Biketour nas Cataratas do Iguaçu

O sábado foi dia de madrugar e pegar a estrada rumo à Foz do Iguaçu. Viajamos em três; eu, André e Eliane. E tivemos uma desistência de última hora, o nosso amigo Welison não conseguiu acordar às três da manhã. O motivo da viagem de quatro horas e 320 quilômetros, foi fazer o biketour dentro do Parque Nacional do Iguaçu. São 11 quilômetros de pedal entre o Centro de Visitantes e as Cataratas.  Em menos de um mês é a segunda vez que visito as Cataratas do Iguaçu. Não levamos as bikes, pois daria muita mão de obra. Foi mais fácil alugar, e mesmo não estando acostumados com as bikes, fizemos o biketour sem nenhum problema. É muito legal pedalar pela estrada que leva até as Cataratas, e tendo o risco de encontrar uma onça pela frente.

Após 11 quilômetros de pedal, deixamos as bikes em um bicicletário e fomos fazer a pé a trilha que leva até as passarelas. Tinha chovido nos últimos dias, e as quedas estavam com bom volume de água. E como ventava bastante, andar pela passarela era como andar na chuva. Como fazia bastante calor, se molhar com o spray da água foi algo gostoso. E descobrimos que a Eliane tem medo de altura, pois ela se recusava em ir nas partes das passarelas com maior altura.

Fizemos todo o circuito obrigatório de quem visita as Cataratas do lado brasileiro. Depois pegamos um dos muitos ônibus que circulam pelo Parque, e ele nos deixou no bicicletário, onde pegamos as bikes e pedalamos os 11 quilômetros de volta até o Centro de Visitantes. O passeio foi muito divertido e já estamos planejando retornar em breve para Foz do Iguaçu, dessa vez para atravessar Itaipu de bike.

Quem tiver interesse em fazer tal biketour, para alugar as bikes entrem em contato com o pessoal da Iguassu Bike Tour, pelo telefone (45) 99812-4602.

Vander, Eliane e André.
Centro de Visitantes do Parque Nacional do Iguaçu.

Pedal de Tiradentes

Aproveitando o feriado de Tiradentes, fui com alguns amigos do Grupo Sou Bike fazer um pedal de nível médio. Fomos até a cidade de Mamborê, distante 35 quilômetros de minha cidade. Saímos com chuva fina e um pouco de frio, pegamos sol, mais chuva, vimos arco-íris e no final do dia um belo por do sol. O plano era voltar antes de escurecer, mas por culpa de dois pneus furados de amigos do grupo, acabou atrasando a volta, que aconteceu no escuro. No total foi 70 km de pedal, o que me deixou com ameaça de câimbras. Passei frio, pois não estava vestido adequadamente para pedalar a noite e no frio. Mas mesmo assim valeu muito a pena! Foi um pedal divertido e fazia pouco mais de um ano que não fazia um pedal tão longo. E o principal foi poder curtir um feriado me movimentando e não ficando dentro de casa vendo TV. E o arco-íris e o por do sol que pude admirar, serviu para ver como a natureza é bela, como Deus nos presenteia com coisas maravilhosas e que pouca gente vê ou admira.

IMG_0405
Quem pedala seus males espanta.

IMG_0354
Pit stop na Praça de Pedágio.

IMG_0356
Trevo de entrada da cidade de Mamborê.

IMG_0345
Amigos do Grupo Sou Bike.

IMG_0352
Arco-íris e por do sol, presentes de Deus.

Circuito Vou de Bike 2017 – Etapa Campo Mourão

Aconteceu em Campo Mourão neste domingo, 26, a Terceira Etapa do Circuito Vou de Bike 2017. E também foi a terceira vez que o Circuito Vou de Bike é realizado em Campo Mourão. Participaram pouco mais de 700 ciclistas, vindos de 46 cidades do Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo. O evento foi um sucesso de público e organização.  Quem organizou essa etapa foi o grupo Sou Bike, de Campo Mourão.

Essa foi a terceira vez que participei do Circuito Vou de Bike em Campo Mourão, minha cidade. Tinham dois percursos, de 30 km e de 50 km. Optei por fazer o percurso menor, pois estava voltando de uma contusão de menisco. E no fim o percurso foi de 33 km, pois o pessoal errou na medição. O trajeto escolhido foi muito legal, principalmente o trecho que passava por uma grande plantação de eucaliptos próxima a represa da cidade. O clima ajudou, pois o sol estava fraco, a temperatura estava amena, ficou nublado a maior parte do tempo e não choveu. Esse ano tem mais dez etapas do Circuito e pretendo participar de mais algumas, de preferencia em cidades onde ainda não fui pedalar em outros anos.

e3f55a4ae86ba6133419264877661283

17553934_1878932215680887_2828008427682982950_n

FII

 

F3

FI

F22

F21

Circuito Vou de Bike – Etapa Roncador/Pr

Domingo de chuva e frio, foi dia de levantar de madrugada e viajar cem quilômetros para participar de mais uma etapa do Circuito Vou de Bike. Dessa vez a etapa ocorreu na cidade de Roncador.

O tempo ruim atrapalhou um pouco e muitos ciclistas inscritos desistiram de participar do evento. Mesmo assim a etapa de Roncador foi um sucesso, pois foi bem organizada e o pessoal que trabalhou no apoio era muito simpático.

A princípio seriam dois percursos, sendo um de 35 km e outro de 50 km. Mas o barro deixou os percursos ruins e optaram por deixar de lado alguns trechos e acabou ficando somente um percurso de 30 km.

Dessa vez fiquei no final do pelotão, junto com amigos do Grupo Sou Bike. Foi muito divertido, pois rimos muito, paramos muitas vezes para tirar fotos e conversar. Sem dúvida essa etapa do Circuito vou de Bike será inesquecível!

00

01
Parte do Grupo de Campo Mourão.

02
Momento da Largada.

18
Pedalando na chuva.

25

26

4223

49
Chegada…

54

Circuito Vou de Bike 2016 Etapa Campo Mourão

No último domingo aconteceu mais uma etapa do Circuito Vou de Bike, dessa vez em Campo Mourão, minha cidade. E diferente do ano passado quando choveu, fez frio e teve muito barro, dessa vez fez sol, calor e teve muita poeira.

O Circuito Vou de Bike contou com a participação de seiscentos ciclistas, de quarenta e três cidades diferentes. Tinham duas opções de percurso, sendo um com trinta e outro com cinquenta quilômetros de extensão. Em ambos existiam muitas subidas, o que serviu para testar o preparo físico dos ciclistas participantes.

Fiz o percurso de trinta quilômetros e sofri um pouco nas subidas, mas consegui vencer todas pedalando. O sol estava muito forte e com muita poeira sendo trazida pelo vento a dificuldade do pedal aumentou e muito. Felizmente existiam postos de apoio durante o percurso, onde era possível beber água gelada e repor as energias comendo frutas e doces.

A Circuito foi organizando pelo Grupo Sou Bike, do qual faço parte. E o patrocinador máster do evento foi a Faculdade Integrado, que cedeu suas instalações para a realização do evento. A largada e a chegada foram na faculdade, bem como o café da manhã e o saboroso almoço servido no final.

Um momento emocionante aconteceu antes da largada, quando foi feito um minuto de silêncio em homenagem ao nosso companheiro do Grupo Sou Bike, Betão Sanglard, que tinha falecido quatro dias antes ao ser atropelado por uma carreta quando estava indo para o trabalho com sua bicicleta.

Fotos: Christiane Knoener, Gysele Rezende, Diogo Reis, Enecy Calixto, Anderson Lima e Fernando Vinhote

10334315_966439406765787_8300253611396882246_n

1557711_967733749969686_3905759488152685126_n
Aquecimento.

12321182_1720610471513063_8965629814404836816_n
Minuto de silêncio em homenagem ao Betão.

1914591_967741919968869_8060319575887184929_n
Início do circuito.

10995300_966680536741674_7191101305966112945_n
Bela paisagem.

10583796_1720029784904465_6611523269157129809_n
Subida sem fim…

IMG_1630
Linha de chegada.

3533_1025657537469337_4067297522249852811_n
Equipe que organizou o evento.

