Vivian Maier

Uma de minhas paixões é a fotografia e hoje por acaso ouvi falar pela primeira vez sobre uma fotógrafa cuja obra foi descoberta há poucos anos e que está fazendo muito sucesso pelo mundo. O nome da fotógrafa é Vivian Maier. Ela nasceu em Nova York, trabalhou quase a vida toda como babá e governanta nas cidades de Nova York e Chicago. Ela sempre foi reservada e seu hobby era a fotografia. As famílias que a contrataram nessas duas cidades, não sabiam que ela fotografava de forma obsessiva.

Durante uma fase de sua vida, Vivian viajou por alguns países, tendo inclusive visitado a América do Sul. Por onde andava ela costumava carregar uma máquina fotográfica e gostava de tirar fotos do cotidiano, de pessoas aleatórias que via pelas ruas. E antes do selfie se tornar modinha, Vivian gostava de tirar auto retratos utilizando o reflexo de vitrines, espelhos, rodas de carros e etc.

Vivian faleceu em 2009 numa casa de repouso em Chicago, aos 83 anos. Deixou para a posteridade milhares de fotos, sendo a maioria em preto e branco. Poucas de suas fotos tinham sido reveladas. Ela deixou centenas de rolos de filmes guardados em um depósito público (depósitos comuns de se encontrar nos Estados Unidos, onde se paga uma taxa mensal para guardar coisas). Quando ficou velha e não tinha mais dinheiro para pagar o aluguel mensal do depósito onde estavam guardadas suas coisas, todo seu acervo acabou indo parar em um leilão. O comprador, John Maloof, de 27 anos, arrematou em 2007 por US$ 400,00 cerca de 30 mil negativos e 1.600 rolos de filmes não revelados. Ao olhar pela primeira vez o acervo de Vivian, não encontrou  nada interessante. Ele pesquisou sobre a autora e não encontrou nada sobre ela, então guardou o acervo no armário.

Em 2009, por acaso John Maloof leu num jornal o obituário falando sobre a morte de Vivian Maier. Curioso foi pesquisar sobre a desconhecida fotógrafa. Desvendou a vida dela, revelou os filmes que tinha guardado no armário e descobriu que tinha em mãos um verdadeiro tesouro, que mostrava através de fotografias tiradas entre 1953 e 1984, histórias de pessoas desconhecidas e do cotidiano de então. Jonh Mallof fez um documentário sobre Vivian Maier, o qual fez sucesso e tornou famosa a fotógrafa discreta que jamais sonhara em se tornar famosa.

O documentário “À procura de Vivian Maier”, que concorreu ao Oscar em 2015, foi parar na Netflix e muitas das fotos de Vivian foram parar em exposições em famosas galerias de arte e museus pelo mundo. Vivian Maier tinha grande talento para a fotografia, talento que ela desconhecia. 

Familiares próximos de Vivian, tendo como base a Lei de Direitos Autorais, entraram na justiça americana exigindo que o acervo volte para suas mãos. Enquanto a briga judicial está correndo, advogados da família exigiram que as imagens fossem retiradas de galerias, museus e que nada fosse comercializado. Processos desse tipo podem durar anos e por isso boa parte da obra de Vivian Maier pode ficar escondida por mais um longo tempo.

NovaYork, 1953.
Foto de 1956.
Uma das fotos coloridas de Vivian Maier.

ALGUNS AUTO RETRATOS DE VIVIAN MAIER

Documentário: “A Procura de Vivian Maier” (2013).

Concurso de fotografias

00

Pela primeira vez participei de um Concurso de Fotografias. Foi aqui na minha cidade, em um concurso organizado pela Secretaria de Cultura. Não fui premiado, mas foi uma experiência interessante. Pude aprender um pouco sobre como funcionam os concursos, sobre os critérios que são importantes ao decidir quais são as melhores fotos concorrentes. E na noite de premiação, pude conversar durante bastante tempo com um fotógrafo profissional, que participou da comissão julgadora do concurso. Ele me deu boas dicas sobre fotos e concursos. Quem sabe no próximo concurso eu não me saía melhor!

Abaixo as duas fotos com as quais concorri no Concurso, sendo uma colorida e a outra em preto & branco. As fotos concorrentes estão em exposição na Estação da Luz, em Campo Mourão.

01

06

03

08

 

Fotos de Belas Artes

Estava lendo um artigo na internet e uma foto me chamou a atenção, principalmente por suas cores fortes. Gosto muitos de fotografia e procuro aprender sobre o tema e também conhecer um pouco sobre os grandes fotógrafos atuais. E descobri que a foto que me despertou curiosidade é de uma fotógrafa. Julia Fullerton-Batten, nasceu na Alemanha em 1970. Ela se tornou conhecida mundialmente como fotógrafa de belas artes. Suas fotos são poderosas e seu estilo é único e cheio de cores requintadas. Abaixo segue uma pequena mostra do trabalho de Julia Fullerton-Batten.

Julia-Fullerton-Batten-5

9_The_Wetnurse-11

a128361db3c54d3db2d05d7ad4306430

feral-children-wild-animals-photos-fullerton-batten-4

42JBa1-1150x861

145

9_M_D_TheWeddingDay_Sephanie_Alex-10

Pin-up

O termo pin-up geralmente se refere a desenhos de mulheres, quase sempre em poses sensuais. Estes desenhos na maioria das vezes eram feitos a partir de fotos de modelos e fizeram muito sucesso, principalmente nas décadas de 1940 e 1950.

Abaixo seguem alguns desse desenhos, ao lado das fotos originais que serviram de base para que os desenhistas fizessem os famosos desenhos no estilo pin-up.

