Fechamento do Mercadorama

A rede de supermercados Walmart está fechando nesse final de ano diversas lojas no Brasil. A rede que é detentora de algumas marcas como Big, Mercadorama, Maxx Atacado e TodoDia, está fechando lojas que não dão lucro. Aqui no Paraná serão dez lojas fechadas. E uma delas vai fazer falta, pois posso dizer que fez parte de minha história. A loja no caso é o Mercadorama da Praça Tiradentes, em Curitiba. Durante muitos anos fiz compras nessa loja, principalmente na época em que morava perto dela.

A rede Mercadorama, que pertencia à família Demeterco, é bastante conhecida em Curitiba. Em 1998 foi vendida para o Grupo Sonae, que em 2005 vendeu às lojas para a rede Walmart. E nessas vendas o Mercadorama perdeu muito de sua característica original que era bem familiar, com variedade de produtos, baixos preços e ótimo atendimento. Fui funcionário do Mercadorama do bairro Juvevê durante poucos meses em 1991 e trago boas lembranças dessa época.

merc dd.jpg
Mercadorama da Praça Tiradentes, Curitiba. (Foto: Google Earth)

Terminal Guadalupe

O Terminal Guadalupe, é um terminal de ônibus que fica no centro de Curitiba. Ele foi construído em 1956 e até 1972, ali funcionou a Rodoviária de Curitiba. Atualmente o terminal recebe linhas de ônibus que seguem para cidades da região metropolitana de Curitiba. O trânsito em volta dele é meio caótico e os ônibus ajudam a piorar a situação.

Passam diariamente pelo Terminal Guadalupe, cerca de 270 mil pessoas. A região do terminal é desvalorizada e perigosa, principalmente à noite. Em suas redondezas existe tráfico de drogas e prostituição a luz do dia. Assaltos no local são frequentes e já foram registrados assassinatos dentro do terminal.

Em frente ao terminal, na Praça Senador Correia, situa-se a Igreja Nossa Senhora de Guadalupe. A Igreja é bastante procurada, pois nela são realizadas missas do conhecido padre Reginaldo Manzotti. Calcula-se que em média mil pessoal assistem diariamente as missas na Igreja Nossa Senhora de Guadalupe.

O terminal dispõe de serviços como salão de cabeleireiros, farmácia, minimercado, mercearia, doceria, confecções e utilidades domésticas, lanchonete, banca de revistas, laticínios, bicicletaria, frutas e verduras, aviário e pipoca.

O Terminal Guadalupe é tão conhecido e importante dentro da cidade de Curitiba, que até uma banda de rock foi batizada como o nome do terminal. Hoje a banda não existe mais, mas deixou sua marca ajudando a preservar a história do Terminal Guadalupe.

Eu fui usuário do Terminal Guadalupe no ano de 1994, quando morava na cidade de Pinhais e trabalhava em Curitiba. Diariamente desembarcava no terminal pela manhã e à noite voltava ali para pegar o ônibus de volta para casa. Também lembro de algumas paqueras que utilizavam os ônibus do terminal e que muitas vezes eu tinha que acompanha-las até o local. E nas noites frias de Curitiba, a melhor maneira de esperar o ônibus era abraçadinho para esquentar o corpo. Então tenho boas lembranças do Terminal Guadalupe!

Antiga foto do Terminal Guadalupe.
Antiga foto do Terminal Guadalupe.

Vista aérea do Terminal Guadalupe.
Vista aérea do Terminal Guadalupe.

Terminal Guadalupe (agosto/2010).
Terminal Guadalupe (agosto/2010).

Terminal Guadalupe (agosto/2010).
Terminal Guadalupe (agosto/2010).

Terminal Guadalupe (agosto/2010).
Terminal Guadalupe (agosto/2010).

Terminal Guadalupe (abril/2015).
Terminal Guadalupe (abril/2015).

Terminal Guadalupe (abril/2015).
Terminal Guadalupe (abril/2015).

Banda Terminal Guadalupe.
Banda Terminal Guadalupe.