 

Voltando aos pedais novamente…

Aproveitando um raro domingo de sol, voltei aos pedais mais longos. Após três meses sofrendo com problemas no tornozelo e tendo feito nesse período somente três pedais curtos, foi bom voltar a pedalar quilometragens maiores.

Fui pedalar com o pessoal do Grupo Evolução, uma ramificação do Grupo Sou Bike, onde pedalam principalmente ciclistas iniciantes. E as quilometragens são menores e o ritmo é mais lento. Então nada melhor para recuperar a antiga forma física do que num pedal com ritmo menor.

Ao todo pedalei trinta e cinco quilômetros, principalmente por estradas de terra. No final estava sentindo câimbras na coxa, mas nada grave. E nos últimos quilômetros tivemos que correr da chuva, pois ouvíamos os trovões bem próximos a nós. E mal cheguei em casa caiu um grande temporal, com forte ventania. Se esse temporal tivesse nos alcançado na estrada, teríamos tido sérios problemas! Agora é aumentar a frequência e a quilometragem nos pedais e torcer para que os problemas físicos não atrapalhem mais.

b1
Olha a selfie!

b2
Bem ao longe, a cidade de Campo Mourão.

b6
Ouvindo trovões.

Circuito Vou de Bike – Cianorte

Hoje estive em Cianorte, participando de mais uma etapa do Circuito Vou de Bike. O difícil foi acordar às 05h40min numa manhã de domingo, num frio de sete graus. Somente malucos e apaixonados por ciclismo para fazer algo assim! Os 85 quilômetros de estrada até Cianorte foram tranquilos, pois parte da estrada está bem conservada e foi duplicada recentemente.

Em Cianorte encontrei os amigos do Grupo Sou Bike, de Campo Mourão, que estavam presentes em grande número no evento. Pouco após às 08h00min foi dada a largada do evento. Estavam presentes cerca de seiscentos ciclistas. Percorremos muitas ruas do centro da cidade, tendo a Polícia Militar como batedores. Depois ao chegar na área rural da cidade, o pessoal foi dispersando, alguns indo mais rápidos e isso facilitou o pedal. Tinha muita areia na estrada, o que tornava um pouco perigoso o pedal e exigia atenção dobrada.

O percurso foi muito bacana, passamos por locais bonitos. Teve algumas subidas, mas nada de dar medo. Vi alguns acidentes pelo caminho, mas nada grave. Teve um que foi engraçado, onde uma colega do nosso Grupo conseguiu cair dentro de uma poça d’agua. Outra colega de nosso grupo passou mal após dezesseis quilômetros de pedal e tivemos que socorre-la. Ela teve problema de pressão e acabou seguindo num carro de apoio e depois teve socorro médico. Felizmente não foi nada grave e dessa experiência foi legal a ajuda que muitos ciclistas desconhecidos deram. Como o Circuito Vou de Bike não é uma competição, os ciclistas acabam se preocupando com os demais e param para auxiliar sempre que possível. Eu tive um pequeno problema com o protetor solar que entrou em meu olho e fui socorrido por uma ciclista que eu não conhecia e que meu viu tentando lavar o olho. Então ela veio em minha direção e ofereceu um toalhinha limpa, para eu limpar meu olho.

Tinham dois percursos, um com 35 quilômetros e outro com 58 quilômetros. Optei pelo percurso menor, pois estava com muita dor no tornozelo direito, em razão de ter virado o pé na noite anterior, ao pisar num buraco. De complicado apenas a temperatura, pois iniciamos o Circuito com nove graus e terminamos com vinte e um graus. Ou seja, passámos frio no início do pedal e sofremos com o sol e o calor no final. Após o pedal foi servido um delicioso almoço, teve entrega de troféus para as equipes participantes e sorteio de prêmios, inclusive de uma bike nova.

00

IMG_5518
Aquecimento…

IMG_5534
Pedalando na areia.

12002120_10153139026928067_4150690704057979418_n
Passando pela pequena cidade de Vidigal.

12019789_1141873649173811_7510418639151407591_n
Gysele e seu tombo histórico.

578
Com a galera!

Longa subida.
Longa subida.

IMG_5650
Ponto de apoio.

Quase no fim do circuito.
Quase no fim do circuito.

12020056_1703043649915314_2744944409778331383_n
Foto ridícula na chegada.

55
Identificação…

Pedal de sábado

Aproveitei o sábado de sol e calor num dia de inverno, para pedalar com o pessoal do Grupo Sou Bike. Fizemos um pedal de 47 quilômetros, que foi muito gostoso. Passámos por longos trechos de pedra e areia, mas mesmo assim foi um pedal divertido. E no final da tarde paramos para ver o belo pôr do sol.

Saindo do asfalto e entrando na terra.
Saindo do asfalto e entrando na terra.

03
Aproveitando a pouca sombra.

04
Muita areia na estrada.

05
Sombra, fiel companheira de pedal.

06
Às vezes era preciso empurrar a bike.

07
Momento de descanso.

08
Parada para admirar o pôr do sol.

09
Vendo o belo pôr do sol.

De volta ao local do acidente…

Esse final de semana voltei pela primeira vez ao local onde caí de bike, em meados de outubro do ano passado. Essa volta coincidiu com o fato de nessa semana eu ter conseguido pela primeira vez levantar totalmente meu braço esquerdo. Fora algumas dores no ombro conforme certos movimentos que executo, estou totalmente recuperado.

O acidente foi a noite e olhando o local durante o dia não parece ser perigoso. Mas na foto abaixo é possível ver que a estrada tem areia, e foi um monte de areia fofa que travou a roda dianteira da bicicleta e me fez cair. E por ser a noite, mesmo com lanterna não consegui perceber a tempo que a areia estava muita fofa e por estar correndo um pouco acima do indicado para o local, caí e me machuquei feio. Mas felizmente o acidente não foi ainda pior, pois faltou muito pouco para eu quebrar o pescoço ou uma vértebra. Fora a fratura de ombro, a pancada lateral no peito me deixou um bom tempo sentindo muita dor e com marcas roxas. Se tal pancada tivesse sido na cabeça ou no pescoço, e não no peito, prefiro nem pensar nas consequências.

O importante é que estou bem, já voltei a pedalar e agora sou um ciclista mais consciente. Evito os excessos, tomo mais cuidado e parei de pedalar a noite. Com a luz do dia fica mais fácil ver os obstáculos do caminho, principalmente para quem anda por estradas rurais e escuras. E de todas as dificuldades que passei na vida, em todas elas tirei alguma lição boa e me fortaleci como pessoa. E desse acidente não foi diferente, pois toda a dor que passei com a fratura, com a cirurgia e com a fase de recuperação, principalmente nas muitas doloridas sessões de fisioterapia, me fortaleci em muitos sentidos.

Após alguns meses, voltando ao local onde me acidentei.
Voltando ao local onde me acidentei. (jul/2015)

3
Na noite do acidente, sendo socorrido pelo SAMU. 

7
Sendo colocado na ambulância. (out/2014)

IMG_7221
No hospital após a cirurgia no ombro. (out/2014)

IMG_7270
Pontos e pinos no ombro após a cirurgia. 

Circuito Vou de Bike

Aconteceu no último domingo mais uma etapa do Circuito Vou de Bike, dessa vez na cidade de Campo Mourão. Esse circuito de ciclismo que acontece no interior do Paraná, tem crescido a cada ano e novas cidades estão realizando etapas do circuito. Foi a primeira vez que o Circuito Vou de Bike aconteceu na cidade de Campo Mourão, onde foi organizado pelo grupo de ciclismo, Sou Bike.

Cerca de 700 ciclistas de 25 cidades se inscreveram, mas por culpa da chuva e o frio intenso, alguns desistiram de participar. Mesmo assim a etapa ocorrida na cidade de Campo Mourão foi um sucesso, tanto de participantes, quanto de organização. A princípio seriam duas rotas, uma de 30 e outra de 50 quilômetros, quase toda passando por estradas rurais. Mas por culpa da chuva os percursos foram abreviados, sendo que o de 30 passou para 22 quilômetros e o de 50 para 42 quilômetros. O barro, a chuva e o frio foi um diferencial nessa etapa do Circuito Vou de Bike. Mesmo criando dificuldades para os ciclistas, o desafio maior foi bem recebido pelos participantes.

