um comício do então candidato ao Governo do Paraná, José Carlos Martinez. Na época o grupo Os Trapalhões já estava desfalcado do Zacarias, que tinha falecido.

MF

Antonio Carlos Bernardes Gomes, mais conhecido como Mussum, é um dos mais amados humoristas brasileiros. Mas você sabia que ele também era sambista? E que era torcedor fanático da Mangueira? E que serviu a Aeronáutica? Mussum é cultuado inclusive por quem não teve a oportunidade de vê-lo junto a Didi, Dedé e Zacarias no saudoso programa “Os Trapalhões”. Mussum Forévis, a primeira biografia deste ídolo e artista multifacetado traz detalhes não só sobre sua carreira na TV, mas como músico em conjuntos como “Os 7 Modernos” e “Os Originais do Samba”. Este último inclusive costumava se apresentar como banda de apoio de artistas do porte de Elis Regina, Jorge Ben, Jair Rodrigues, Martinho da Vila e Baden Powell. O mé, a relação com Renato Aragão e os outros Trapalhões, e muito mais nessa biografia “imperdívis”.

Editora LeYa

Livro sobre o filme De Volta Para o Futuro

Achei sensacional o livro sobre os bastidores dos filmes da trilogia De Volta Para o Futuro. Adoro saber sobre bastidores de filmes e reportagens, e ler sobre os bastidores de um filme que marcou minha adolescência, foi algo maravilhoso. Li o livro em dois dias e com muita atenção, observando todos os detalhes.

A edição brasileira a exemplo da edição norte americana, tem muitas fotos. Mas infelizmente na edição brasileira as fotos são em preto e branco. Isso deve ter sido feito para baixar custos. Mesmo assim vale a pena ler o livro e tê-lo guardado em sua biblioteca. Isso para os fãs da trilogia De Volta Para o Futuro é claro!

Minha única reclamação é com relação ao tamanho das letras, que são muito pequenas. Acho que estou ficando velho e com a visão cada dia pior, o que dificulta a leitura de letras minúsculas.

de-volta-para-o-futuro-capa-darkside-books-bastidores-dissecando-02

Para comemorar o 30º aniversário da saga que reinventou a ficção científica, com boas doses de humor e aventura, a DarkSide® Books tem o prazer de anunciar mais um lançamento imperdível para qualquer geek que se preze: DE VOLTA PARA O FUTURO: OS BASTIDORES DA TRILOGIA.

O livro de Caseen Gaines é o documento mais completo sobre a trilogia De Volta Para o Futuro, além de ser uma verdadeira aula sobre cinema. Para conseguir reunir informações exclusivas, muitas daquelas que nem o mais apaixonado dos fãs conhecia direito, o autor levou vinte meses de pesquisa e conduziu mais de quinhentas horas de entrevistas com equipe técnica, elenco e fãs. O diretor Robert Zemeckis, o produtor e corroteirista, Bob Gale, o insubstituível Christopher Lloyd (Dr. Emmet Brown) e até mesmo Huey Lewis, autor de “Power of Love”, canção-tema do filme de estreia, relembram, com detalhes, como a saga ganhou vida. Críticos de cinema, documentaristas e fãs dedicados também ajudaram a enriquecer o conteúdo do livro.

Entre as muitas curiosidades desvendadas por Caseen Gaines estão os verdadeiros motivos que levaram Zemeckis a demitir Eric Stoltz (Máscaras do Destino, Pulp Fiction), o primeiro ator a interpretar McFly diante das câmeras; por que De Volta Para o Futuro quase se chamou O Homem de Plutão; como Chuck Berry quase sabotou o solo de guitarra de Marty; ou ainda, por que a velocidade necessária para o DeLorean viajar no tempo é de 88 milhas por hora?

http://www.darksidebooks.com.br

FB_IMG_1445445490656

Aquisições literárias

Mesmo tendo uma porção de livros novos e usados na fila de leitura, esperando para serem lidos, não resisti e adquiri alguns livros novos. Dois deles eu estava “namorando” há bastante tempo e esperando que o preço baixasse (Rainha Vitória e Um Sonho Chamado K2). E o terceiro livro (De Volta Para o Futuro, Os Bastidores da Trilogia), estava esperando ser lançado no Brasil. Agora é achar tempo para conseguir ler estes livros. Mais uma coisa eu garanto, o livro sobre os bastidores do filme De Volta Para O Futuro, vai furar fila e será lido no primeiro tempo disponível que eu tiver.