Gruta de Nossa Senhora de Lourdes

Um lugar que gosto de visitar em Curitiba é a Gruta de Nossa Senhora de Lourdes. Ela fica meio escondida, em frente à Praça Rui Barbosa e ao lado da Paróquia Bom Jesus dos Perdões. O local é de paz e o pessoal costuma passar por ali para rezar e acender velas. Também existem na Gruta, muitas placas de agradecimento por graças concedidas. Algumas dessas placas são bem antigas.

Gruta de Nossa Senhora de Lourdes

Diz o livro de Crônicas da Paróquia Senhor Bom Jesus que a Gruta de Lourdes, existente no pátio da Igreja Bom Jesus, foi construída pela Ordem Franciscana Secular em comemoração de seu sétimo centenário.

No dia 18 de setembro de 1921, a Ordem Franciscana Secular, Frei Engelke, diretor e pároco do Bom Jesus, após a recepção de 24 noviços, e o Apostolado da Oração, dirigiram-se em procissão à Catedral, a fim de buscar as imagens de Nossa Senhora de Lourdes e de Bernardete, que na véspera tinham chegado da Alemanha. Foram as imagens bentas na Catedral. O bispo diocesano Dom João Fr. Braga e o bispo de Ribeirão Preto, Dom Alberto Gonçalves, e grande multidão de fiéis acompanharam a procissão até a Gruta de Lourdes, onde as imagens foram colocadas em seus devidos lugares. Foi, então, celebrada a Missa na Capelinha da Gruta e dada a bênção do Santíssimo. Diz o cronista em 1921, que “grande é o número de fiéis que diariamente saúdam na Gruta a Virgem Imaculada, trazendo-lhe flores depositando-lhe aos péis os seus pesares, para obter da Mãe de Deus consolo e coragem para a luta da vida”.

Fonte: www.franciscanos.org.br

IMG_2654IMG_2655

A Curitiba perdida!

Quando criança estive muitas vezes em Curitiba, ou de passagem, ou visitando meus avós que moravam perto do Terminal do Boqueirão. Em 1989 acabei indo servir ao Exército em Curitiba, e passei dois anos no quartel do 20° BIB, no Bacacheri. Depois que saí do Exército, acabei ficando em Curitiba. Entre 1991 e 2010, me mudei de Curitiba três vezes e acabei voltando. Nesse período a maior ausência da cidade foi de um ano, entre 2002 e 2003, período em que vivi nos Estados Unidos. Em agosto de 2010, mudei novamente de Curitiba e dessa vez pensando em não voltar mais. E mesmo vivendo distante, sempre dava um jeito de passar uns dias em Curitiba, revendo amigos e a própria cidade, visitando locais que eu gostava, comendo em lugares que eu adorava.

Mas aos poucos meu amor por Curitiba foi diminuindo. Vivendo fora da cidade, em cada visita a Curitiba era mais fácil perceber as mudanças, as transformações que a cidade sofria. E o que vi foi uma Curitiba decadente. O glamour de outrora se esvaiu, aquela Curitiba provinciana e simpática que eu conhecia já não existe mais. No lugar existe uma Curitiba feia, suja, violenta, com trânsito caótico, uma cidade que cresceu demais em pouco tempo e por culpa disso perdeu qualidade. E tal mudança para pior não foi algo que ocorreu do dia para noite. Tal mudança foi lenta, mas quando se mora num lugar, devido a correria do dia a dia você acaba não percebendo tais mudanças.

Como morador de Curitiba, eu costumava andar pelo centro da cidade e não olhava para cima, ou para os lados. Não prestava atenção ao meu redor, ao que acontecia à cidade. Hoje como turista, toda vez que vou a Curitiba tenho um olhar diferente, onde observo mais a cidade e consigo perceber as mudanças. Cada vez que vou a Curitiba, paro num local e fico tentando lembrar o que existia antes ali, que comércio existia, que casa antiga foi demolida. É mais fácil observar tais mudanças sendo um “estrangeiro” na cidade do que sendo morador, pois esse na correria do cotidiano não tem tempo de parar e observar as transformações pelas quais a cidade passa. Muitas vezes tais transformações acontecem lentamente e de forma quase imperceptível.