Participei do circuito, voltando a pedalar em estradas rurais após sete meses e meio, desde que tive uma queda de bike, sofri uma fratura no ombro e passei por uma cirurgia e um longo período de recuperação. A queda que sofri tinha sido em uma estrada rural, durante um pedal noturno. Então pedalar novamente em estradas rurais e com muito barro, foi um grande desafio para mim. Mas no fim deu tudo certo, tomei bastante cuidado, principalmente nas descidas e algumas curvas que estavam extremamente lisas por culpa do barro.

Mesmo sujo, molhado e com frio, foi muito bom ter chegado ao final do circuito de bike. Vencer esse desafio foi um estimulante para continuar pedalando e agora tomando certos cuidados para não sofrer nenhum outro acidente. Que venha agora a próxima etapa do Circuito Vou de Bike, que será no final de setembro, na cidade de Cianorte.

00

Aquecimento.
Aquecimento.

02
Vander e Samuel.

03
Início do circuito.

04
Primeira subida.

05
Frio e garoa.

06
Muita neblina pelo caminho.

g_vou-de-bike-clodoaldo-bonete-25
Estrada lisa demais. (Foto: Jornal Tribuna do Interior)

07
Muito Barro.

08
Estrada muito lisa.

09
Mais barro…

10
Acumulando barro na bike.

11
Mais uma subida…

12
Na chegada ganhando a medalha de “finisher”.

http://https://youtu.be/EKVuRD1LmhM

Voltando a pedalar

Após sete meses sem pedalar, por culpa de uma fratura de ombro (causada por uma queda de bicicleta), voltei a andar de bicicleta nesse final de semana. Os primeiros quilômetros foram estranhos, eu estava inseguro e com um pouco de medo. Mas logo o medo e insegurança passaram e o passeio de bike foi tranqüilo e prazeroso.

Após o acidente de bike em outubro, passei por uma cirurgia, uma longa fase de recuperação e dor, dois procedimentos para retirada de pinos do ombro e muita fisioterapia. Ganhei vinte e um pontos e algumas cicatrizes. Ainda não estou cem por cento recuperado, pois meu braço esquerdo está com os movimentos comprometidos,  não consigo levantá-lo totalmente. Mas com o tratamento nos próximos meses espero recuperar os movimentos do braço. E agora é pedalar normalmente, mas tomando certos cuidados, como evitar pedalar a noite.

foto 1foto 3foto 2

Acidente de bike

Sofri um grave acidente de bicicleta, durante um pedal noturno com amigos do Grupo Sou Bike. Já tínhamos percorrido cerca de 20 quilômetros, quando ao passar em alta velocidade num trecho de areião, a roda da frente de minha bicicleta afundou na areia e travou. Eu saí literalmente voando e ainda tive tempo de livrar a cabeça antes de cair no chão de ombro. A pancada foi muito forte e cheguei a desmaiar por alguns segundos. Quando acordei o pessoal já estava tentando me socorrer, mas eu sentia muita dor e não conseguia respirar. Não consegui levantar e tive um primeiro socorro por parte de agentes da Polícia Rodoviária Federal. Após meia hora no chão, recebi atendimento de uma ambulância do SAMU, que me levou até um hospital.

O resultado da queda foi o ombro fraturado. Vou ter que passar por uma cirurgia, onde será necessário a implantação de dois pinos no ombro. Essa foi minha primeira fratura em quarente e quatro anos e meio de vida. E será também minha primeira cirurgia. Mas não posso reclamar da sorte, pois faltou pouco para eu quebrar o pescoço. E após anos de aventuras e riscos, até que demorou para acontecer algo mais grave comigo. Agora é me recuperar e daqui uns seis meses voltar a pedalar, caminhar e subir morros, pois não vai ser uma fratura que me impedira de fazer as coisas que gosto.

Sendo socorrido pelo SAMU.
Sendo socorrido pelo SAMU.

Quebrado, mas bem...
Quebrado, mas bem…

Entrando na ambulância.
Entrando na ambulância.

Capacete amassado.
Capacete amassado.

Sou Bike

Foi criado um novo grupo de ciclismo aqui em Campo Mourão, chamado Sou Bike. Já existia o Bike Vida e com a criação do novo grupo, as opções de dias e horários para pedalar em grupo, bem como a quilometragem do pedal, ficou maior. Isso beneficia quem não tem muito tempo disponível, como no meu caso.

Já fiz vários pedais muito divertidos com o pessoal do Sou Bike. Foram pedais diurnos e noturnos, principalmente por áreas rurais, com paisagens muito bonitas. E o melhor de tudo são as novas amizades que vão surgindo.

Abaixo algumas fotos de pedais com o Sou Bike:

1

Pedal diurno.
Pedal diurno.

Pedal noturno.
Pedal noturno.

Pedal na chuva.
Pedal na chuva.

Pedal no barro.
Pedal no barro.

Pedal na natureza.
Pedal na natureza.

Belas paisagens.
Belas paisagens.

Pit stop para o xixi.
Pit stop para o xixi.

Sábado de sol.
Sábado de sol.

Pedal em grupo.
Pedal em grupo.

Ciclistas felizes...
Ciclistas felizes…

Ciclistas descontraídos...
Ciclistas descontraídos…

Pedal em área rural.
Pedal em área rural.

Trilha da Lua

Na semana que teve a famosa “Lua de Sangue” (que eu não vi, pois acordei de madrugada e o céu estava todo nublado) participei de um pedal sob a luz da lua cheia. Foi um passeio interessante, que contou com quase trinta ciclistas. Após percorrer o centro da cidade, fomos para a área rural, onde andamos por estradas de terra, com um pouco de barro. Alguns estavam com medo de onça, pois dias antes uma onça morreu atropelada perto de onde estávamos.

Fiquei um pouco isolado do grupo, pois não queria utilizar lanterna e segui somente com a luz da lua. A noite estava agradável, fresca e o passeio foi bem diferente do que costumamos fazer. Pouco depois da metade do caminho fizemos uma parada numa encruzilhada, ao lado de um árvore e participamos de um animado piquenique. Foi um momento de confraternização e de contemplação da lua cheia.

Trilha da Lua
Trilha da Lua

Momento de descanso.
Momento de descanso.

Confraternização sob a luz da lua.
Confraternização sob a luz da lua.

O grupo reunido, com a lua cheia ao fundo.
O grupo reunido, com a lua cheia ao fundo.

Fotos: Claudia Garcez e Margarete Storer

Passeio Ciclístico do Rotary

Participei do Passeio Ciclístico em comemoração ao Dia Internacional do Rotary, que foi no dia 22 de fevereiro. O evento foi promovido pela Associação das Senhoras de Rotarianos, o Rotary Clube de Campo Mourão e o Grupo Bike Vida. O evento também contribuiu para a difusão da prática esportiva como atividade importante para a saúde e arrecadou doações de alimentos, que serão doados a famílias carentes cadastradas pelos Vicentinos (Sociedade de São Vicente de Paulo).

A largada do passeio ciclístico aconteceu ao lado da Catedral São José e contou com dezenas de participantes, inclusive muitas crianças. O percurso foi de 6 quilômetros por ruas do centro da cidade. Após o passeio, ocorreram sorteios de brindes. Dessa vez ganhei um relógio no sorteio, sinal de que sou pé quente e sempre ganho alguma coisa nos sorteios de que participo.

*Fotos: Bike Vida e Carlão Koch

Todos reunidos para o passeio ciclístico.
Todos reunidos para o passeio ciclístico.

Terminando o aquecimento.
Terminando o aquecimento.

A criançada também participou.
A criançada também participou.

Pelas ruas do centro.
Pelas ruas do centro.

Passeio Ciclístico.
Passeio Ciclístico.

Galera animada...
Galera animada…

pedalando pelo "centrão".
Pedalando pelo “centrão”.

Bike Vida

Sou ciclista das antigas e desde que voltei a viver em Campo Mourão em meados de 2010, costumava pedalar sozinho, ou então na companhia do meu amigo Luís Cesar. Mas nos últimos meses tinha deixado minha bicicleta um pouco de lado, parte por culpa de alguns problemas físicos e parte por pura preguiça. Isso até conhecer um grupo de ciclistas aqui de Campo Mourão, chamado BIKE VIDA.

