O ônibus 142 se muda para novo local

O ônibus 142 se muda para o prédio de engenharia da UAF. 

O ônibus 142 está de volta aos olhos do público. Na tarde de quarta-feira, o Museu do Norte da Universidade do Alasca transferiu o ônibus da década de 1940, que ficou famoso pelo livro "Into the Wild" (Na Natureza Selvagem) de Jon Krakauer e o filme de 2007 de mesmo nome, para o prédio de engenharia da universidade em Fairbanks. 

Ele passará o resto do ano acadêmico no laboratório de alto padrão do prédio, onde a equipe do museu, engenheiros e conservadores continuarão o trabalho meticuloso de prepará-lo para exibição no museu. O laboratório, que é visível do átrio do prédio, oferecerá um local aconchegante para trabalhar e a primeira chance do público de ver o ônibus desde sua remoção da Stampede Trail no ano passado.

“O processo de preparação do Ônibus 142 para exibição permanente é demorado, mas sua presença no prédio de engenharia permitirá que o público acompanhe esse processo, tanto aqui em Fairbanks quanto online”, disse a gerente sênior de coleção de etnologia e história do museu, Angela Linn. O museu planeja instalar uma webcam para que o público possa ver online o trabalho de conservação. 

A fama do ônibus 142 cresceu com a história de Chris McCandless, um homem de 24 anos que morreu no ônibus em 1992. O local remoto ao norte do Parque Denali tornou-se um destino frequentemente perigoso para visitantes inspirados na história de McCandless. Alguns desses visitantes ficaram feridos ou morreram durante a viagem, o que levou o Departamento de Recursos Naturais do Alasca a remover o ônibus da Stampede Trail em junho de 2020. Três meses depois, o ônibus chegou a um depósito em Fairbanks, onde a equipe do museu começou trabalho de conservação.

Durante o inverno, a equipe do museu tirará fotos detalhadas e digitalizações 3D do ônibus, e construirá uma estrutura para apoiar a estrutura do ônibus. Durante o semestre da primavera, eles trabalharão com estudantes de engenharia da UAF no projeto e fabricação de uma capa para a exposição, que está programada para ser ao ar livre ao norte do museu no campus Fairbanks da Universidade do Alasca em Fairbanks. No próximo ano, especialistas em conservação de veículos históricos começarão a preparar o ônibus para a exposição, processo que envolve tanto reparos e limpeza, quanto obras de preservação.

“Nosso objetivo é que os visitantes vivenciem a história completa do ônibus: sua jornada ao Alasca, seu papel nos últimos meses de Chris McCandless e as décadas de interesse público após sua morte”, disse Linn.

O público pode ver o ônibus do átrio do prédio de engenharia nos dias úteis das 8h às 20h e online por meio de uma webcam que será instalada em breve, que terá um link no site do museu.

MAIS INFORMAÇÕES

Apoie a preservação, interpretação e exibição do ônibus visitando https://uaf.edu/museum/collections/ethno/projects/bus_142/


PS: O link com o texto em inglês nos foi enviado por Bárbara Bezerra de Menezes.
O ônibus 142 do Fairbanks Transit System chega ao campus de Troth Yeddha na quarta-feira, 6 de outubro de 2021, no laboratório de testes estruturais da unidade de engenharia, aprendizado e inovação. (UAF photo by JR Ancheta)
O ônibus 142 é baixado no laboratório estrutural das Instalações de Engenharia, Aprendizagem e Inovação para preservação na quarta-feira, 6 de outubro de 2021 no campus de Troth Yeddha. (UAF photo by JR Ancheta)
Um grupo de alunos se reúne para observar o ônibus Fairbanks Transit 142 no Centro de Engenharia, Aprendizagem e Inovação na quarta-feira, 6 de outubro de 2021 no campus Fairbanks. (UAF photo by JR Ancheta)

Livro Into The Wild – 1ª Edição

O livro Into The Wild, de Jon Krakauer, foi lançado em 1997 nos Estados Unidos e logo fez grande sucesso. Depois se tornou filme também de sucesso. A história trágica de Christopher McCandless, conquistou o coração e a mente de jovens e adultos em todo o mundo.

A primeira edição do livro Into The Wild, se tornou uma raridade e as poucas edições que eventualmente são colocadas a venda em sites ou sebos, já alcançam preços na casa dos U$ 150,00 (R$ 799,50 no câmbio de hoje).

Abaixo algumas fotos de uma primeira edição do livro Into The Wild:

s-l500 (2)

s-l500 (3)

Livros: Na Natureza Selvagem

Publicado em 2007 nos Estados Unidos, o livro Into the Wild (Na Natureza Selvagem), logo fez bastante sucesso e se tornou filme também de sucesso. No Brasil, o livro foi publicado em 1998. Em 2017 foi publicado uma edição com um posfácio do autor, Jon Krakauer, onde ele revisa sua opinião sobre a real causa da morte de Christopher McCandless. Essa nova edição tem poucas páginas a mais no final, e não muda em praticamente nada a história.

a00
Edição de 1998.

a01
Edição de 2017, com o posfácio.

Destino do Magic Bus / Ônibus 142

Segue abaixo devidamente traduzido, nota do Departamento de Recursos Naturais do Alasca, contando sobre a remoção do Magic Bus (Ônibus 142) e seu destino. Todos os itens que estavam dentro do ônibus, bem como a placa colocada há anos pela família McCandless sob a escada de entrada do ônibus, foram cuidadosamente embalados e seguiram para serem guardados no mesmo local que o ônibus.

**Quem descobriu, traduziou e nos enviou o texto, foi a pernambucana Bárbara Bezerra de Menezes.

Para divulgação imediata: 19 de junho de 2020.

Transporte aéreo libera ônibus velho de passado trágico e oferece futuro positivo
Por Corri A. Feige

Por décadas, o ônibus urbano da década de 1940 abandonado em uma trilha remota a 40 quilômetros a oeste de Healy, serviu de várias formas como abrigo, símbolo, santuário, canto de cigarra e até mesmo um local de morte. A quinta-feira marcou o início de um novo capítulo na vida do ônibus 142.

Em 18 de junho, a pedido do Departamento de Recursos Naturais do Alasca (DNR), um helicóptero CH-47 Chinook da Guarda Nacional do Exército do Alasca removeu o ônibus chamado “Into the Wild” da Stampede Trail, para que possa ser transferido para um armazenamento seguro enquanto a DNR considera o próximo passo na história do ônibus mais famoso do Alasca.