1

2

3

4

5

6

O metrô de Nova York pela lente de Vander Dissenha

A última postagem que fiz aqui no blog, foi sobre “O metrô de Nova York pela lente de Stanley Krubrick”. Então aproveito para fazer esta postagem sobre o metrô de Nova York, através de minha própria lente. São fotos de 2003 e 2011. Ás de 2003 são fotos tiradas ainda com uma câmera de filme, e ás de 2011 com uma câmera digital. Dá para perceber que a qualidade das fotos digitais são melhores.

Conheci pouca coisa do metrô de Nova York, pois ele é enorme. Mas mesmo assim conheci muita coisa do metrô, pois fiz algumas viagens longas e também parei em várias estações. Andar de metrô em Nova York é uma experiência interessante, onde você vê muitas pessoas diferentes e situações inusitadas. Algumas vezes ao andar de metrô em Nova York, eu me sentia dentro de um dos muitos filmes que assisti e que tinha como cenário algum trem ou estação do metrô nova-iorquino.

Estação Chambers Street. (2003)
Estação Chambers Street. (2003)

Trem passando. (2003)
Trem passando. (2003)

3
Maquinista. (2011)

Trem passando. (2011)
Trem passando. (2011)

Estação da 59 Street. (2011)
Estação da 59 Street. (2011)

Estação da 59 Street. (2011)
Estação da 59 Street. (2011)

Interior de um vagão. (2011)
Interior de um vagão. (2011)

Catracas. (2011)
Catracas. (2011)

Vander, na estação da 42 Street. (2011)
Vander, na estação da 42 Street. (2011)

O metrô de Nova York pela lente de Stanley Kubrick

Estive algumas vezes no metrô de Nova York e a única imagem que vi, parecida com as das fotos, foi da mulher esperando o trem na Estação Canal. O restante mudou muito!!

É bem provável que você só conheça Stanley Kubrick por filmes como Laranja Mecânica e 2001: Uma Odisseia no Espaço. Afinal, ele foi simplesmente um dos maiores nomes do cinema no último século. Mas o que pouca gente sabe é que ele também já ensaiou uma carreira como fotógrafo.

Foi assim que, quando tinha apenas 17 anos, ele entrou no metrô de Nova York para fotografar o cotidiano dos seus usuários para a revista Look Magazine. Isso foi em 1946, quando as técnicas de fotografia ainda o obrigavam a esperar o metrô parar em uma estação para que a foto não saísse tremida.

O jovem Kubrick passou duas semanas andando de metrô para fazer as fotografias que você vê abaixo, todas com luz natural. O resultado é um ensaio que mostra um pouco do dia a dia nova-iorquino em um período em que smartphones davam lugar aos jornais nas mãos dos trabalhadores da cidade.

Fonte: http://www.vivimetaliun.wordpress.com

© Stanley Kubrick
© Stanley Kubrick

© Stanley Kubrick
© Stanley Kubrick

© Stanley Kubrick
© Stanley Kubrick

© Stanley Kubrick
© Stanley Kubrick

© Stanley Kubrick
© Stanley Kubrick

© Stanley Kubrick
© Stanley Kubrick

© Stanley Kubrick
© Stanley Kubrick

© Stanley Kubrick
© Stanley Kubrick

Retrospectiva 2014

Como já é tradição aqui no blog, no último dia do ano a última postagem é uma seleção de fotos mostrando um pouco do que foi o ano que está findando. E 2014 foi um bom ano, não posso reclamar! Foi um ano de poucas e curtas viagens e de alguns problemas, pois é impossível ter um ano em que aconteçam somente coisas boas. Foi um ano onde sofri um grave acidente, mas que graças a Deus não foi mais grave ou fatal, por muitíssimo pouco. Então só tenho que agradecer pelo ano que termina e lembrar das coisas boas que aconteceram, das novas lições que aprendi. Que venha logo 2015, pois os anos impares são os meus favoritos e geralmente os inesquecíveis. E estou otimista com o novo ano, pois creio que muita coisa boa virá ao meu encontro…

PARA AMPLIAR, CLIQUE NAS FOTOS

01 (2)0203040506

As Irmãs Brown

O fotógrafo Nicholas Nixon retratou quatro irmãs por 36 anos. Tudo começou com uma foto em 1975. Nicholas Nixon era fotógrafo e retratou sua esposa Bebe ao lado de suas três irmãs. Foi aí que tiveram a ideia de imortalizar o vínculo familiar entre elas uma vez por ano, demonstrando, assim, as mudanças em seus traços e das vestimentas. E assim foi por 36 anos. 

As fotos não são obras de arte, mas emocionam e nos surpreende quando acompanhamos ano por ano e percebemos as pequenas diferenças entre elas. Para ter uma lógica, as irmãs Brown se posicionam da mesma maneira em todas as fotografias.  

As irmãs Brown – Heather, Mimi, Bebe e Laurie – tinham entre 15 e 25 anos na primeira foto. 

A série, intitulada “As Irmãs Brown” (The Brown Sisters) foi exibida na Galeria Nacional de Arte (Washington D.C., EUA) e no George Eastman House (Rochester, NY, EUA). Além disso, dois conjuntos foram vendidos em leilões de fotografia em Nova York (EUA).

Por Ana Lis Soares (Revista Pais & Filhos)

Escolhi publicar aqui no blog apenas algumas fotos da série. Para ver todas as fotos, acesse o link http://revistapaisefilhos.uol.com.br/familia-e-tudo/diga-x

1977
1977

1981
1981

1984
1984

1988
1988

1992
1992

1998
1998

2003
2003

2007
2007