Fiquei conhecendo o grupo através de meu amigo Rodrigo “Alemão” e já me tornei participante constante no pedal das terças-feiras. Nesse dia o pedal é mais para aqueles que não costumam pedalar muito, então o trecho por onde o grupo anda não é dos mais difíceis e nem tão puxado. O pessoal também se reúne para pedalar às quintas e sábados, mas daí quem participa é o pessoal mais experiente e acostumado a fazer altas quilometragens. Aos poucos vou entrando em forma e logo pretendo pedalar com esse pessoal mais “barra pesada” (ou seria “barra-forte” em alusão a um antigo modelo de bicicleta da Caloi?).

O grupo BIKE VIDA foi idealizado pelos ciclistas Diogo Moura e Patricia Birkheuer. Eles começaram a organizar os passeios no final de 2013 e chegou a contar com mais de cem participantes em alguns passeios. Agora que às aulas das faculdades da cidade reiniciaram, muitos ciclistas não estão podendo participar, mas mesmo assim o grupo continuam grande, pois muitos novos ciclistas estão aderindo ao BIKE VIDA, convidados por amigos.

O grupo está fazendo tanto sucesso na cidade, que esse mês já foi tema de duas reportagens televisivas. Uma delas feita por uma TV local e a outra pela Rede Globo, que mostrou a reportagem em nível estadual. Em março deve ser publicada uma reportagem sobre o BIKE VIDA, na revista Metrópole (http://metropolerevista.com.br/).

Espero que o BIKE VIDA tenha vida longa e que eu possa pedalar muitos quilômetros com o pessoal, sempre fazendo novas amizades…

01

Grupo reunido para o pedal do dia 04/02/2014.
Grupo reunido para o pedal do dia 04/02/2014.

Subidinha básica... 04/02/2014
Subidinha básica… (04/02/2014)

Momento de descanso. (04/02/2014)
Momento de descanso. (04/02/2014)

Luciele e Alemão. (04/02/2014)
Luciele e Alemão. (04/02/2014)

Vander descansando. (04/02/2014)
Vander descansando. (04/02/2014)

Pedalando e vendo o pôr do sol. (04/02/2014)
Pedalando e vendo o pôr do sol. (04/02/2014)

Foto para a revista Metrópole. (11/02/2014)
Foto para a revista Metrópole. (11/02/2014)

Alongamento antes do pedal... (11/02/2014)
Alongamento antes do pedal… (11/02/2014)

Colegas de pedal: Gilmar, Rosângela e Vander. (11/02/2014)
Colegas de pedal: Gilmar, Rosângela e Vander. (11/02/2014)

Fim de tarde! (11/02/2014)
Fim de tarde! (11/02/2014)

Antonio Olinto

Para aqueles que gostam de cicloturismo, sugiro que conheçam os guias e o site do Antonio Olinto:    http://www.olinto.com.br/   O Olinto é um cicloturista bastante experiente, que já viajou de bicicleta por dezenas de países e escreveu um livro contando sobre suas viagens. Atualmente ele se dedica a desenvolver projetos na área de cicloturismo e a escrever guias para viagens de bicicleta.

Em 2011 utilizei um guia escrito pelo Olinto, quando percorri o Caminho da Fé de bicicleta. E tenho também o guia sobre a Estrada Real, o qual pretendo utilizar em breve. Na verdade já era para ter feito a viagem pela Estrada Real em 2011, mas por culpa das chuvas fortes que aconteceram pela região onde passa a Estrada Real, acabei cancelando a viagem no dia do embarque. Logo depois mudei de emprego e por culpa disso estou sem tirar férias a mais de um ano, o que impossibilitou viagens com duração maior do que dois dias. Mas tão logo seja possível estarei partindo rumo a Estrada Real, levando o guia do Antonio Olinto debaixo do braço.

ao2

Antonio Olinto.
Antonio Olinto.

Livro: No Guidão da Liberdade.
Livro: No Guidão da Liberdade

Guia: Caminho da Fé.
Guia: Caminho da Fé.

Guia: Estrada Real.
Guia: Estrada Real.

Viagem ao Peru e Bolívia (17° Dia)

31/05/2012 

Downhill na Estrada da Morte

Levantei às 6h00min me sentindo melhor do problema da garganta, que tinha desinchado. Pelo visto os remédios bolivianos e o antibiótico que o Enrico me deu estavam dando resultado. Para garantir coloquei na mochila uma cartela de pastilhas para garganta. Fui ao banheiro, voltei ao quarto me arrumar e logo desci. No hostal seria servido um café da manhã gratuito para o grupo que faria o downhill pela Estrada da Morte. No local do café fiquei conhecendo o guia e os outros três caras que fariam o downhill (um espanhol, um israelense e um suíço) e também um casal de chilenos, que iria conosco de carona até CoRoico, cidade próxima ao final do downhill. No café da manhã comi pão com doce de leite e bebi um copo de Tampico de manga. Argh, que coisa ruim!! Gosto de Tampico de laranja, mas não gosto de manga e o tal Tampico sabor manga que eu nunca tinha visto antes, era horrível demais. Após o café o guia entregou nossas roupas, que todos vestiram ali mesmo e fez uma reunião, sempre falando em inglês. Mesmo com meu inglês sofrível eu conseguia entender bem as explicações, então não pedi que ele traduzisse tudo para o espanhol. E durante todo o dia as explicações e avisos foram em inglês.

Embarcamos numa van, que levava em cima algumas bicicletas e partimos. Seguimos pelo centro de La Paz e depois pela periferia até uma região de serra. O motorista colocou umas músicas locais para tocar e num volume altíssimo. Foi a maior tortura e numa situação daquelas dava vontade de ser surdo. Após uma hora de viagem chegamos ao La Cumbre (o cume) local onde teria início o downhill. Fazia muito frio mesmo com sol. Eu vestia uma calça de ciclismo e por cima dela uma calça de agasalho que fazia parte do uniforme da agencia. E também uma camiseta, uma blusa e por cima o casaco da agencia. E para completar dois pares de meias e luvas. O guia nos entregou o equipamento de segurança, que consistia de capacete, perneiras e joelheiras de plástico. Usar toda aquela proteção era desconfortável, mas um mal necessário. O começo do downhill seria na parte asfaltada da Estrada da Morte. Na estrada passavam carros, então teríamos que tomar muito cuidado e não exagerar na velocidade. Depois de alguns quilômetros embarcaríamos na van e seguiríamos até a parte antiga da Estrada da Morte, que não é asfaltada e está quase que totalmente desativada. A partir de 1996 quando a estrada asfaltada foi inaugurada, esse trecho de terra passou a ser somente utilizado na época da colheita e para turismo, principalmente os passeios de bicicleta. Antes de ser asfaltada, a média de mortes anuais na Estrada da Morte era de duzentas. E desde que os passeios de bicicleta começaram a ser feitos na Estrada da Morte, vários ciclistas morreram ali, principalmente ao cair nos precipícios que existem de um dos lados da estrada. O nome Estrada da Morte é merecido, pois ela é estreita, toda em terra e cascalho, cheia de curvas, tendo de um lado um precipício que termina na mata e do outro lado um paredão de pedra.

Mais uma reunião foi feita, onde o guia explicou os cuidados com segurança que deveríamos ter. Tiramos fotos e o guia mostrou no fundo do abismo os restos de um ônibus que tinha caído ali três anos antes e que matou muitas pessoas. Não foi nada animador ver os pedaços do ônibus pouco antes de iniciar a descida pela estrada. Partiríamos de La Cumbre numa altitude de 4.700 metros (meu novo recorde de altitude) e no final do downhill em Yolosa, a altitude seria de 1.185 metros. Ou seja, seria o tempo todo descendo e como downhill significa “descida”, aquele era o lugar ideal para descer e descer… O início do downhill foi com muito frio, em razão da alta altitude e seu final seria numa região de mata e quente. Então no meio da descida faríamos uma parada para tirar a roupa de frio e colocar uma roupa para temperaturas altas. Do jeito que tinha me vestido, isso seria fácil. Bastava tirar as luvas, a calça de agasalho e os dois casacos.