IMG_7294

Fala, Galvão!

Não sou fã do Galvão Bueno! Gosto dele narrando Fórmula 1, mas futebol não! Ele é o tipo de narrador que fala muito e narra pouco, por isso que não me agrada seu estilo de narração. Mas gosto muito de esportes, livros e biografias, principalmente aquelas que contam sobre bastidores, principalmente da TV. Então minha expectativa era grande com relação ao livro sobre o Galvão Bueno. Mas logo no início da leitura veio a decepção, pois eu esperava muito mais histórias e causos interessantes. Mas no livro existem poucas histórias inéditas ou grandes revelações.

Na verdade o livro parece mais uma homenagem a amigos, personagens do esporte, colegas de trabalho e ex-chefes do Galvão. O livro contém poucas confissões, que é algo que se espera de biografias e autobiografias. E o número de páginas que é de 312 é exagerado, pois existem muitas páginas com bastante espaço em branco.

O livro está na lista dos mais vendidos e tal, mas creio que muitos que compraram o livro também ficaram frustrados, com aquela sensação chata de quero mais,  de que podia ser melhor…

IMG_2008

Livre (Wild)

Não costumo postar muito sobre filmes aqui no blog, mesmo sendo um cara que assiste muitos filmes. Normalmente posto sobre filmes na época do Oscar, ou muito raramente, quando gosto bastante de um filme. E dessa vez estou postando sobre um filme que assisti hoje e que gostei muito. E acabo de comprar no site da Amazon, o livro no qual o filme foi baseado. Geralmente livros que se transformam em filmes, são mais completos e tão bons ou melhores que os filmes.

O motivo de eu gostar muito do filme, foi que além dele falar sobre caminhadas, aventura e natureza (coisas que adoro!), a história mostra como uma mulher venceu seus problemas e medos. Ela escolheu um grande desafio, escolheu sofrer um pouco para buscar respostas que precisava. Escolheu sofrer percorrendo a pé quilômetros de uma trilha, para encontrar forças e seguir em frente na vida. O sofrimento muitas vezes nos torna mais fortes, e vencer dificuldades são um bom exercício para nos fortalecer espiritualmente, fisicamente e psicologicamente.

Me identifiquei muito com a história do filme, pois após sérios problemas pessoais e de saúde que enfrentei em 2010, uma maneira que encontrei para superar meus problemas e me fortalecer, foi cair na estrada e enfrentar desafios. No início de 2011, ainda sem estar totalmente restabelecido fisicamente de meus problemas, fui para o Peru percorrer a Trilha Inca e depois percorri de bicicleta, o Caminho da Fé, no interior de São Paulo e Minas Gerais. Enfrentar as montanhas peruanas e suas dificuldades, bem como as estradas do interior paulista e as serras mineiras, fortaleceram muito meu espírito. E após estas duas aventuras, encontrei muitas respostas que buscava, deixei para trás muitas coisas que me incomodavam e voltei a ser forte em todos os sentidos. Então assistir ao filme Livre, foi um tipo de exercício espiritual para mim. Só que dessa vez não precisei passar frio, calor, medo e nem precisei derramar sangue, suor e lagrimas numa aventura. Bastou ligar a TV e acompanhar com atenção o filme. E isso tudo no conforto de minha cama, com o ar condicionado ligado e algumas guloseimas ao alcance das mãos…

O livro

Aos 22 anos, Cheryl Strayed achou que tivesse perdido tudo. Após a repentina morte da mãe, a família se distanciou e seu casamento desmoronou. Quatro anos depois, aos 26 anos, sem nada a perder, tomou a decisão mais impulsiva da vida: caminhar 1.770 quilômetros da Pacific Crest Trail – trilha que atravessa a costa oeste dos Estados Unidos, do deserto de Mojave, através da Califórnia e do Oregon, em direção ao estado de Washington – sem qualquer companhia. Cheryl não tinha experiência em caminhadas de longa distância e a trilha era bem mais que uma linha num mapa. Em sua caminhada solitária, ela se deparou com ursos, cascavéis e pumas ferozes e sofreu todo tipo de privação. Em Livre, a autora conta como enfrentou, além da exaustão, do frio, do calor, da monotonia, da dor, da sede e da fome, outros fantasmas que a assombravam. “Todo processo de transformação pessoal depende de entrega e aceitação”, afirma. Seu relato captura a agonia, tanto física quanto mental, de sua incrível jornada; como a enlouqueceu e a assustou e como, principalmente, a fortaleceu. O livro traz uma história de sobrevivência e redenção: um retrato pungente do que a vida tem de pior e, acima de tudo, de melhor.

