Canionismo rio São Jerônimo

No Feriado de Carnaval, segui com dois amigos para a cidade de Guarapuava. Lá encontramos o pessoal da Caête Vida ao Ar Livre, e seguimos para a região de Entre Rios, que é uma colônia de imigrantes alemães. Lugar muito bonito, onde tinha ido pela última vez há 40 anos. Na verdade fomos um pouco além de Entre Rios. Fomos no rio São Jerônimo, onde fizemos aquatrekking e canionismo em duas cachoeiras. Mesmo com sol passamos um pouco de frio, principalmente quando quase no final da tarde o tempo fechou e caiu uma fraca garoa. Essa foi mais uma aventura sencional!

Vander, Ione e André
Cachoeira São Jerônimo I
Cachoeira São Jerônimo I
André, Ione e Vander.
Borda do Infinito

Canionismo em Guarapuava

Mais uma vez viajei 200 quilômetros até a cidade de Guarapuava, para participar de uma atividade na natureza. Dessa vez fiz pela primeira vez Canionismo, que consiste na exploração progressiva de um rio, transpondo os obstáculos que encontrar pela frente. Resumindo, entramos em um rio e fomos seguindo em frente sem sair do rio. Entre os obstáculos que encontramos tinham cinco cachoeiras, sendo a menor com 18 metros e a maior com 50 metros. Os guias eram o Bruno e o Rodrigo, da Caetê Vida ao Ar Livre. Foi com eles que meses antes fiz o rapel de 75 metros no Salto das Pombas, um local próximo a Guarapuava. No grupo que ia participar do Canionismo também estava alguns amigos de Campo Mourão.

Nos encontramos na rodoviária de Guarapuava e depois seguimos até um posto na BR 277, sentido Curitiba, bem no início da Serra da Esperança. No estacionamento do posto colocamos os equipamentos e teve uma breve reunião. Em seguida seguimos de carro por alguns minutos e paramos no acostamento. Após atravessar a rodovia, seguimos morro abaixo e logo entramos no mato, que no local era bastante fechado e preservado. Logo chegamos no rio e ali começou o Canionismo. Seguimos por dentro do rio, que era raso e cheio de pedras. Não demorou muito e chegamos na primeira cachoeira do dia. O pessoal foi montar o rapel e fiquei conversando com alguns amigos. O tempo estava nublado e a temperatura era de 10 graus. Mesmo estando com casaco impermeável e bem agasalhado, acabei me molhando no rapel, pois ele era quase todo no meio da  água. Após a descida troquei de camisa e de casaco, mas com os as botas e a calça molhados não tinha como não sentir frio. Fiquei um bom tempo tremendo e batendo os dentes.

Após todos descerem, continuamos andando por dentro do rio e logo chegamos na segunda cachoeira. E assim foi durante todo o dia, sempre seguindo por dentro do rio e descendo de rapel quando tinha uma cachoeira pela frente. Ao meio dia fizemos uma parada para almoço, onde cada um comeu o lanche que levou. Somente no almoço que conseguimos ficar num local onde o sol batia e foi possível nos aquecer um pouco.

Ao todos foram cinco cachoeiras, sendo que duas delas não descemos pelo meio da água. Numa delas não era preciso descer pelo meio da água, pois ela tinha o formato de um tobogã e o volume de água não era muito. E na outra os guias quebraram nosso galho e encontraram uma via pela lateral da cachoeira. Durante quase todo o dia passamos frio, pois como estávamos no fundo de um vale e no meio da mata fechada, os raios do sol não chegavam até nós. E o pior é que em alguns momentos ventava bastante e a sensação térmica despencava.

No final do dia, para aquecer um pouco subimos um morro até o local onde os carros estavam. Foi um dia intenso, cheio de emoções e muito frio… Mas foi uma experiência maravilhosa! Gostei muito de ter praticado meu primeiro Canionismo e pretendo voltar para fazer de novo em outras rotas. Mas dessa vez quero ir no auge do verão, para que não tenha que sofrer com o frio.

Turvo – PR 1º dia

Aproveitando o feriado de sete de setembro, viajei quase 200 quilômetros até a cidade de Turvo. A cidade fica no meio de morros, possui muitas cachoeiras, matas, araucárias e paisagens deslumbrantes. O Mauricio Pilati a frente da Gralha Azul Turismo, tem feito um ótimo trabalho de receptivo, e explorando de forma correta as muitas atrações que a região de Turvo possui.