Depois que seu serviço no sistema de trânsito da cidade de Fairbanks terminou na década de 1950, a Yutan Construction Co. comprou o agora famoso ônibus para abrigar funcionários durante a construção de uma estrada pioneira entre Lignite e Stampede. O ônibus foi abandonado após a conclusão da estrada em 1961.

Usado por caçadores e caminhantes como um abrigo de emergência ocasional, o ônibus ficou famoso depois que o livro de Jon Krakauer, de 1996, “Into the Wild”, e um filme do livro de 2007, popularizaram a história do viajante de 24 anos Chris McCandless, que, infelizmente, morreu sozinho em 1992, após uma estada de 114 dias, que ele caracterizou em um diário como uma fuga às restrições da civilização.

Desde a morte de McCandless, um número cada vez maior de viajantes tentou literalmente refazer os passos de McCandless, percorrendo uma trilha acidentada com clima severo e atravessando os rios Teklanika e Savage para chegar ao local do ônibus.

Enquanto muitos deles tiveram experiências satisfatórias, mesmo que sem intercorrências, muitos ficaram perdidos ou feridos ou precisaram de resgate. Tragicamente, desde 2010 duas mulheres se afogaram durante essas viagens, alimentando chamadas públicas para reduzir ou eliminar os riscos. Como o ônibus é um veículo abandonado há muito tempo, e está presente em terras estatais gerenciadas pela DNR, é tecnicamente propriedade do estado e é legalmente da responsabilidade do meu departamento. No entanto, determinar o que fazer com o ônibus exigiu o equilíbrio de interesses.

Por um lado, o Alasca acolhe moradores e visitantes, para os quais os verdadeiros desafios e riscos da recriação em nossas áreas selvagens aumentem seu prazer. Por outro lado, esse ônibus atraía muitos visitantes despreparados para os rigores do desafio. Eles estavam arriscando danos a si mesmos ou a outros, exigindo que as equipes de busca e resgate se colocassem em perigo, consumindo recursos públicos limitados e, em alguns casos, perdendo a vida.

Algumas vozes pediram para eliminar completamente a atração destruindo o ônibus. Outros queriam tornar o acesso mais seguro construindo pontes ou melhorando trilhas. Alguns queriam capitalizar sua mística, movendo-o para o sistema viário como uma atração turística. Outros ainda queriam vê-lo preservado como um santuário para o tipo de individualismo áspero que evita as restrições da civilização.

No final, a decisão da DNR de mudar o ônibus foi baseada em alguns fatores essenciais. Primeiro, tornara-se um incômodo atraente, que apresentava riscos inaceitáveis ​​para os visitantes, muitas vezes despreparados para os rigores da jornada. Segundo, a Guarda Nacional do Exército do Alasca concordou graciosamente em removê-la como uma maneira de praticar suas habilidades no rápido movimento aéreo-móvel de equipamentos sob condições selvagens. Terceiro, o ônibus estava impondo encargos financeiros ao distrito de Denali, ao Alaska State Troopers, ao DNR e a outras agências. Finalmente, e mais importante, simplesmente não podíamos ignorar que o ônibus era um fator em mais e mais frequente lesões, acidentes e mortes.

Reconhecer notícias sobre o ônibus pode reabrir velhas feridas nas famílias daqueles que morreram – e equilibrar isso com a necessidade de preservar a segurança e a integridade da operação – assim que o ônibus esteva em movimento, eu pessoalmente estendi a mão e falei com um membro da família McCandless para compartilhar as notícias e expressar minha esperança de que essa ação possa salvar outras pessoas do tipo de dor que suas famílias experimentaram. Como as diferenças de fuso-horário significariam perturbar com as ligações telefônicas noturnas os outros sobreviventes, minha equipe forneceu um aviso prévio por e-mail e convites para me ligar quando necessário.

Como o ônibus 142 provavelmente continuará sendo um símbolo potente e um artefato atraente, a DNR planeja mantê-lo seguro em armazenamento seguro enquanto considera opções para seu futuro a longo prazo, no Alasca. Embora continuemos a considerar as contribuições do público, é minha forte intenção impedir que o ônibus e seu legado sejam explorados para publicidade, lucro ou qualquer outro uso desrespeitoso. As decisões sobre sua disposição final refletirão nossa responsabilidade pela saúde, segurança e bem-estar de nossos residentes, visitantes, terra e recursos. O ônibus 142 teve um passado longo e fascinante. Ao movê-lo de maneira respeitosa, eficiente e segura, estamos preservando a oportunidade de que esse pedaço da história também tenha um futuro a longo prazo; não apenas no Alasca, mas também nos corações, mentes e lembranças de aventureiros e buscadores de todo o mundo.

###
Corri A. Feige é comissária do Departamento de Recursos Naturais do Alasca

c1

c2

Programa Aventuras & Aventueiros – Na Natureza Selvagem

Hoje o programa Aventuras & Aventureiros falou sobre o livro e filme Na Natureza Selvagem. O programa teve a aprticipação da Bárbara Bezerra de Menezes, que já esteve duas vezes no Alasca e visitou o Parque Nacional Denali, local que foi palco da história de Christopher McCandless e o “Magic Bus”.

AVENTURAS & AVENTUREIROS 23.06.2020

print
Vander Dissenha e Bárbara Bezerra de Menezes.

Abaixo o link para assistir ao programa na íntegra:

Magic Bus

O Alasca é um lugar lindo, selvagem. Eu só conheci o filme Na Natureza Selvagem (Into the Wild), porque já estava com viagem comprada para conhecer o Alasca. Eu estive no parque Denali. Visitei o Magic Bus (ônibus 142) que foi usado para gravar o filme. Ele foi doado a uma cervejaria local, para as pessoas poderem visitar sem colocar a vida em risco.

O Alasca não é para amadores. Tentei fazer a visita ao Magic Bus original, mas não pude fazer a travessia do rio nas duas vezes que fui no Alasca. Você não faz ideia de como o povo alasquiano odeia a história do Christopher McCandless e do romantismo aventureiro em volta do Magic Bus.

Fico num mix de emoções com essa notícia da retirada do ônibus de seu local. Vidas serão poupadas, mas o prazer de muitos foi apagado. Eu amo essa história, mas amo mais as vidas. Não estou chateada nem triste, estou curiosa para saber onde vão colocar o ônibus. Tem outros lugares incríveis que ainda não conheço no Alasca e eu rodei mais de dois mil quilômetros por lá.

Juro que nada do meu sentimento mudou. Cada um de nós já viveu algo parecido com o que Chris viveu. Uma época de aventura e se descobriu.