Quando seguimos rumo a estrada para iniciar a descida, chegou outro grupo de ciclistas. Esse grupo era formado por umas vinte pessoas. O que me chamou a atenção foi que o único tipo de proteção que eles usavam era o capacete. E também usavam um colete amarelo, com o logo da agencia de turismo pela qual estavam fazendo o downhill. Achei que seria bem mais interessante fazer a descida com um grupo pequeno igual eu estava fazendo, do que num grupo tão grande igual o da outra agencia.

Já no primeiro quilômetro de estrada começou a descida e era uma curva atrás da outra. Não era preciso pedalar, bastava deixar a bicicleta pegar embalo. Para ganhar mais velocidade era só baixar o corpo e encostar o queixo no guidão. Fazia muito frio e descendo em alta velocidade o vento deixava a sensação térmica muito baixa. Mesmo com luvas, comecei a sentir os dedos congelarem e doerem de frio. No início utilizei bastante o freio, até me acostumar com a bicicleta e com a estrada. Minha bicicleta era boa, bastante leve e fácil de controlar. O freio era forte e logo peguei o jeito de frear em segurança. Só não gostei do selim, que era duro. O que amenizava um pouco o desconforto era a calça de ciclismo que eu usava por baixo da calça de agasalho e que tinha espuma no traseiro e nas partes mais sensíveis próximas a ele (entendeu?). Logo peguei gosto pela coisa, perdi o medo e comecei a andar em alta velocidade. Aquilo era muito louco, adrenalina pura. Em razão do horário poucos carros passavam pela estrada, e os que passavam na maioria eram caminhões e ônibus que subiam a estrada. Segundo o guia, nossa velocidade ficava entre sessenta e setenta quilômetros por hora. Cair a uma velocidade dessas significava sérios ferimentos, mesmo utilizando equipamento de proteção. Meu maior receio era cair de boca na estrada.

A descida foi ficando divertida e fazer curvas era ainda mais divertido. O guia ficava próximo a nós, tirando fotos e dando algumas instruções. Jorge, o espanhol logo começou a andar na frente e fazia as curvas em alta velocidade. Eu e o suíço andávamos sempre próximos um do outro, nos alternado um na frente do outro. E o israelense seguia sempre no final do grupo. Logo atrás dele vinha nossa van, cujo motorista também era enfermeiro para o caso de algum acidente. E o casal de chilenos vinha na van curtindo a paisagem e tirando fotos. Eu tinha perdido totalmente o medo e me adaptado à bicicleta, então passei a tentar andar na mesma velocidade que o espanhol. Em alguns momentos consegui ultrapassá-lo. Mas cheguei numa curva que tinha pedriscos e perdi o controle da bicicleta. O pneu da frente derrapou nos pedriscos e para conseguir controlar a bicicleta não usei o freio, pois senão teria derrapado de vez e caído. Meu sangue frio e experiência em andar de bicicleta foi o que me livrou de um tombo, pois ao mesmo tempo em que olhei rapidamente para os dois lados para ver se não vinham carros, fui tocando de leve no freio traseiro e equilibrando a bicicleta, cujo pneu dianteiro seguia dançando de um lado para outro. Segui controlando a bicicleta com o pneu dianteiro dançando, até chegar à grama em frente um guard rail do outro lado da estrada. Ali apertei mais forte o freio traseiro, fiz uma curva brusca já em menor velocidade e toquei levemente o pé esquerdo no guard rail, para me equilibrar. Dessa forma consegui controlar a bicicleta e voltar para a estrada em segurança. Nossa van vinha logo atrás e pude ver a cara de assustados do pessoal que estava nela. Depois de o perigo ter passado foi que senti o coração disparado e um frio no estômago. Foi aí que caiu a ficha e vi do que tinha me livrado. Se tivesse vindo algum carro no momento em que perdi o controle da bike, eu teria que ter freado bruscamente e fatalmente teria caído e me machucado feio. E outra coisa que poderia ter acontecido, seria eu ter batido no guard rail e caído no precipício atrás dele. Como não queria correr mais riscos e nem levar novos sustos, passei a ir mais devagar e até o israelense me ultrapassou.

Dez minutos após meu quase acidente, chegamos num local onde tinham algumas lanchonetes, banheiro e um posto de fiscalização da polícia boliviana. Ali fizemos uma parada para lanche e banheiro. E também compramos um tíquete que dava direito a passar pela parte antiga da Estrada da Morte, que fica dentro de um parque ecológico. A chilena veio falar comigo e disse que na van todos acharam que eu ia cair quando perdi o controle da bicicleta na curva. Respondi a ela que eu também achei que ia cair. Após meia hora de descanso voltamos a pedalar e ao passar pelo posto policial me distrai, perdi o equilíbrio e bati de lado numa cerca de ferro. Por sorte eu estava numa velocidade muito baixa e não me machuquei mais seriamente, apenas fiquei o resto do dia com dor no cotovelo e joelho direito. E o equipamento de proteção aliviou a pancada. Só faltava isso, depois de escapar milagrosamente de cair numa curva estando em alta velocidade, eu me machucar de bobeira estando com a bicicleta quase parada. Descemos por mais algumas curvas e chegamos num túnel. O guia nos mandou parar e disse que era proibido passar por dentro do túnel e que ele não tinha iluminação. Existia um desvio não asfaltado que passava ao lado do túnel e passamos por ele. Logo em seguida paramos, colocamos as bicicletas em cima da van e entramos nela para seguir até o início do trecho antigo e não asfaltado da Estrada da Morte.

Desembarcamos da van logo no início da parte original da Estrada da Morte. A paisagem era de tirar o folego. O guia fez nova reunião e explicou que ali era utilizada mão inglesa, ou seja, teríamos que descer pelo lado esquerdo da estrada, bem próximo ao precipício. Ele explicou que funciona dessa forma ali por que em razão da estrada ser estreita, quando dois carros se encontram fica mais fácil para o motorista que está subindo ver até onde ele pode se aproximar em segurança do morro e o motorista que está descendo pode ver até onde ele pode se aproximar da beira do precipício. Outro aviso que o guia deu foi que ao encontramos algum veículo pelo caminho, a preferencia seria dele. Que por segurança deveríamos parar e descer da bicicleta e só voltar a pedalar após o veículo ter passado. Avisos dados e começamos a descer pela estrada cheia de pedras. O guia acostumado que estava em passar por ali quase todos os dias, desceu em alta velocidade e desapareceu de nossa vista. Eu fui com calma, pois queria pegar o jeito da coisa, já que descer pela estrada de terra e cheia de pedras era bem diferente de descer pela estrada de asfalto. A velocidade que alcançávamos era menor, mas em compensação o risco de sofrer algum tipo de acidente era bem maior. Andávamos muito próximo da beira do precipício e cair ali era morte quase certa. Nas curvas o cuidado tinha que ser redobrado, principalmente em curvas muito fechadas e sem área de escape, onde a estrada passava rente ao precipício. Senti um pouco de medo no início, mas logo peguei gosto e jeito pela coisa. E não achei necessário andar sempre pelo lado esquerdo da estrada, pois quase não passavam carros e em muitas partes era possível ver um bom pedaço de estrada à frente. Então eu olhava para ver se não vinham carros e seguia pelo lado direito da estrada. Em curvas fechadas onde eu não tinha muita visão da estrada, eu reduzia a velocidade e seguia com cuidado pelo lado esquerdo. E os poucos carros que passaram por nós vinham buzinando para alertar eventuais motoristas e ciclistas que estivessem seguindo pela estrada.

Fizemos algumas paradas durante a descida, que serviram para tirar fotos e também admirar a beleza do lugar. Paramos em uma curva e o guia nos mostrou lá no fundo do precipício um carro todo retorcido. Esse carro tinha caído ali cinco dias antes, quando o motorista se perdeu na curva. Morreram quatro pessoas nesse acidente. Seguimos em frente, sempre descendo e o frio foi ficando para trás e a temperatura começou a subir. Fizemos uma nova parada, dessa vez numa curva onde ano passado (ou retrasado, não lembro mais!) aconteceu o último acidente com morte de ciclista na Estrada da Morte. Foi um israelense que se perdeu numa curva e caiu no precipício morrendo na hora. Um pouco mais a frente e chegamos numa curva que é o local mais conhecido da Estrada da Morte e onde todo ciclista que passa por ali, tem que obrigatoriamente parar para tirar fotos. A curva é bem fechada, não tem área de escape ou outro tipo de proteção lateral e a estrada passa bem na beira do abismo. Você olha para baixo e demora para ver o fundo. Cair ali é morte certa!