No primeiro dia fizemos uma caminhada de quase 20 quilômetros, passando por muita mata preservada, pastos, estradas vicinais, atravessando rios e conhecendo algumas cachoeiras. Almoçamos em um sítio, onde fomos muito bem recebidos. Fui fazer graça numa espécie de touro mecânico manual e levei um belo tombo, que felizmente não causou nenhum dano. No final do dia teve rapel ao lado de uma cachoeira, mas não participei, pois sentia muitas dores nas costas e no tornozelo direito.

No começo da noite jantamos em uma Casa Holandesa, que fica na região rural de Turvo. Foi servida uma deliciosa sopa de ervilhas, que passou horas sendo cozida em forno a lenha. Estava uma delícia e só não comi mais com medo de passar mal. Depois da janta teve sobremesa e um agradável bate papo com os novos amigos feitos durante o dia. Depois seguimos para o hotel, onde após um revigorante banho fui direto para a cama e dormi o sono dos justos, pois estava muito cansado após ter acordado de madrugada para pegar a estrada e do dia intenso que tivemos.

01 02 03 0406 06.1 07 08 09 10 11 12 13 15 1617 18 zzzz z1

Rapel em Jussara

Hoje foi dia de fazer rapel em um viaduto desativado da linha férrea, próximo a cidade de Jussara. O rapel foi organizado pelo meu amigo Alemão, como forma de comemorar seu aniversário de 34 anos. No rapel tive a oportunidade de encontrar alguns amigos e também de fazer novas amizades.

Mesmo já tendo feito  rapel outras  vezes, sempre fico  com frio na barriga. E esse  rapel era complicado a saída, pois não tinha apoio para os pés. Medo de lado, foi mais uma experiência inesquecível e com a adrenalina nas alturas literalmente.

x2
WhatsApp Image 2020-09-08 at 15.21.16
x4
x10x13
wwwwwwwwwww

Aventuras & Aventureiros – Rapel

O programa Aventuras & Aventureiros de hoje, falou sobre Rapel e teve a participação de Éder Andrade e do Gaúcho, dois experiêntes praticantes e instrutores de rapel.

AVENTURAS & AVENTUREIROS 11 - 11.08.2020

aaa
Éder Andrade, Vander Dissenha e Gaúcho.

Para assistir o programa na íntegra, acesse o link abaixo:

https://youtu.be/3A1CrUF1zCI

Rapel no Salto das Pombas

Recentemente estive com amigos na cidade de Guarapuava, fazendo rapel no Salto das Pombas. Foi um rapel de 75 metros, com uma vista incrível. Confesso que ao chegar na borda do paredão, deu um enorme frio na barriga.

Depois do rapel, tivemos que fazer a trilha de retorno, que foi pelo meio da mata e com uma subida que exigiu certo grau de esforço. E a trilha também se mostrou interessante, tendo inclusive passado ao lado de um paredão com água escorrendo, que deixou a paisagem muito bonita.

5bf59b1cc8032

106565518_10157616270898067_2225855652649578732_n

106986748_10157616270818067_3157403265078536585_n

Rapel em cachoeira

Aproveitando uma tarde de muito calor, fui debutar em um novo esporte, o rapel em cachoeira. O rapel aconteceu na Cachoeira Clauri, na localidade de Campina do Amoral. O local é um pouco isolado e de difícil acesso, mas valeu a pena.

No início dá um certo frio na barriga e até você pegar o jeito da coisa fica um pouco tenso. Depois vai ficando interessante e quando você percebe já está seguindo cachoeira abaixo, com a água batendo no rosto. Foi uma experiência muito gostosa e pretendo fazer novamente esse tipo de rapel, seja nessa cachoeira de 30 metros, como partindo para enfrentar cachoeiras mais altas.

IMG_5757

IMG_5744

D720B3FF-E63B-4CE4-AE42-F02DE9A471DC

4B931200-B1FB-4B37-A9BB-438BC6D17AD4

Rapel

O sábado foi dia de fazer rapel na antiga Pedreira de Campo Mourão. Sol de rachar, muito calor e encontrei alguns conhecidos e outros aventureiros praticando rapel. Na hora que desci tive sorte, pois o sol ficou escondido atrás das nuvens, e o calorão diminuiu um pouco. Foi uma tarde divertida, e de negativo somente eu ter pisado no piche e em casa ter perdido um tempão para limpar as solas da bota.

IMG_2495

28e56957-cc06-404a-b814-c1ad33d14463

IMG_2519

855b939e-d8d7-40dc-837e-a719ab14761b

27d42995-b6c2-407b-86e9-d5f845538804

IMG_2530

IMG_2540