O livro: Livre
O livro: Livre

O filme

Aos 38 anos, Reese Witherspoon parece estar em uma busca incessante por papéis que lhe inspirem novamente como atriz. Oito anos após vencer o Oscar por Johnny & June, ela traz uma atuação digna de um novo prêmio em Livre. Com sua produtora, a Pacific Standard, a atriz americana recentemente adquiriu os direitos de duas obras: Garota exemplar, best-seller da jornalista Gillian Flynn, e Livre: A jornada de uma mulher em busca do recomeço, livro de memórias da escritora Cheryl Strayed.  Protagonista de filmes hollywoodianos como Legalmente loira (2001), E se fosse verdade… (2005), e Guerra é guerra! (2012), Reese sai da zona de conforto em Livre. Ela interpreta uma mulher que passa por problemas pessoais e escolhe resolvê-los fazendo uma caminhada de 1.770 quilômetros pela Pacific Crest Trail, trilha que atravessa vários estados norte-americanos.

O filme tem cenas dolorosamente aflitivas, como quando ela arranca uma unha do dedo do pé ensanguentado, além de sequências de nudez, sexo e abuso de drogas, em que ela se destaca. Sem maquiagem e alguns quilos mais magra, a atriz dá veracidade a sua personagem, que tem relações sexuais com estranhos e passa a usar heroína. Vista pelos grandes estúdios como loira e bela, Reese já disse que só conseguiu gravar com mais liberdade e ousar nesse nível por ela mesmo ter produzido o filme.

Livre é dirigido por Jean-Marc Vallée, de Clube de compras Dallas, filme que rendeu Oscar de melhores atuações para Matthew McConaughey e Jared Leto. O escritor inglês Nick Hornby, autor de Alta fidelidade, roteiriza essa busca de Strayed pelo autoconhecimento após sofrer a morte de sua mãe e se separar do marido. Num primeiro momento, a trama pode fazer lembrar Na natureza selvagem (2007), filme baseado na história real de Christopher McCandless, um garoto de família rica que largou tudo para se aventurar sozinho no Alasca. Contudo, as jornadas são bem diferentes. McCandless era contra o materialismo, desfazendo-se de toda a grana que tinha: queria viver com o que a natureza lhe oferecia. Já Strayed inevitavelmente encontra a natureza durante sua caminhada, mas ela não lhe é familiar. Pelo contrário. A personagem se apavora com qualquer barulho no escuro, se enoja quando acorda cercada de sapos, e fica feliz quando encontra algum humano fazendo o mesmo caminho que o seu. Isso não faz que o filme seja “para mulherzinhas” ou “água com açúcar”. As jornadas são belíssimas, mas a de Livre acaba sendo a mais acessível para todos que também estiverem precisando de um tempo sozinho para aliviar as ideias.

Cartaz do filme: Livre
Cartaz do filme: Livre

Cheryl Strayed e Reese Witherspoon
Cheryl Strayed e Reese Witherspoon. (personagem real e atriz)

Cena do filme.
Cena do filme.

Cena do filme.
Cena do filme.

Cena do filme.
Cena do filme.

Cartas de Famosos

Na semana em que o mundo recebe boquiaberto a notícia da retomada das relações entre Cuba e Estados Unidos, depois de 53 anos, soa ainda mais curioso lembrar que um dia, quando nem sequer imaginava embrenhar-se na Sierra Maestra, Fidel Castro escreveu uma carta a um presidente americano pedindo uma nota de dez dólares. No dia 6 de novembro de 1940, quando contava viçosos 14 anos (e portanto 13 anos antes de liderar a Revolução Cubana), o rapazola Fidel mandou uma cartinha a Franklin Delano Roosevelt com o curioso pedido. Dizia ele, numa elegante caligrafia tombada à direita: “Meu bom amigo Roosevelt: não sei muito inglês, mas sei o bastante para escrever ao senhor. Eu gosto de ouvir rádio e estou muito contente, porque escutei que o senhor vai ser presidente por um novo período. Se for do seu agrado, mande-me uma nota verde americana de dez dólares, porque eu nunca vi uma nota verde americana e gostaria muito de ter uma. Muito obrigado, adeus, seu amigo, Fidel Castro”.