Mais alguns quilômetros descendo velozmente estrada abaixo e levando alguns pequenos sustos, e chegamos num local onde existe um monumento. Esse monumento foi construído pela família de uma ciclista israelense, que morreu ali em 2001. A guria na época tinha 23 anos, se perdeu numa curva e caiu no abismo. O Barack, o israelense do grupo não tinha prestado atenção ao monumento, então mostrei a ele a placa que está escrita em hebraico. Daí o guia contou que dos ciclistas mortos na Estrada da Morte desde que ela foi aberta aos ciclistas, o recorde de mortos por país é de israelenses, com doze mortes. O Barack fez cara de espanto e brinquei com ele perguntando se os israelenses são ruins de visão, ou não aprendem a andar de bicicleta quando crianças. E também falei que a estrada é nazista, pois mata principalmente judeus. Sei que foram piadas idiotas e sem graça, mas ao menos serviram para quebrar o clima ruim que tinha sido criado e para deixar o Barack mais relaxado. Depois disso, ele que já vinha o tempo todo mais devagar e no final do grupo, passou a pedalar ainda mais lentamente e com cuidado redobrado. Nessa parada em frente ao monumento da garota israelense, aproveitamos para tirar as roupas de frio e guardá-las na van.

Voltamos a pedalar e logo passamos por um trecho da estrada onde caía água da montanha por sobre a estrada. Tentei desviar da água, mas não consegui. Ter água gelada caindo sobre mim não foi nada agradável. Dali para baixo passamos a pedalar mais distante da beira do precipício, então comecei a correr mais. E por duas vezes fui parar no mato baixo ao lado da estrada, mas não cheguei a cair. Também atravessamos alguns trechos onde rios atravessavam a estrada. Eu passava com cuidado para não cair na água gelada e levantava os pés para não molhar o tênis. Chegamos num trecho onde tinha muitas pedras soltas na estrada. Na velocidade que estávamos algumas pedras voavam para os lados, outras batiam no pedal ou no quadro da bicicleta, fazendo barulho. Teve uma pedra que bateu no pedal e depois no meu queixo. Não chegou a machucar, mas que levei um susto enorme, isso levei! Comecei a sentir muita dor no pulso direito e parei para ver o que estava acontecendo. Meu pulso estava inchando, creio que em razão do esforço de horas pedalando e apertando o freio. Com o pulso inchado a pulseira do relógio ficou apertada (uso relógio no pulso direito, sempre usei desse lado!) e acabou cortando meu pulso, o que provocou a dor. Tirei o relógio, o coloquei no bolso e voltei a pedalar.

Na parte final da estrada as pedras desapareceram e passamos a percorrer uma região com muita poeira. A descida deixou de ser tão inclinada como fora desde o início e tivemos que pedalar o tempo todo e não mais andar no embalo. Ali fazia muito calor, nem parecia que tínhamos iniciado a descida com frio quase abaixo de zero. Chegamos num posto de controle, onde tivemos que mostrar os ingressos que tínhamos comprado horas antes. Aproveitamos para descansar e tirar fotos. No local uma equipe de reportagem da BBC de Londres, estava gravando parte de um documentário com uma equipe de resgate boliviana que trabalha na Estrada da Morte. Tirámos fotos com o pessoal e quando um dos caras da equipe de resgate soube que eu era brasileiro, veio falar comigo. Ele contou que é casado com uma brasileira e que sua esposa mora no interior da Bahia. Ele fica três meses na Bolívia trabalhando e três meses no Brasil com a esposa. O cara era muito gente boa e engatamos uma conversa animada. Ele contou que atualmente mesmo existindo a estrada nova, ainda ocorrem muitas mortes na parte da Estrada da Morte pela qual tínhamos descido. E que somando as mortes atuais na parte antiga da estrada e na parte nova, ocorrem em média cem mortes por ano. Encerramos a conversa quando o chamaram para almoçar.

Voltamos a pedalar e seguimos por um trecho sem graça, onde não existia curvas perigosas ou descida inclinadas. E exatamente às 13h30min chegamos ao final da estrada, num local com alguns bares e casas, próximo ao trevo que levava a cidade de CoRoico, que ficava ali perto. O guia disse que tínhamos percorrido de bicicleta algo em torno de 60 quilômetros. Entramos num bar e o pessoal foi tomar cerveja e bater papo. Tinha uma TV ligada onde passavam clips internacionais. E logo começou a passar um clip do Michel Teló, com a música “Ai se eu te pego”. Michel Teló e Gustavo Lima também fazem sucesso na Bolívia e não somente no Peru, igual eu tinha visto (e escutado) em muitos lugares. Pedi para usar o banheiro e o dono do bar foi me mostrar onde era. Na verdade não existia um banheiro propriamente dito, mas sim um local atrás do bar, que o pessoal utilizava como banheiro. Papel higiênico, absorventes e outras coisas mais espalhadas pelo chão, deixavam claro que aquele local era utilizado frequentemente como banheiro. Voltei para dentro do bar e conversei um bom tempo com o suíço do grupo. Ele falava bem o espanhol, pois tem uma namorada peruana.

Embarcamos na van e seguimos para o local do almoço, que seria num hotel fazenda no meio da mata. O lugar era exótico e bonito. Quando chegamos tinha um pessoal de saída e vi que tinham brasileiros no meio, mas não falei com nenhum deles. Estava com muita fome e queria comer o quanto antes. O sistema era self servisse e tinha muita salada e macarrão. Como de costume peguei pouca comida, pois onde quer que eu vá costumo provar um pouco da comida e se gostar pego mais. A comida estava muita boa, foi a melhor comida que provei em toda a viagem por Peru e Bolívia. Acabei repetindo três vezes e achei que ia passar mal mais tarde. Depois de almoçar ficamos conversando à mesa e o casal de caronistas chilenos contou sobre sua viagem. Eles tinham saído do Chile e pretendiam chegar até o México, gastando pouco, dormindo em barraca e pegando carona sempre que possível. O dono do hotel fazenda veio conversar conosco e contou brevemente sua história. Ele é húngaro e resolveu há seis anos vir tentar a vida na América do Sul. Passou pelo Brasil, mas não conseguiu se estabelecer no país e então seguiu para a Bolívia, onde tudo deu certo e ele vive feliz com a família, sem vontade de um dia voltar para a Hungria. Na mesa começou a encher de mosquitinhos, daqueles cuja picada coça e saí sangue. O interessante é que eles atacaram principalmente o suíço. Brinquei com ele dizendo que ele tinha sangue doce em razão de comer muito chocolate suíço. Fui o único que não foi picado pelos mosquitos, que não se aproximavam de mim. Acredito que isso em razão dos remédios que eu estava tomando, que devia causar algum cheiro imperceptível para os humanos, mas que funcionava como repelente para mosquitos.

Embarcamos na van e seguimos para o trevo de CoRoico. Ali os chilenos desembarcaram e nós subimos a serra. O guia foi no banco da frente com o motorista e na parte de trás existiam quatro bancos e quatro passageiros. Cada um ficou num banco e meus colegas logo deitaram e pegaram no sono. Eu preferi ficar olhando a estrada e a bela paisagem. A trilha sonora da volta foi bem melhor do que a da ida. Tocou o tempo todo músicas de uma banda mexicana chamada Coquetel Molotov. Teve uma das músicas que inclusive foi gravada em português pelo Capital Inicial.  Subimos o tempo todo e após uma hora chegámos na parte da estrada onde tínhamos descido de bicicleta pela manhã. De dentro da van, vendo a estrada, suas curvas, precipícios, veículos passando, cheguei à conclusão de que descer de bicicleta por ali igual nós tínhamos feito era muita loucura. O final da tarde foi chegando e na parte final da subida da serra o tempo fechou e ficou com neblina. Passámos por alguns lugares onde existiam pequenas cachoeiras descendo da montanha ao lado da estrada e em muitas partes a água estava congelada. Pena que o motorista não parou nesses locais, pois daria belas fotos. Saímos da serra e o sol reapareceu. Mais uma hora e estávamos circulando pelo centro de La Paz. Pela janela da van pude conhecer um pouco mais da cidade. E passámos em frente ao belo estádio Hernando Siles, local onde em 1993 a Seleção Brasileira perdeu sua primeira partida de eliminatórias de Copa do Mundo.