Bárbara Bezerra de Menezes

magic bus 2
Bárbara em frente o Magic Bus utilizado nas gravações do filme. (2016)

 

A felicidade só é verdadeira quando compartilhada

Sou fã do livro e do filme Na Natureza Selvagem. E adoro a trilha sonora do filme, composta toda por Ed Vedder. A história contada no livro, á história com final infeliz de Chris McClandess, me tocou profundamente e identifiquei-me com o Chris imensamente. Sei que muita gente acha que ele foi um idiota e morreu de forma estúpida. E também sei que muita gente me acha um idiota por admirar Chris McClandess e pelo meu jeito de agir, de pensar e até pelo que posto aqui nesse blog. Mas não estou nem aí pra esse povo e a opinião deles!

Mas onde eu queria chegar quando comecei esse texto e fugi um pouco do contexto, foi falar sobre os livros que inspiraram Chris McClandess, os quais são citados no livro e no filme Na Natureza Selvagem. Dos livros mencionados eu tinha lido somente Caninos Brancos, de Jack London. E recentemente comecei a ler Walden, de Henry Thoreu. Alías, Thoreu logo vai merecer uma postagem exclusiva aqui no blog.

Os demais livros citados no livro Na Natureza Selvagem não fazem muito meu estilo de leitura, mas deixei alguns nomes anotados e quem sabe no futuro se sobrar tempo eu leia algum. Entre estes vale a pena citar:  A Sonata a Kreutzer (Liev Tolstói), Felicidade Conjugal (Liev Tolstói), Guerra e Paz (Liev Tolstói), A Morte de Ivan Ilitch (Liev Tolstói), O Homem Terminal (Michael Crichton), O Chamado da Floresta (Jack London), A Desobediência Civil (Henry Thoreau), Doutor Jivago (Boris Pasternak), As Aventuras de Huckleberry Finn (Mark Twain) e Tarass Bulba (Nikolai Gogol). Se eu tinha lido apenas um livro dessa lista, ao menos vi três filmes baseados nesses livros. São eles: Guerra e Paz, Doutor Jivago e As Aventuras de Huckleberry Finn. E com relação a esse último, estive na ilha de Tom Swayer, que é citada no livro. Na verdade essa ilha que visitei fica no Disney World em Orlando, e foi criada por Walt Disney inspirado no livro, pois Disney era fã de Mark Twin, o autor do livro.

Tais livros serviram de inspiração e moldaram a personalidade de Chris McClandess, principalmente com relação á natureza. Sempre gostei do ar livre, da natureza e da sensação de liberdade que ela nos transmite. Já tive muitas “aventuras” junto á natureza e algumas vezes tais aventuras quase se transformaram em tragédia. Mas é assim mesmo, a natureza é poderosa e não perdoa os fracos, os desatenciosos, os mal preparados e distraídos. Das vezes que me dei mal e até me machuquei foi por culpa da distração. Mas é vivendo que se aprende, é se machucando que também se aprende a não se machucar mais. É assim que vivemos na natureza e nesse mundo selvagem que nos cerca…

“A felicidade só é verdadeira quando compartilhada”.

(frase do livro Na Natureza Selvagem)

232cae258d182b67be4497192e9334e8
Chris McClandess, Alasca 1992.

dera
Vander Dissenha, Canadá 2011.

O homem que encontrou o corpo de Chris McCandless

Em 1992, Gordon Samel se tornou parte do folclore do Alasca, quando encontrou o corpo de Christopher McCandless, enquanto caçava alces no Parque Nacional do Denali. Em 1992, Samel estava com um grupo de três caçadores de alce quando encontraram McCandless quase três semanas depois de sua morte. De acordo com Jon krakauer, autor do livro Na Natureza Selvagem, quando os caçadores chegaram ao velho ônibus da cidade de Fairbanks, um casal de Anchorage já estava lá, mas não se aproximaram por causa do mau cheiro e da nota de SOS intrigante. Foi Samel que acabou descobrindo McCandless em seu saco de dormir dentro do ônibus.

Gordon Samel, de 52 anos, foi morto em março de 2014, em um tiroteio, após um incidente por dirigir embriagado em Wasilla, Alasca. Samel se envolveu em uma perseguição policial depois que foi relatado que estava dirigindo embriagado. Após uma grande busca, os policiais cercaram Samel, e ele acelerou para cima de um guarda que estava a pé. Dois policias abriram fogo contra a camionete, matando Samel e ferindo o outro passageiro.

Gordon Samel.
Gordon Samel.

Christopher McCandless.
Christopher McCandless.

Como Chris McCandless morreu

Em 6 de setembro de 1992, o corpo decomposto de Christopher McCandless foi descoberto por caçadores de alce no limite norte do Denali National Park. Ele morreu dentro de um ônibus enferrujado que servia de abrigo improvisado para os caçadores, para os condutores de cães, e outros visitantes. Colada na porta estava uma nota rabiscada em uma página arrancada de um livro de Nikolai Gogol: 

Atenção possíveis visitantes. 

SOS 

Eu preciso de sua ajuda. Estou doente, a beira da morte, e fraco demais para sair daqui. Estou sozinho, isso não é piada. Em nome de Deus, por favor me ajudem. Saí para colher frutas aqui perto e devo voltar esta noite. 

Obrigado, 
Chris McCandless 

Agosto?

A partir de um diário secreto encontrado entre seus bens, parecia que McCandless estava morto há 19 dias. Uma carteira de motorista emitida oito meses antes indicou que ele tinha vinte e quatro anos de idade e pesava 64 quilos. Depois que seu corpo foi levado para uma autópsia, determinou-se que ele estava pesando apenas 30 quilos e não tinha gordura subcutânea. A causa provável da morte, de acordo com o relatório do legista, era fome.

Em “Into the Wild”, no livro que eu escrevi sobre a breve e confusa vida de McCandless, cheguei a uma conclusão diferente. Eu especulei que ele inadvertidamente se envenenou ao comer sementes de uma planta comumente chamada de batata selvagem, conhecida por botânicos como Hedysarum alpinum. De acordo com a minha hipótese, um alcalóide tóxico nas sementes enfraqueceu McCandless, a tal ponto que se tornou impossível para ele caminhar para a estrada ou caçar efetivamente, levando-o assim a fome. Devido a Hedysarum alpinum ser descrita como uma espécie de planta não-tóxica, tanto na literatura científica como em livros populares sobre plantas comestíveis, a minha tese foi recebida com uma boa dose de menosprezo, especialmente no Alasca.