Na última visita a Curitiba, me espantei com a quantidade de ambulantes vendendo coisas na Rua XV. Em alguns locais era quase impossível caminhar em razão da rua estar tomada por produtos à venda. E outro espanto foi ao parar para esperar a chuva passar na esquina da Rua XV com a Monsenhor Celso. Era começo de noite e diversas pessoas fumavam maconha e traficavam naquele local na maior tranquilidade. Confesso que fiquei com medo de ser assaltado, pois teve um grupo de pessoas que começou a olhar demais para mim. Então optei por seguir caminhando na chuva e sair daquele local. Justo a Rua XV, local por onde gostava de caminhar a noite, ou me sentar num banquinho e ficar observando a cidade e as pessoas, agora se transformou em terra de ninguém, em um lugar perigoso.

Sei que não gosto nem um pouco da Curitiba que existe hoje! Talvez por isso que faz mais de um ano que não coloco os pés na cidade. Sinto saudades da Curitiba dos anos setenta, oitenta e noventa. Já a Curitiba do ano dois mil, para mim não faz nenhum pouco de falta ou inspira saudade. E não vejo perspectiva de melhora para Curitiba. Ao meu ver a tendência é que Curitiba fique cada vez mais decadente e eu fique cada vez mais ausente da cidade.

v1
Praça Tiradentes.

v9
Rua Riachuelo.

v10
Rua XV de Novembro.

v11
Bondinho.

v2
Rua Monsenhor Celso.

v6
Estação Tubo.

v3
Rua Barão do Cerro Azul.

v7
Avenida Sete de Setembro.

v8
Praça 19 de dezembro.

v4 (2)
Galeria Júlio Moreira.

v5
Antigo Cine Bristol.

 

Demolição da Fábrica da Mate Leão

No tempo em que morei em Curitiba, costumava caminhar ou andar de bicicleta pelo bairro Rebouças. Esse bairro durante mais de um século foi a área industrial de Curitiba. Algumas industrias ainda permanecem no local, mas a maioria mudou-se dali. Para mim andar por essa parte do Rebouças, era como viajar ao passado. O local tinha um ar diferente… Sei lá! Difícil explicar a sensação que eu tinha quando passava pelas velhas construções. A sensação era de que naquele lugar Curitiba tinha parado no tempo.

Os prédios onde funcionavam as antigas fábricas, muitos foram demolidos ou descaracterizados. E um desses casos é a demolição da sede histórica da Matte Leão. A indústria ocupava mais de um quarteirão na altura das avenidas Getúlio Vargas com João Negrão. O terreno de 16,3 mil metros quadrados foi vendido pela família Leão para a Igreja Universal do Reino de Deus, no início de 2010. No local será construída uma nova Catedral da Fé.

A Matte Leão foi criada em 1901 e funcionou durante mais de um século no bairro Rebouças. Em 2007 foi vendida para a Coca-Cola e posteriormente sua fábrica foi transferida para o município de Fazenda Rio Grande. O prédio do Rebouças ficou abandonado durante um tempo, até ser vendido para a Igreja Universal, por cerca de R$ 7 milhões. Mesmo sendo um prédio histórico, não era considerado unidade de preservação e isso possibilitou sua venda e posterior demolição.

História

A Leão Junior foi fundada em maio de 1901 por Agostinho Ermelino de Leão Junior, tornando-se protagonista do Ciclo da Erva-Mate, a principal riqueza do estado no século XIX e que foi determinante para a independência do Paraná da província de São Paulo. Não é portanto por acaso que as folhas de erva mate estão na bandeira do Paraná.

Com a morte de Agostinho em 1908, sua viúva, Maria Clara de Abreu Leão, toma a frente dos negócios em fevereiro de 1908, assumindo uma posição rara para mulheres na época. Em 1926 a Leão concluía a construção do prédio no bairro Rebouças. A fábricca contava inclusive com um ramal ferroviário que permitia o escoamento da produção diretamente para o Porto de Paranaguá.

