Férias 2009 – Petropólis (Parte II)

No segundo dia em Petrópolis levantei um pouco mais tarde, pois uma bolha no dedinho do pé esquerdo tinha infeccionado e com a dor ficava difícil de andar. Nesse dia me dediquei a três visitas especiais, que foram: Museu Casa de Santos Dumont, Museu Imperial e Arquivo do Museu Imperial, que fica ao lado do próprio Palácio, mas numa construção recente. 

Museu Casa de Santos Dumont, mais conhecida como “A Encantada”:

 A casa de verão de Santos Dumont, mais conhecida como “A Encantada”, foi construída em 1918 no antigo morro do Encanto, em Petrópolis. O nome da casa foi dado em homenagem a Rua do Encanto, onde ela estava localizada. Ali ele passou várias temporadas, até sua morte em 1932. A casa foi desenhada e planejada pelo próprio Santos Dumont, tendo auxilio do engenheiro Eduardo Pederneiras. É um chalé do tipo alpino, encravado em terreno íngreme, com detalhes curiosos, todos frutos do inventivo talento de Santos Dumont. Ela é fora de qualquer padrão de casas da época.

A casa é ao mesmo tempo simples e prática, sendo constituída de uma única peça edificada. Internamente não tem nenhuma divisória, possuindo três andares e um terraço. No primeiro andar (térreo), há um porão que servia de oficina.  No segundo andar, em uma única peça fica a sala de estar e jantar, com biblioteca e estúdio. E no pequeno terceiro andar, fica o quarto e o banheiro. Do quarto é possível atravessar uma pequena ponte e ir para a parte alta do terreno, que fica no nível do telhado. Ali existe um mirante para observações astronômicas, onde fica hasteada a Bandeira do Brasil.

No pavimento superior fica a escrivaninha que a noite servia de cama. Como Santos Dumont era pequeno, bastava colocar um colchão sobre a escrivaninha, que esta se transformava em cama. Outra praticidade que achei interessante foi seu guarda-roupas. Num espaço atrás da porta ele guardava a mala que utilizava em sua muitas viagens e três cabides, com três ternos. A casa não tinha cozinha e todas as refeições vinham do Palace Hotel, atual prédio da Universidade Católica de Petrópolis, do outro lado da rua. Outra curiosidade da casa é uma das últimas invenções de Santos Dumont, que é o chuveiro com água quente, o único do Brasil àquela época, sendo aquecido a álcool.

Existem duas escadas interessantes na casa, recortadas em forma de raquete. A que fica na entrada, obriga o visitante a sempre começá-la com o pé direito. E dentro da casa existe uma escada parecida, mas que obriga o visitante a começar com o pé esquerdo. Nessa casa Santos Dumont escreveu seu segundo livro, a autobiografia “O que eu vi. O que nós veremos”.

A casa vista pelo lado de fora. (12/05/2009)
A casa vista pelo lado de fora. (12/05/2009)
Casa, telefone, guarda roupas e ponte que leva ao terraço dos fundos. Ao fundo aparece uma escadinha que leva ao observatório. (12/05/2009)
Casa, telefone, guarda roupas e ponte que leva ao terraço dos fundos. Ao fundo aparece uma escadinha que leva ao observatório. (12/05/2009)
Escada da entrada, terraço, escada interna, escrivaninha/cama e chuveiro. (12/05/2009)
Escada da entrada, terraço, escada interna, escrivaninha/cama e chuveiro. (12/05/2009)

2 opiniões sobre “Férias 2009 – Petropólis (Parte II)

  • 30 de dezembro de 2009 em 05:05
    Permalink

    Olá, Vander

    Tudo bem? Lógico que sim. Beijo para ti e a linda moça dos doces olhos. Os olhos são o espelho d’alma! Diriam os “antigos” como eu…hehehe. Eis uma cidade que sonho conhecer: Petrópolis no Rio de Janeiro. Criaste um soberbo roteiro, guri. Demais.Conheces Vila Velha no Espírito Santo ? É muito linda, minha segunda cidade do coração. Tenho um ranchinho por lá, coisa modesta, mas perto do mar, como gostamos – meu patrão e eu, mais os dois filhos e noras. Breve terei uma nora capixaba e eu mesma, sou gaupixaba= gaúcha + capixaba.
    Que o natal de vosmecês tenha sido muito tri, o nosso foi bom, embora meio dividido, um pouco da família em São Léo e outra parte em Vila Velha. Salva-nos o skype e algumas vezes o telefone.
    Um ano de 2010 bonitaço como este teu blog, guri.
    Beijabraços. Vera

    Resposta
    • 20 de janeiro de 2010 em 14:54
      Permalink

      Oi Vera,

      Tudo bem contigo?

      A linda moça dos docês olhos já não me “pertence” mais. É a vida, pessoas vem e vão, algumas ficam mais tempo, outras menos tempo, mas todas deixam sua marca, quase sempre uma marca positiva.

      Relamente Petrópolis é linda, principalmente para aqueles que como eu gostam de história do Brasil. Estive lá duas vezes e pretendo voltar outras. Não conheço o Espírito Santo. Tenho um grande amigo que vive no interior, o qual devo uma visita faz muito tempo, mas ainda não deu certo uma viagem até lá.

      Grande abraço e um ótimo 2010 pra ti.

      Vander

      Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.