Recebi milhares de cartas de pessoas que admiram McCandless por sua renúncia ao conformismo e ao materialismo, na busca por descobrir o que era autêntico e o que não era, para testar a si mesmo, por experimentar o sentido natural da vida, sem a segurança do sistema. Mas também tenho recebido muitos emails de pessoas que pensam que ele era um idiota, deprimido, arrogante, sem experiência com a vida selvagem, mentalmente desequilibrado, e, possivelmente um suicida. A maioria desses detratores acreditam que meu livro é a glorificação de uma morte sem sentido. Como o colunista Craig Medred escreveu no Anchorage Daily News, em 2007,

“Into the Wild” é uma deturpação, uma farsa, uma fraude. Eu finalmente estou dizendo o que alguém precisava ter dito há muito tempo …. Krakauer transformou um miserável propenso à paranóia, alguém que deixou uma nota falando sobre seu desejo de matar o seu “falso eu interior”, alguém que conseguiu morrer de fome em um ônibus abandonado e que não muito longe da George Parks Highway, e transformou o cara em uma celebridade. Por que o autor recebeu o que queria, isso é óbvio. Ele queria escrever uma história que fosse vender.

O debate sobre por que morreu McCandless, e a questão se ele é digno de admiração, foi latente e, às vezes feroz, por mais de duas décadas. Mas, em dezembro passado, um escritor chamado Ronald Hamilton postou um artigo na internet, que traz novos fatos fascinantes para a discussão. Hamilton, ao que parece, descobriu evidências até então desconhecidas que surgiram para fechar essa questão do livro sobre a causa da morte de McCandless.

Para apreciar o brilho do trabalho investigativo de Hamilton, uma história de fundo é necessária. O diário e as fotografias recuperadas junto ao corpo de McCandless indicou que, a partir de 24 de junho de 1992, as raízes da planta Hedysarum alpinum tornou-se a parte mais importante de sua dieta diária. No dia 14 de julho, ele começou a colher e comer sementes de Hedysarum alpinum. Uma de suas fotos mostra um saco plástico, em cima de um tambor, cheio com essas sementes. Quando visitei o ônibus em julho de 1993, as plantas de batata selvagem estavam crescendo por toda parte. Enchi um saco com mais de um quilo de sementes em menos de trinta minutos.

Em 30 de julho, McCandless escreveu em seu diário, “Extremamente fraco. Acho que por causa das sementes de batata. Muita dificuldade apenas para se levantar. Morrendo de fome. Grande perigo.” Antes disso, não havia nada que sugerisse que ele estava em apuros, embora suas fotos mostram que ele estava assustadoramente magro. Durante os últimos três meses viveu em uma dieta de esquilos, porcos-espinhos, pequenas aves, cogumelos, raízes e frutos, ele enfrentava um enorme déficit calórico e estava à beira do abismo. Pela adição de sementes de batata ao menu, ele aparentemente cometeu o erro que o levou a um beco sem saída. Após 30 de julho, sua condição física piorou, e três semanas depois ele estava morto.

Quando o corpo de McCandless foi encontrado na mata do Alasca, a revista Outside me pediu para escrever sobre as circunstâncias enigmáticas da sua morte. Trabalhando em um prazo apertado, eu pesquisei e escrevi um artigo que foi publicado em janeiro de 1993. Como as sementes de batata selvagem são consideradas seguras para se comer, neste artigo eu especulei que McCandless tinha erroneamente consumido as sementes da ervilha doce selvagem, Hedysarum mackenzii que são tóxicas, e que é difícil de diferenciar estas duas sementes. Eu atribui sua morte a esse erro.

Como o meu artigo depois acabou virando um livro e tive mais tempo para ponderar as evidências, no entanto, pareceu-me extremamente improvável que ele não tenha conseguido diferenciar as espécies de sementes. Na parte de trás de um guia de campo que ele levava, anotou uma pesquisa que havia feito de algumas plantas comestíveis da região, “Tanaina Plantlore / Dena’ina K’et’una: An Ethnobotany of the Dena’ina Indians of Southcentral Alaska,”, de Priscilla Russell Kari. Neste guia, a autora Priscilla adverte explicitamente que a ervilha selvagem se assemelha a batata selvagem, e “é relatado como sendo uma semente venenosa, e muito cuidado deve ser tomado para identificá-los com precisão antes de tentar usar a batata selvagem como alimento.” E então ela explica exatamente como distinguir as duas plantas em si, no livro.

Pareceu-me mais plausível que McCandless tinha realmente comido as raízes e sementes da batata selvagem supostamente tóxico ao invés das sementes de ervilha doce selvagem. Então eu mandei algumas sementes Hedysarum alpinum que eu tinha coletado perto do ônibus para Dr. Thomas Clausen, um professor do departamento de bioquímica da Universidade de Alaska Fairbanks, para análise.

Pouco antes do meu livro ser publicado, Clausen e um de seus alunos de pós-graduação, Edward Treadwell, realizou um teste preliminar que indicava que as sementes continham um alcalóide não identificado. Fazendo uma análise intuitiva, na primeira edição de “Into the Wild”, publicado em janeiro de 1996, eu escrevi que este alcalóide era provavelmente o suainsonina, um agente tóxico conhecido por inibir o metabolismo de glicoproteína em animais, levando a fome. Quando Clausen e Treadwell completaram suas análises com as sementes de batata selvagem, porém, eles não encontraram nenhum vestígio de suainsonina ou quaisquer outros alcalóides ou não-alcalóide. “Não foi encontrado toxinas. Não há alcalóides. Eu provavelmente comeria essa semente tranquilamente.” disse ele.

Eu estava perplexo. Clausen era um químico orgânico estimado, e os resultados da sua análise parecia irrefutável. Mas na data de 30 julho no diário de McCandless, ele não poderia ter sido mais explícito: “EXTREMELY WEAK. FAULT OF POT[ATO] SEED.” (Extremamente fraco, erro com a semente da batata). Sua certeza sobre a causa de sua saúde debilitada me atormentou. Comecei vasculhando a literatura científica em busca de informações que me permita conciliar a declaração inflexivelmente inequívoca de McCandless com resultados de teste igualmente inequívocas de Clausen.