Encontrado em 1977 por pesquisadores do National Archives and Records Administration, o equivalente nos EUA ao nosso Arquivo Nacional, e citado em “Fidel Castro, uma biografia consentida” (2001), de Claudia Furiati, o documento é uma das centenas de cartas extraordinárias que o pesquisador americano Shaun Usher reúne desde 2009, quando fundou o “Letters of note”, uma espécie de museu on-line. O projeto fez tanto sucesso na internet (1,5 milhão de visitas por mês) que virou um livro homônimo, cuja edição brasileira acaba de chegar às livrarias com o título “Cartas extraordinárias: a correspondência inesquecível de pessoas notáveis”, pela Companhia das Letras. Nessa edição, tão caprichada quanto as maiúsculas de Fidel, Shaun seleciona as 125 que considera mais fascinantes. As que conseguiu autorização, publica em fac-símile, com um texto de introdução espirituoso para cada exemplo. O autor defende o valor histórico dos documentos: “Todas vão transportá-lo através do tempo com muito mais eficiência que o livro de história comum. Não imagino melhor maneira de conhecer o passado do que a correspondência geralmente sincera de quem viveu nele”, escreve.

Há cartas de anônimos, de personalidades históricas, de celebridades do showbiz, de personagens de desenho animado. Há cartas desconcertantes, como um bilhete de 1888 cheio de erros de ortografia enviado por Jack, o Estripador, ao delegado que tentava capturá-lo em Londres, dizendo que tinha acabado de fritar metade de um rim (e a outra metade ia numa caixinha junto à carta). Estão lá ainda o telegrama em que a empresa dona do Titanic afirma que não há risco de morte na viagem do navio, em 1912, e a carta a ser lida em rede nacional em 1969 caso o homem não voltasse da Lua.

É quase um romance epistolar involuntário. Na carta em que o gerente de produto das sopas Campbell agradece a “preferência” do artista plástico Andy Warhol pela marca, ele lamenta não ter dinheiro suficiente para comprar uma das obras do artista. Em 1996, o músico Nick Cave implorou que a MTV o retirasse de quaisquer listas de indicados a premiações, e o texto que escreveu para o canal é tão poeticamente turrão que também foi pinçado por Shaun: “Minha musa não é um cavalo e eu não estou em nenhum páreo”. Entre as mais curiosas, há uma do músico Louis Armstrong a um fã seu, um soldado americano que servia no Vietnã, contando como ouvia música em lugares menos distintos do que a guerra. Conta Armstrong, sem qualquer cerimônia, que um dos lugares preferidos para o deleite sonoro era o banheiro, “sentado no trono, sob efeito do ‘Swiss Kriss’” (uma marca de laxante).

Há missivas mais edificantes, como a do cientista Francis Crick explicando ao filho, de 12 anos, em 1953, que naquele dia em seu trabalho tinha descoberto a “linda” estrutura do DNA, “a molécula da vida”. O texto é tão comovente que a carta foi a mais cara a ser vendida em leilão, arrecadando US$ 5,3 milhões. Também estão lá cartas de amor cheias de tristeza: em junho de 1940, a mulher de Winston Churchill escolheu as palavras que tinha à mão para dizer ao marido que ele não era mais tão gentil como antes.

“PAPAI NOEL EXISTE?”

As mais improváveis são dirigidas a políticos: em março de 1961, o presidente americano Richard Nixon recebeu pelo correio um pedido inusitado de Elvis Presley, implorando por um distintivo do Departamento de Narcóticos e Drogas Perigosas para sua coleção. No ano seguinte, foi um menininho de 8 anos que escreveu a ele. Ao saber que estava internado no mesmo hospital do presidente, e que ambos tinham pneumonia, o moleque lhe enviou uma carta sugerindo que comesse verduras.

As cartas escritas por crianças, aliás, deviam ser compiladas num volume à parte. Em 1897, uma menininha enviou ao jornal “The Sun” a seguinte dúvida: “Tenho oito anos. Uns amiguinhos meus dizem que Papai Noel não existe. O papai diz que ‘se está no Sun é verdade’. Por favor, diga a verdade para mim, Papai Noel existe?”. O jornal garantiu a ela que sim, que Papai Noel existe. Algumas décadas antes, em 1860, uma menininha de 11 anos escreveu uma carta ao então candidato à Presidência dos EUA Abraham Lincoln sugerindo que ele usasse barba, “pois tinha o rosto muito magro”, para ganhar mais votos. A resposta de Lincoln é primorosa: “Querida mocinha, recebi sua amabilíssima carta no dia 15. Quanto à barba, como nunca usei, você não acha que as pessoas iriam dizer que é afetação de minha parte?”. Apesar da resposta, ele se rendeu à sugestão anos depois, adotando o clássico visual barbado com que se tornou conhecido. Entre as cartas-resposta, porém, a mais doce é a que escreveu o roteirista Pete Docter, da Pixar, a uma criança, em outubro de 2008: com um desenho, fingiu ser ele mesmo um dos “Monstros S.A.”.