Em 1938 a empresa cria um ícone do imaginário paranaense: o chá Matte Leão, na época em latas. Dessa época vem os slogans: “Já vem queimado” e o nacionalmente conhecido “Use e Abuse”. Em 1969 é lançado o Matte concentrado em garrafas. Em 1973 surgem os saches de chá Matte Leão nos sabores natural e limão.

Em 1983 lança a sua linha de chás de ervas, antecipando-se a moda das bebidas naturais, nos sabores camomila, cidreira, erva-doce, boldo, hortelã, frutas, flores e também, o chá preto. Em 1987 nasce outra sucesso: o Matte Leão pronto para beber em copinhos (alguém se lembra da propaganda na praia com a música: “Olha o Matte! Matte Leão!!”?). O produto em princípio focado no mercado carioca, rapidamente alcançou o Brasil todo.

Em 2003 inaugura sua fábrica no Rio de Janeiro. Tendo a posição de liderança nacional no seu ramo, a centenária empresa paranaense é vendida para a Coca-Cola do Brasil, rebatizando suas linhas por Chá Leão, ganhando o mundo. Em 2009 a nova fábrica na Fazenda Rio Grande é inaugurada, desativando definitivamente a fábrica no Rebouças, selando seu triste destino nas barbas de todos que viveram essa história de dentro ou como consumidores e nas barbas dos que deveriam proteger um patrimônio da história política e social do Paraná, quer por conivência, distração ou desinteresse.

Fonte: www.circulandoporcuritiba.com.br

Antigas latas de Matte Leão.
Antigas latas de Matte Leão.

Matte Leão, anos 20/30.
Matte Leão, anos 20/30.

Matte Leão, anos 2000. (Foto: Washington Takeuchi)
Matte Leão, anos 2000. (Foto: Washington Takeuchi)

Industria antes da demolição. (Foto: Washington Takeuchi)
A fábrica antes da demolição. (Foto: Washington Takeuchi)

Matte Leão após demolição. (Foto: Gazeta do Povo)
Matte Leão sendo demolida. (Foto: Gazeta do Povo)

Demolição da Matte leão. (Foto: Washington Takeuchi)
Demolição da Matte leão. (Foto: Washington Takeuchi)

Bosque do Papa

Inaugurado em 1980, logo após a visita do Papa João Paulo II a Curitiba, o Bosque do Papa, como é mais conhecido, envolve uma área de 48 mil m², onde existia uma antiga fábrica de velas. É cortado pelo rio Belém e inclui uma reserva de mata atlântica, com mais de 300 araucárias. Um ambiente agradável acolhe os visitantes do Bosque.

O Memorial da Imigração Polonesa, em Curitiba, está instalado nas clareiras do Bosque. Reconstitui-se o ambiente em que viveram os pioneiros imigrantes poloneses, que chegaram em Curitiba por volta de 1871. É um museu ao ar livre que traduz a luta, as crenças, as tradições e estilo de vida daqueles imigrantes.

Sete casas construídas pelos poloneses, com troncos de pinheiro encaixados, foram transportadas do entorno de Curitiba para o Bosque. Calçadas de pedra, equipamentos e utensílios usados pelos poloneses, como uma carroça e uma pipa de azedar repolho, são expostos para visitação.

Realiza-se anualmente, no Bosque do Papa, eventos culturais de tradição polonesa, como a Swieconka (Benção dos Alimentos), no Sábado de Aleluia e a festa de Nossa Senhora da Czestochowa, em agosto.

A Casa dos Troncos, uma construção de imigrantes poloneses de 1883, doada e relocada para o Bosque, foi transformada na Capela de Nossa Senhora de Czestochowa, em homenagem à padroeira da Polônia.

O Bosque também conta com trilha ecológica, ciclovia, palco, loja de artesanato e uma casa de chá, ao estilo polonês.

Fonte: www.curitiba-parana.net

591 - BOSQUE DO PAPA 01.01.2010 IMG_2719 IMG_2724 IMG_2727 IMG_2729 IMG_2733 IMG_2736 IMG_2741