Alguns meses atrás, quando me deparei com o artigo de Ronald Hamilton “O Fogo Silencioso: ODAP e a Morte de Christopher McCandless”, que Hamilton tinha postado em um site onde publica ensaios e artigos sobre McCandless. O ensaio de Hamilton ofereceu novos elementos de prova convincente de que a planta batata selvagem é altamente tóxica por si só, ao contrário das garantias de Thomas Clausen e qualquer outro especialista, que já opinou sobre o assunto. O agente tóxico em Hedysarum alpinum acaba por não ser um alcalóide, mas, sim, um aminoácido, e de acordo com Hamilton, foi a principal causa de morte de McCandless. Sua teoria valida minha convicção de que McCandless não era tão ignorante e incompetente como seus detratores fizeram ele ser.

Hamilton não é nem um botânico nem um químico, ele é um escritor que até recentemente trabalhava como encadernador na biblioteca da Universidade de Indiana na Pensilvânia. Como Hamilton explica, ele tornou-se familiarizado com a história de McCandless em 2002, quando encontrou uma cópia de “Into the Wild”, folheou as páginas, e, de repente pensou consigo mesmo, eu sei por que esse cara morreu. Seu palpite derivado de seu conhecimento adquirido em Vapniarca, um campo de concentração na Segunda Guerra Mundial, pouco conhecido, no que era então a Ucrânia ocupada pelos alemães.

“Eu aprendi em Vapniarca através de um livro que li e cujo título eu já esqueci há muito tempo, algo sobre isso. Mas depois de ler ‘Into the Wild’, eu fui pesquisar um manuscrito sobre Vapniarca que foi publicado online. “Mais tarde, na Romênia, ele localizou o filho de um homem que serviu como oficial administrativo no acampamento, que enviou para Hamilton um tesouro de documentos.

Em 1942, em uma experiência macabra, um oficial no Vapniarca começou a alimentar os presos com pão judaico feito a partir de sementes da ervilha da grama, Lathyrus sativus, uma leguminosa comum que tem sido conhecida desde o tempo de Hipócrates como sendo tóxica. “Muito rapidamente,” Hamilton escreve em “O fogo silencioso”,

Um médico judeu, preso no acampamento, Dr. Arthur Kessler, entendeu o que isso implicava, especialmente quando dentro de alguns meses, centenas de jovens presos do sexo masculino do acampamento começaram a mancar, e tinham começado a usar paus como muletas para poderem caminhar. Em alguns casos, os presos foram rapidamente se definhando e obrigados a se rastejar sentados para se locomoverem. Uma vez que os detentos haviam ingerido uma quantidade suficiente da planta, era como se um incêndio em silêncio havia sido aceso dentro de seus corpos. Não havia mais volta a partir deste fogo, uma vez aceso, queimaria até a pessoa se definhar e acabaria ficando aleijado. Quanto mais eles tinham comido, pior as consequências, mas, em qualquer caso, uma vez que os efeitos tinham começado, simplesmente não havia maneira de revertê-la …. A doença é chamada, simplesmente, neurolatirismo, ou, mais comumente, “latirismo.” Kessler, que … inicialmente reconheceu o experimento sinistro que havia sido realizado em Vapniarca, foi um dos que escapou da morte durante esses tempos terríveis. Aposentou-se em Israel uma vez que a guerra tinha terminado, e abriu uma clínica para cuidar, estudar, e na tentativa de tratar as inúmeras vítimas de latirismo de Vapniarca, muitos dos quais tinham também sido realocados em Israel.

Tem sido estimado que, no século XX, mais de cem mil pessoas em todo o mundo foram permanentemente paralisados após comer ervilha grama. A substância prejudicial na planta acabou por ser uma neurotoxina, ácido diaminoproprionic beta-N-oxalilo-L-alfa-beta, um composto comumente referido como beta-ODAP ou, mais frequentemente, apenas ODAP. Curiosamente, nos relatórios de Hamilton,

ODAP afeta diferentes pessoas, de sexos diferentes, e até mesmo de diferentes faixas etárias em diferentes maneiras. Ele ainda afeta as pessoas dentro desses grupos etários de forma diferente …. A única constante sobre o envenenamento ODAP, no entanto, muito simplesmente, é o seguinte: aqueles que serão os mais atingidos são sempre homens jovens, com idades entre 15 e 25 anos e que, essencialmente, passam fome ou tenham uma ingestão de calorias muito limitadas, que tenham estado envolvidos em atividade física intensa, e que sofrem escassez de alimentos, ou dietas imutáveis.

ODAP foi identificada em 1964. Causa paralisia por receptores nervosos sobre-estimulantes, causando-lhes a morte. Como Hamilton explica,

Não está claro o porquê, mas os neurônios mais vulneráveis a este colapso catastrófico são os que regulam o movimento das pernas …. E quando esse neurônios morrem, a paralisia surge… [e a situação] nunca fica melhor, mas sempre fica pior. Os sinais ficam mais fracos, até que simplesmente deixam cessam. A vítima experimenta “muita dificuldade apenas para levantar-se.” Muitos se tornam rapidamente muito fracos para andar. A única coisa que lhes resta a fazer nesse momento é a engatinhar…

Depois que Hamilton leu “Into the Wild” e tornou-se convencido de que ODAP foi responsável pelo triste fim de McCandless, ele procurou o Dr. Jonathan Southard, o presidente-adjunto do departamento de química da Indiana University da Pennsylvania, e convenceu o Dr. Southard, que um de seus alunos, Wendy Gruber, testasse as duas sementes relatadas no livro, a Hedysarum alpinum e Hedysarum mackenzii para ODAP. Após a conclusão dos seus ensaios, em 2004, Gruber determinou que ODAP parecia estar presente em ambas as espécies de Hedysarum, mas os resultados foram menos que conclusivos. “Para ser capaz de dizer que ODAP está definitivamente presente nas sementes”, ela relatou, “seria preciso usar outra dimensão de análise, provavelmente por HPLC-MS”, de alta pressão de cromatografia líquida. Mas Gruber não possuía nem a experiência nem os recursos para analisar as sementes com HPLC, para que esta hipótese de Hamilton fosse provada.

Para estabelecer de uma vez por todas se Hedysarum alpinum é tóxico, no mês passado eu mandei cento e cinquenta gramas de recém coletadas sementes selvagens de batata para Avomeen Analytical Services, em Ann Arbor, Michigan, para a análise de HPLC. Dr. Craig Larner, o químico que realizou o ensaio, determinou que continha nas sementes 0,394 por cento de beta-ODAP, uma concentração bem dentro dos níveis que causam latirismo em seres humanos.