Chegamos ao hostal e passei na agencia de viagens para ver se tinha algum grupo formado para ir à Huayna Potosi nos próximos dias. A moça da agencia disse que não, mas que no dia seguinte poderia ter novidades. Acabei fechando com ela um passeio para o Chacaltaya, no dia seguinte. O Chalcaltaya é uma montanha, onde funciona uma estação de esqui semi desativada. A altitude dessa montanha é de 5.421 metros e ir até lá fazia parte do meu plano de aclimatação para subir Huayna Potosi. O pacote de dia inteiro, com van e guia para o Chalcaltaya e Vale de La Luna custava $ 50,00 bolivianos. Antes de sair da agencia ganhei de brinde um CD com as fotos do downhill e uma camiseta alusiva ao passeio, com uma bandeirinha da Bolívia pregada na manga direita.

Subi para meu quarto, tomei banho, deitei um pouco para descansar e quando já era noite saí à rua. Novamente ao passar pelas várias barbearias da vizinhança o pessoal me convidava para entrar e fazer a barba. Fui jantar na lanchonete da esquina e novamente comi um prato com arroz, frango frito e batata frita. Paguei $ 4,50 bolivianos, o que dá R$ 1,42. Era muito barato comer ali. Dei uma volta pelas redondezas e parei numa lan house para usar a internet. Voltei ao hostal pouco depois das 21h00min. Na porta encontrei Elisa, minha amiga italiana. Ela estava indo embora, seguiria para o interior da Bolívia. Conversámos um pouco, nos despedimos e subi para meu quarto. Arrumei a mochila para o passeio do dia seguinte, baixei as fotos do dia no net book e fui dormir, com os braços e mãos doendo em razão das horas em cima da bicicleta. E agora posso dizer que sobrevivi à Estrada da Morte!!!

Barack (Israel), Vander (Brasil), Jorge (Espanha), Stefan (Suiça).

Fazendo graça!!

Início do downhill.

Pegando velocidade.

Sempre descendo.

Pouco antes de quase cair numa curva.

Parada para descanso.

Trecho antigo da Estrada da Morte.

Um dos trechos mais perigosos da estrada.

Trecho da Estrada da Morte onde a parada para fotos é obrigatória.

Essa paisagem é clássica.

Cadê o final do abismo?

Estrada da Morte.

Trecho onde ocorreu a última morte de ciclista na Estrada da Morte.

Monumento a uma ciclista israelense que morreu ao cair no precipício.

Parada para trocar de roupa.

Pela estrada afora eu vou bem contente…

Parada no posto de controle.

Vamos pular, vamos pular, vamos pulaaaaarrrr!!!!

Com os repórteres da BBC de Londres e a equipe boliviana de salvamento.

Pedalando na poeira.

Atravessando o rio.

O banheiro no fundo do bar.

O delicioso almoço hungaro.

Com meus companheiros de downhill e o casal de chilenos.

A direita recado que deixei no livro de visitantes.

Na van, retornando à La Paz.

A bela paisagem na estrada que leva à La Paz.

Pedalar faz bem!

No domingo fui pedalar com o Luis Cesar, meu parceiro de pedal. Fez um dia bonito, não estava nem frio e nem calor, o que fez o passeio ser bastante prazeroso. E escolhemos um caminho onde tínhamos ido pela última vez em agosto de 2005, logo que começamos a pedalar juntos. Eu estava melancólico desde sábado e o sol na cabeça, o vento no rosto me fizeram deixar a melancolia pelo caminho. Após 31 km de pedaladas a alegria voltou.

Domingo de sol.

Pedalando no milharal.

Vander.

Luis Cesar.

Pedalando no feriado…

Para aproveitar à tarde ensolarada de feriado, eu e o Luis César, meu “velho” amigo de pedaladas fomos dar uma volta de bike. Fazia dez meses que não pedalávamos juntos. A última vez tinha sido no feriado de finados. Depois disso andei viajando bastante e também fiquei um bom tempo machucado. Já o Luis César acabou sendo pai nesse período e trocou os passeios de bike por trocas de fraldas.

O passeio foi gostoso, pois mesmo com sol o dia estava com uma temperatura amena. Acabamos fazendo 25 km, tudo em asfalto. Quase no final do passeio presenciamos um acidente, onde um motoqueiro bêbado com uma garota na garupa resolveu descer na contramão de um viaduto e bateu de frente com um carro. Fui dar água para a garota que estava caída num gramado. Ao ver a perna dela com uma fratura quase exposta e com buracos saindo sangue, quase fui eu a precisar de água. Logo o Siate chegou e achamos melhor ir embora, pois ver sangue e pessoas machucadas não é algo de que gostamos.

Vander e Luis César. (07/09/2011)

Ao lado do trigal.

Trigal…

O Siate chegando para atender os acidentados.

Após os 25 km de bike, nada como uma Coca-Cola.

Pedal em Cambé/Pr

As poucas horas que passei em Cambé na casa de meu amigo Pierin, foram bem agradáveis. Nos conhecemos em 2007 durante o Caminho do Peabiru e desde então nos reencontramos algumas outras vezes em caminhadas. Sua esposa e seus filhos também são muito legais, me trataram super bem. E o ponto alto da visita foi um passeio de bike que fiz com o Pierin e seu filho Lucas. Pedalamos uns 10 km, entre cafezais, trilhos, estradas de terra e asfalto. O lugar era bonito e mesmo com o sol quente da manhã foi um passeio agradável que terminou em um bar, numa conversa regada a dois litros de Coca-Cola.

Início do pedal.

Pedalando pelos trilhos do trem.

Pedalando pelo cafezal.

Lucas, Pierin e Vander. (Cambé/Pr - 21/11/2010)

Pedal no feriado

Hoje sendo feriado, foi dia de encontrar meu amigo de “pedaladas” Luis Cesar e pegar a estrada. O dia estava bonito, com sol e sem muito calor graças a um ventinho fresco que soprava. Tínhamos um plano em mente que não foi possível realizar, mais por minha culpa que errei o caminho uma vez e depois não consegui encontrar a trilha que levava até uma pinguela para atravessar um rio. Acabamos tendo que pedalar pelo meio de uma plantação de trigo recém colhida, o que foi muito cansativo. Chegou um momento em que achamos melhor abortar o plano inicial e voltar. Essa decisão se mostrou a mais acertada, pois na parte final do “pedal” estávamos arrebentados e percebemos que não teríamos conseguido cumprir de forma completa o trajeto inicialmente imaginado. Esse trajeto ficará pra uma próxima vez quando estivermos mais preparados. Pra facilitar o retorno seguimos por uma estrada asfaltada, andando ao lado da pista. Mesmo sendo mais perigoso foi menos cansativo. Na volta paramos num posto de gasolina na beira da estrada pra tomar uma Coca-Cola gelada. Foi umas das cocas mais deliciosas que já tomei, pois estava com sede, com a boca seca e cheia de poeira. Mesmo tendo sido um passeio cansativo, valeu muito a pena e em breve devemos fazer juntos novas trilhas.

Vander e Luis Cesar.

Pedalando no meio da plantação.

Meio que perdidos...

Coca gelada.

Última subida do dia.