Fonte: Mariana Filgueiras (O Globo – 19/12/2014)

Carta de Fidel Castro. (Terceiro/O Globo)
Carta de Fidel Castro. (Terceiro/O Globo)

 

Cartas Extraordinárias (organização de Shaun Usher) 

Companhia das Letras

Do comovente bilhete suicida de Virginia Woolf à receita que a rainha Elizabeth II enviou ao presidente americano Eisenhower; do pedido especial que Fidel Castro, aos catorze anos, faz a Franklin D. Roosevelt à carta em que Gandhi suplica a Hitler que tenha calma; e da bela carta em que Iggy Pop dá conselhos a uma fã atormentada ao genial pedido de emprego de Leonardo da Vinci – Cartas extraordinárias é uma celebração do poder da correspondência escrita, que captura o humor, a seriedade e o brilhantismo que fazem parte da vida de todos nós.

Livro: Cartas extraordinárias
Livro: Cartas extraordinárias

Morte e vida no K2

Desde minha adolescência que leio e coleciono livros sobre narrativas de viagens e também sobre escaladas. E muito cedo as histórias sobre escaladas perigosas em montanhas nevadas, em elevadas altitudes, se tornaram um de meus temas prediletos. E foi a partir dessa paixão pelos livros que cheguei a me aventurar e subi algumas montanhas, sendo uma nevada com pouco mais de seis mil metros de altitude. E nessa escalada pude sentir e conhecer de perto muita coisa que tinha lido nos livros. Somente estando em uma alta montanha é possível ter uma noção mais exata do frio extremo, da dificuldade de caminhar em vários tipos de neve e do cansaço que a falta de ar em altitude elevada nos causa. E após sentir na pele algumas situações que tinha lido nos livros de escalada, minha paixão por tais livros aumentou ainda mais.

E acabo de ler um livro sensacional, que conta sobre um dia trágico no K2, que mesmo não sendo a maior montanha do mundo é a mais perigosa. O livro foi escrito por um jornalista e a narração nos prende totalmente e queremos logo chegar ao final do livro. Então fica aqui a dica de leitura, para aqueles que igual a mim gostam de narrativas de viagem e principalmente narrativas sobre escaladas.

O relato de um dos maiores desastres na história do montanhismo

“A narrativa hábil e cuidadosa de um dia turbulento, contada em tempo real. Fatalidade por fatalidade…” –  New York Times

Com seu formato quase perfeito de pirâmide, o K2 – a segunda maior montanha do mundo, cerca de 240 metros mais baixa que o legendário Everest – seduz alpinistas há décadas. Em 2008, perto do fim de uma breve temporada de escalada, tornada ainda mais curta devido ao mau tempo, dez equipes internacionais – algumas experientes, outras menos preparadas – lotavam os declives perigosos da montanha com seus xerpas e carregadores esperando para subir. 

No dia 1º de agosto, um grupo de experientes alpinistas ergue os braços em comemoração. Tinham acabado de se juntar à elite que já conquistou a mais perigosa montanha do mundo. Enquanto comemoram, um imenso bloco de gelo cai logo abaixo deles e arrasta as cordas fixas. Ainda não sabem, mas serão obrigados a descer na escuridão e sem o apoio das cordas. Dos trinta que partiram, onze jamais retornarão.

Com um estilo emocionante, Graham Bowley narra toda a tensão e tragédia daquele dia fatídico – histórias de coragem humana, insensatez, sobrevivência e perda devastadora – e nos coloca no interior das mentes daqueles que estavam dispostos a arriscar tudo em busca de uma das realizações máximas do alpinismo. O que os levou a tentar conquistar esse pico? E o que deu errado?

Baseado em exaustivas entrevistas com os alpinistas sobreviventes, xerpas, carregadores e familiares e amigos dos falecidos, Morte e vida no K2 é o incrível relato de um dos maiores desastres da história do montanhismo. 

Morte e vida no K2.
Morte e vida no K2.

K2, a montanha da morte.
K2, a montanha da morte.