De acordo com Dr. Fernand Lambein, um cientista belga, que coordena as Doenças Cyanide Diseases e Rede neurolatirismo, o consumo ocasional de gêneros alimentícios que contenham ODAP “como um componente de uma dieta equilibrada, não tem qualquer risco de toxicidade.” Dr. Lambein e outros especialistas alertam, no entanto, que os indivíduos que sofrem de má nutrição, estresse e fome aguda são especialmente sensíveis a ODAP, e são, portanto, altamente suscetível aos efeitos incapacitantes do latirismo após a ingestão da neurotoxina.

Considerando-se que os níveis potencialmente incapacitantes da ODAP são encontrados em sementes de batata selvagem, e dado que os sintomas descritos por McCandless atribuído às sementes de batata selvagem que comeu, há muitas razões para acreditar que McCandless adquiriu o latirismo ao comer as sementes. Como Ronald Hamilton observou, McCandless combinava exatamente com o perfil das pessoas mais suscetíveis a intoxicação por ODAP:

Ele era um homem jovem e magro em seus primeiros 20 anos, tendo uma dieta extremamente pobre, que era a caça, caminhadas, escaladas, levando a vida em seus extremos físicos, e que havia começado a comer grandes quantidades de sementes que continham o [aminoácido] tóxico. A toxina que tem como alvo exatamente este perfil de pessoa… 
Pode-se dizer que Christopher McCandless, de fato, morreu de fome, no estado selvagem do Alasca, mas isso só porque ele tinha sido envenenado, e o veneno o tornava fraco demais para se mover, para caçar ou para se alimentar, e, no final, “extremamente fraco”, “fraco demais para sair”, e com “muita dificuldade apenas para levantar-se.” Ele não estava realmente morrendo de fome, no sentido mais técnico do que o estado. Ele simplesmente se tornar lentamente paralisado. E não foi a arrogância que o matou, e sim a ignorância. Além disso, a ignorância deve ser perdoada, pois os fatos que fundamentam a sua morte permanecesse desconhecidos por todos, cientistas e leigos igualmente, literalmente há décadas.

A descoberta de Hamilton sobre a causa da morte de McCandless, porque ele comeu sementes tóxicas é improvável que convença muitos habitantes do Alasca a se simpatizar com McCandless, mas pode impedir que outras pessoas acidentalmente acabem se envenenando com tais sementes. Se o guia que McCandless tinha sobre plantas comestíveis advertisse que as sementes Hedysarum alpinum continham uma neurotoxina que poderia causar paralisia, ele provavelmente teria saído desta região selvagem no final de agosto, com mais dificuldade do que quando ele entrou, em abril, mas ainda assim estaria vivo hoje. Se fosse esse o caso, Chris McCandless teria agora 45 anos de idade.

Texto: Jon Krakauer – New Yorker

Fonte: www.extremos.com.br

Christopher McCandless.
Christopher McCandless.

chris-mccandless-magic-bus-alaska-29392
O lendário ônibus 142.

to-the-left-the-old-stove-inside-the-bus
Interior do ônibus 142, onde Christopher McCandless morreu.

De volta à Natureza Selvagem

Foi lançado nos Estados Unidos  em 2011, mais um livro sobre Christopher MacCandless, o jovem que abandonou a vida de classe média para viver junto à natureza e que acabou morrendo por culpa disso. Sua história ficou famosa ao ser contada no livro Na Natureza Selvagem, que depois virou um filme de sucesso.

Esse novo livro foi organizado pela família de Christopher MacCandless. O livro se chama Back to the Wild: The Photographs and Writings of Christopher McCandless (De Volta à Natureza Selvagem: As Fotografias e Escritos de Christopher McCandless). O livro ainda não tem tradução para o português e nem previsão de ser publicado no Brasil. O novo livro sobre Christopher MacCandless traz material inédito, com fotos tiradas pelo próprio MacCandless, bem como postais e cartas escritos por ele.

jk

btw
Capa do livro.

contra
Contra capa do livro.

FOTO 2 530
Foto tirado por Christopher MacCandless em novembro de 1990.

Foto 5 530
Christopher (a direita) e amigos.

FOTO 3 530
Christopher em um dos campings por onde passou durante sua viagem.

FOTO 7
O famoso ônibus 142, onde Christopher morreu.

Christopher McCandless

Christopher McCandless nasceu em 12 de fevereiro de 1968 na cidade de El Segundo, localizada no estado americano da Califórnia. Em 1976 mudou-se com a família para Annandale, Virgínia, onde cresceu. O seu pai, Walt McCandless, trabalhou para a NASA como um especialista em antenas. A sua mãe, Wilhelmina “Billie” Johnson, foi secretária do pai de Chris e depois ajudou Walt a fundar e dirigir uma bem sucedida empresa de consultoria. Desde a infância os seus professores notaram que Chris era extraordinariamente enérgico, adorando esportes físicos. Conforme cresceu, ele uniu isso a um intenso idealismo e resistência física. Na escola, ele foi o capitão da equipe de cross-country onde ele estimulava os seus companheiros a considerarem a corrida como um exercício espiritual, no qual eles estavam “a correr contra as forças da escuridão… todo o mal do mundo, todo o ódio.” Ele se graduou no W.T Woodson High School em 1986 e na Emory University em 1990, especializando-se em história e antropologia. O fato de vir da classe média alta e ter graduação universitária escondeu um crescente desprezo interior para o que ele via como o materialismo vazio da sociedade americana. Os trabalhos de Jack London, Leon Tolstoy e Henry David Thoreau tiveram uma grande influência sobre McCandless, e ele sonhava em deixar a sociedade para um período thoreauniano de contemplação solitária.

Logo após acabar o curso na Universidade de Atlanta, em 1990, Christopher McCandless doou os seus 24 mil dólares que tinha no saldo bancário a instituições de caridade e desapareceu sem avisar a família. Já não era a primeira vez que Chris decidia fazer uma viagem pelos vários estados americanos, sozinho, dependendo da natureza e do que encontrava no caminho. Mas daquela vez foi diferente. A sua raiva quanto à civilização em que vivia, quanto às mentalidades e materialismos da época, foi fundamental para a sua tomada de decisão. A partir daquele dia, nunca mais regressou a casa. Devido a um problema com o seu velho Datsun amarelo, Chris foi impelido a abandonar seu carro junto ao lago Meade, em Detrital Wash, mas isso não o impediu de continuar. Encarou a situação como um sinal do destino e, abandonando junto ao carro grande parte dos seus pertences e queimando todo o dinheiro que trazia consigo – cerca de cento e vinte e três dólares – Chris McCandless partiu a pé em direção ao Oeste, adotando um novo estilo de vida, no qual era livre e assumia o nome de Alexander Supertramp, seguindo em busca de experiências novas e enriquecedoras.