Pedalando novamente

O final da tarde de hoje foi especial, pois após um longo tempo voltei a pedalar. Desde o último dia 7 de fevereiro eu não pedalava, por culpa da séria hérnia de disco que tive. A pedalada de hoje foi mais pra matar a vontade e desenferrujar um pouco. Foram 8 km de asfalto, sem subidas íngremes. Para mim esses 8 km tiveram um significado enorme, pois só eu sei o quanto esperei esse momento de poder voltar a pedalar livre, leve e solto por aí. No período mais grave da hérnia quando eu mal conseguia caminhar alguns metros, por muitas vezes me sentei em frente á bike louco de vontade de sair dar umas voltas com ela e não podia. Eu de certa forma conversava com a bike e perguntava a ela quando ficaria bom e poderíamos fazer nossos passeios. E hoje esse dia tão aguardado chegou. O engraçado é que já faz três semanas que montei a bike e a deixei pronta pra ser usada, mas ia adiando o momento de colocá-la em uso. Não sei explicar a razão, mas de certa forma eu receava sair com ela e sentir dores, então fui adiando ao maximo o momento de tirar a prova real de que realmente estava bem o suficiente para pedalar sem sentir dores. Isso aconteceu hoje de forma natural e me deixou muito feliz. Daqui pra frente outros passeios virão, cada vez mais longos e algumas viagens também. O pior já passou, as dores fazem parte do passado, o tratamento tem dado resultado e daqui pra frente será somente alegria e milhares de quilômetros para pedalar.  Iupiii!!!!

Minha velha companheira...

Pedal de domingo

Ontem aproveitei um raro domingo de sol e fui andar de bike. Sai de casa ao meio dia e retornei ás 16 horas. O inicio do passeio foi difícil, pois o sol estava quente e ventava muito forte. E pra piorar o vento estava de frente, dificultando muito o pedal. Fui até o Parque São Lourenço, distante 12,5 km de minha casa. Lá aproveitei para descansar um pouco e fiquei vendo as ovelhas que são responsáveis por “aparar” o gramado do lugar. O tempo virou de repente e se formou um daqueles temporais típicos de primavera. Consegui um local para me esconder da chuva, que tão rápido como veio, acabou partindo.

Dando continuidade ao passeio, passei rapidamente pelo Bosque João Paulo II e pelo Passeio Público. Quando estava seguindo para casa, ouvi um barulho de musica e vi uma grande aglomeração de pessoas. Acabei indo ver o que era tal rebuliço e ao chegar perto descobri que era a “Parada Gay de Curitiba”. Fiquei um tempo parado na rua vendo a movimentação. Pelo que vi, deviam mudar o nome para “Parada Lésbica de Curitiba”, pois o que mais tinha era mulher com mulher, um “desperdício” total. O que me chamou atenção foi a enorme quantidade de menores de idade consumindo álcool e cigarro. O cheiro de maconha dominava o lugar, que também estava repleto de crianças acompanhadas pelos pais, pelas mães e mães, pelos pais e pais e sei lá mais o que. Como estava quase na hora do jogo do Corinthians na TV, o tempo estava virando para chuva novamente e o ambiente não me agradava, resolvi pegar minha bicicletinha e seguir para casa, onde cheguei uns cinco minutos antes de cair a maior chuva.

Parque São Lourenço. (27/09/2009)
Parque São Lourenço. (27/09/2009)

Com as ovelhinhas do Parque São Lourenço. (27/09/2009)
Com as ovelhinhas do Parque São Lourenço. (27/09/2009)

em frente ao Bosque João Paulo II. (27/09/2009)
em frente ao Bosque João Paulo II. (27/09/2009)

Parada Gay de Curitiba. (27/09/2009)
Parada Gay de Curitiba. (27/09/2009)

Bike…

Após um longo tempo sem pedalar, sábado voltei a andar de bike. Nos últimos dias tinha voltando de forma leve ás atividades esportivas, caminhando, fazendo alongamento e correndo um pequeno trecho. E o melhor de tudo é que meu tendão não doeu em nenhum momento o que me deixou extremamente feliz. Agora vou continuar as atividades esportivas, intensificando o volume e grau de dificuldade aos poucos. Já são quase dez meses parado para recuperar o problema no tendão, então preciso voltar com calma ás atividades.

O passeio de bike foi de 16 km, onde nos primeiros dois quilômetros pensei em desistir, pois senti muitas dores nas pernas, mas depois que o corpo esquentou as dores sumiram. A parte ruim foi que estava frio e na volta para casa enfrentei um vento muito gelado bem na cara. Outro ponto negativo foi atravessar de forma displicente uma grande avenida próxima a PUC, olhando somente para um dos lados da rua e por muito pouco não fui atropelado. Nunca tinha dado uma bobeira dessas em meus passeios de bike e daqui pra frente á atenção será redobrada, pois qualquer mínima distração pode ter conseqüências sérias.

ciclovia em frente ao "Passeio Público". (22/08/2009)
Ciclovia em frente ao “Passeio Público”. (22/08/2009)

Pausa para dencanso. (22/08/2009)
Pausa para descanso. (22/08/2009)

Ciclismo no Caminho do Vinho

Na sexta-feira vi a previsão do tempo e nela  dizia que faria um sábado de sol e calor. Então resolvi fazer algo que há tempos queria fazer, ir de bike até o Caminho do Vinho. Convidei dois amigos, mas ambos não podiam ir, então decidi ir sozinho.

O sábado amanheceu com um sol maravilhoso e muito quente, sai de casa ás 09h30min e segui com destino a São José dos Pinhais. Fui pela Avenida Salgado Filho, que é menos movimentada. Os primeiros quilômetros são os mais difíceis, pois os músculos ainda não estão aquecidos e as pernas doem. Mas depois de um tempo pedalar se torna algo agradável. A pior parte foi atravessar o viaduto que divide Curitiba e São José. A mureta está toda destruída e tive que pedalar numa passarela de um metro sem nenhuma proteção lateral. Qualquer desequilíbrio e eu poderia cair lá embaixo, onde passa uma avenida movimentada e o trilho do trem. E pra quem tem labirintite, que é o meu caso, o risco de desequilíbrio era ainda maior. Mas no fim correu tudo bem, logo atravessei a cidade de São José dos Pinhais e segui em direção as colônias italianas de Muricy e Mergulhão.

Após 23 km de pedalada cheguei ao portal que dá inicio ao Caminho do Vinho. Esse caminho é formado por vários sítios, onde se plantam frutas, verduras e também uva. Existem muitos restaurantes de comida típica, café colonial e venda de queijos e vinhos. É Um típico roteiro gastronômico. Pedalei 4,5 km pelo caminho e parei num restaurante onde já tinha almoçado uns meses antes. O restaurante tem em frente um gramado com árvores e um lago, um local muito bonito.

Estava faminto e me fartei com a comida do local, feita em fogão a lenha. Tinha polenta branca com molho, polenta frita , frango, risoto, lingüiça e muito mais. E de sobremesa sagu e pudim de leite. Só não comi mais, com receio de passar mal na volta para casa. Depois de comer deitei num gramado debaixo de uma árvore e tirei um cochilo. Depois de um tempo calculei que já tinha feito a digestão e peguei o caminho de volta pra casa.

A volta foi mais cansativa, pois já tinha pedalado um monte, o sol estava muito quente e a pança estava cheia. Segui num ritmo lento e constante e pouco antes das 17h00min estava em casa. No meio da caminho parei na casa da Claudinha, minha grande amiga e quase prima, para reabastecer minha garrafinha com água. Foram 55 km pedalados e meu marcador indicava que tinham sido 04h30min de efetiva pedalada. Ou seja, o marcador anota somente o tempo em que estive andando com a bike, quando eu parava o marcador também parava. Somente em casa é que percebi que parte de minhas pernas que ficavam mais expostas ao sol e que a bermuda não cobria, estavam vermelhas, queimadas de sol. Na hora do banho é que senti o quanto estas queimaduras ardiam, mas tudo bem, no final das contas foi um passeio gostoso e aos poucos estou conseguindo fazer maiores quilometragens de bike. A idéia é cada vez fazer percursos maiores, pois desta forma vou melhorando meu condicionamento físico e queimando calorias.

Portal que marca o inicio do "Caminho do Vinho".
Portal que marca o início do “Caminho do Vinho”.

Pedalando pelo "Caminho do Vinho".
Pedalando pelo “Caminho do Vinho”

Merecido descanso após o almoço.
Merecido descanso após o almoço.

Uma das muitas antigas casas preservadas.
Uma das muitas antigas casas preservadas.

Com Claudinha, pit stop para beber água.