Foi de carona que chegou a Fairbanks, no Alasca, fazendo amigos e conhecendo lugares magníficos pelo caminho. Entre as suas aventuras destacam-se uma descida do rio Colorado em canoa. Walt e Billie McCandless, pais de Chris, ainda tentaram encontrá-lo, mas em vão. Apenas a sua irmã Carine recebia uma carta de vez em quando, e mesmo ela não sabia a sua localização. Os anos foram passando, e Chris continuava sozinho, vagando pela América, passando por Carthage, Bullhead City, Las Vegas, Orick, Salton City, entre outros, até chegar finalmente ao destino pretendido: o Stampede Trail. Conheceu Jan e Bob Burres, Wayne Westerberg, Ronald Franz, que se tornaram seus amigos inseparáveis a quem se ia correspondendo por cartas; permaneceu em alguns endereços durante meses, mas partia em seguida para outras aventuras. Por onde passou, Chris alterou as vidas das pessoas que o conheceram. A sua personalidade forte, muito inteligente e simpática deu uma nova vitalidade a Jan, Franz e Westerberg. Raramente falava de Annadale e de casa, e eram muitas às vezes em que era reservado e ponderado. Mas o rapaz de vinte e quatro anos, que todos conheceram como Alex, cumpriu o seu destino e partiu de Fairbanks em direção ao Monte McKinley, dois anos depois de ter iniciado a sua viagem.

Gallien deu carona a Chris até ao Parque Nacional Denali, através do Stampede Trail, um caminho que levava ao interior do Alasca. Também ele simpatizou com o rapaz, que gentilmente lhe contou os planos de permanecer alguns meses na floresta. A única comida que levava era um saco com cinco quilos de arroz, e o seu equipamento era inadequado para quem planejava fazer o que ele se propunha. Ainda assim, o rapaz parecia determinado, e nada o podia dissuadir. Partiu assim para o desconhecido, ignorando a hora e o dia, numa quinta-feira de abril, sem deixar rastro. Através de um diário que manteve na contracapa de vários livros, com cento e treze anotações, podemos compreender o que realmente aconteceu a Chris McCandless na sua viagem ao interior do Alasca. O seu diário contém registros cobrindo um total de 113 dias diferentes. Esses registros cobrem do eufórico até ao horrível, de acordo com a mudança de sorte de McCandless.

Alimentou-se do que trazia e de algumas sementes que colheu na natureza, tal como de alguns animais que caçou, com sucesso; leu vários livros, rabiscando-os com pensamentos próprios sobre a vida; passeou por diversos bosques, mas o local onde permaneceu mais tempo foi logo abaixo da Cordilheira Externa, onde ainda hoje se encontra um ônibus abandonado, de número 142 do Fairbanks Transit System, que serviu de residência a Chris, onde pernoitou e escreveu algumas frases no seu interior, nos meses que se encontrou na floresta como: “(…) SEM JAMAIS TER DE VOLTAR A SER ENVENENADO PELA CIVILIZAÇÃO, FOGE E CAMINHA SOZINHO PELA TERRA PARA SE PERDER NA FLORESTA”. Permaneceu cerca de quatro meses nas montanhas, sobrevivendo à custa do que encontrava, totalmente sozinho, livre. Em 6 de setembro de 1992, dois trilheiros e um grupo de caçadores de alce acharam esta mensagem na porta do ônibus: “S.O.S. Preciso de ajuda. Estou aleijado, quase morto e fraco demais para sair daqui. Estou totalmente só, não estou brincando. Pelo amor de Deus, por favor, tentem me salvar. Estou lá fora apanhando frutas nas proximidades e devo voltar esta noite. Obrigado, Chris McCandless.” O seu corpo foi encontrado em decomposição em agosto de 1992, embrulhado num saco de dormir no interior do ônibus, já morto há cerca de duas semanas. A causa oficial da morte foi inanição. Porém, alguns pensam que foi envenenado acidentalmente por algumas sementes que ingeriu. Nunca se saberá bem a verdade.

Jon Krakauer acredita que McCandless morreu por ingerir sementes de batata selvagem (Hedysarum alpinum), que McCandless mencionou nos seus registros, sendo os efeitos devastos para o organismo humano. Essa espécie de batata não é considerada venenosa — a sua raiz é comestível, mas há evidência de que as suas sementes contêm um alcalóide que interfere no metabolismo da glicose pelo organismo. Entretanto, o Dr. Thomas Clausen da Universidade de Fairbanks no Alasca conduziu testes extensivos nas sementes encontradas no acampamento de McCandless e constatou que não continham toxinas ou alcalóides. (Note que esta é a teoria que Krakauer apresenta no seu livro sobre McCandless, e difere da teoria anterior que ele relatou no seu artigo da revista Outside, envolvendo outra planta, Hedysarum boreale mackenzii, uma ervilha de cheiro semelhante à batata selvagem e conhecida por ser venenosa). Na edição mais recente do seu livro, Krakauer modificou sutilmente a sua teoria com respeito à causa de morte de McCandless. Ele acredita que as sementes da batata selvagem encontravam-se com mofo e foi este o agente que contribuiu para sua toxicidade. Mas Chris McCandless morreu feliz; ele próprio o disse numa anotação no diário, percebendo o seu fraco estado de saúde: “Tive uma vida feliz, e agradeço ao Senhor. Adeus e que Deus vos abençoe a todos”.

Quando foi descoberto no Alasca, sem vida, a tarefa de escrever um artigo sobre o viajante, na altura desconhecido, foi incumbida a Jon Krakauer, jornalista da revista Outside. A história de McCandless tocou-o profundamente, e o fato de a sua própria vida se assemelhar à do rapaz, levou-o a investigar a fundo, obsessivamente toda a sua jornada desde Anandale até ao Alasca: – “Quando era adolescente, eu era teimoso, introvertido, sempre imprudente, de humor variável. Desapontei o meu pai das formas que são habituais. Tal como McCandless, as características de autoridade provocavam em mim uma combinação confusa de fúria contida e ânsia de agradar. Se qualquer coisa despertava a minha imaginação indisciplinada, perseguia-a com um zelo que atingia a obsessão e, desde os dezessete anos até quase aos trinta essa coisa era a escalada.” – Tudo o que descobriu, depois de falar com diversas pessoas, e visitar vários locais por onde o viajante Alex passou, foi agrupado num livro ao qual deu o nome de “Into The Wild – Na Natureza Selvagem”. O livro, bestseller desde que foi lançado, em 1996, deu origem a um filme, com o mesmo nome, realizado por Sean Penn.

O livro de Krakauer fez de McCandless uma figura heróica para muitos. Em 2002, o ônibus abandonado em Stampede Trail onde McCandless acampou tornou-se um atrativo turístico de aventura. O filme de Sean Penn, Into the Wild, baseado no livro de Jon Krakauer, lançado em setembro de 2007 foi bem recebido pela crítica. Um filme documentário sobre a viagem de McCandless feito pelo produtor de filmes independente Ron Lamothe, The Call of the Wild, também foi lançado em 2007. A história de McCandless também inspirou um episódio da série de TV Millenium e canções populares do cantor Ellis Paul, Eddie From Ohio, e Funck, assim como Eddie Vedder, da banda Pearl Jam, que se disponibilizou para fazer toda a trilha sonora do filme de Sean Penn.

Diferente de Krakauer, assim como Sean Penn, e muitos leitores de seu livro, que possuem uma visão simpática de McCandless, alguns alasquianos possuem uma opinião negativa tanto de McCandless como daqueles que romantizam a sua morte. McCandless estava inconsciente de que vagões operados manualmente cruzavam o rio a 400 metros do Stampede Trail, enquanto um abrigo nas redondezas estava abastecido com alimentos de emergência, como descrito no livro de Krakauer. O guarda-florestal do Parque Alasquiano Peter Christian escreveu: “Eu estou exposto continuamente ao que chamo de fenômeno McCandless”. Pessoas, quase sempre homens jovens, vêm ao Alasca para se desafiarem contra um implacável cenário selvagem onde oportunidade de acesso e possibilidade de resgate são praticamente inexistentes… quando você considera McCandless da minha perspectiva, você apercebe-se que o que ele fez não foi particularmente corajoso, apenas estúpido, trágico e inconsciente. Primeiro de tudo, ele gastou muito pouco tempo a aprender como realmente se vive na selva. Ele chegou em Stampede Trail sem um mapa da região. Se ele tivesse um bom mapa ele poderia ter saído daquela situação difícil. Basicamente, Chris McCandless cometeu suicídio”. Muitos o acusam de egoísmo e superficialidade, considerando a sua atitude de abandonar tudo, sem falar com a família, e partir para o desconhecido, como uma forma de satisfação pessoal e ostentação, e até mesmo de suicídio. – Suicídio este, que segundo muito dos simpatizantes de MacCandless, como Krakauer e Sean Penn, e os seus próprios pais rejeitam, pois McCandless ao deixar a mensagem no ônibus a pedir que o resgatassem, claramente não era um suicida, e sim um jovem em busca de uma aventura para mais tarde recordar. – Judith Kleinfeld escreveu no Notícias Diárias do Ancoradouro que “muitos alasquenses reagiram com raiva a essa estupidez apelidada por muitos de “aventura”. Tem-se que ser um completo idiota, para morrer de fome no verão a 30 kmde distância da estrada do parque, disseram eles.”

No entanto, Roman destaca o quão é difícil para qualquer pessoa aventurar-se e fazer o que McCandless fez: “Claro, ele fez porcaria. Mas admiro o que estava tentando fazer, depender completamente da terra como ele fez, mês após mês, é extremamente difícil. Nunca o fiz. E aposto com vocês que muitas poucas, ou mesmo nenhumas das pessoas que chamaram de incompetente a McCandless, também não o fizeram, pelo menos não por mais de uma semana ou duas. Viver no interior da floresta por um longo período, subsistindo apenas do que se consegue caçar e apanhar – a maioria das pessoas não sabe o quanto isso é difícil. E McCandless quase o conseguiu. – Acho que não consigo deixar de me identificar com o tipo – confessa Roman – Detesto admiti-lo, mas ainda não há muitos anos seria fácil ter sido eu a estar metido neste tipo de dificuldades. Quando comecei a vir para o Alasca, provavelmente era muito parecido com McCandless: inexperiente como ele, orgulhoso como ele. E tenho a certeza de que há muitos outros habitantes do Alasca que tinham muito em comum com McCandless quando chegaram cá, incluindo muitos dos seus críticos. E talvez seja por isso que são tão severos com ele. Talvez McCandless lhes recorde demasiado como eram.” Outros, como Krakauer, admiram a sua coragem inabalável de viver melhor, com simplicidade, tirando partido das pequenas coisas da vida, vivendo aventuras e experiências que mais tarde poderia contar aos seus netos; sendo livre e feliz. Os dois anos que viveu servem ainda hoje de exemplo para milhares de jovens que decidem mudar não só o seu futuro, mas o seu presente, tal como outros serviram de inspiração à viagem do próprio Chris McCandless.

A acrescentar ao fascínio irrealista pelo lado selvagem da América Chris McCandless idolatrava o eremitismo de Thoreau e mimetizou as paisagens ficcionadas de Jack London. Todavia, já era tarde quando percebeu que entre a ficção e a realidade por vezes o fosso é abissal. Essa foi a dolorosa experiência de Chris McCandless que muitos perspectivam como própria de um maníaco misantropo desprovido de qualquer responsabilidade. Mas, por outro lado, o radicalismo de Chris McCandless é um ato de liberdade numa sociedade que diluiu o indivíduo à escala de um mero contribuinte ou de um número de segurança social de massas. O livro de Krakauer pode pois repousar na estante ao lado da “Geração X” de Douglas Coupland que, seguramente, compreendeu o êxodo de Chris McCandless em busca da última fronteira Americana. Para lá dessa fronteira fica-nos o livro como alegoria contra o conformismo que consome a nossa própria natureza.

Fonte: Diversas, na internet

Nota pessoal de Vander Dissenha: Faço parte daqueles que não concordam que Chris McCandless foi um idiota, ou um suicida. Acredito que ele morreu por falta de tomar alguns cuidados e por uma fatalidade. E fatalidades acontecem, mesmo quando se está preparado e que se tenha tomado todos os cuidados necessários quando se decide viver uma aventura, seja qual for. Eu como um semi-aventureiro, já me machuquei sem gravidade e escapei por muito pouco de situações que poderiam ter me custado a vida. Chris McCandless com certeza morreu feliz, pois morreu realizando seu grande sonho, e sonhos não tem preço.

Chris McCandless me serviu e serve de inspiração. Tanto o livro quanto o filme que contam sua história, me são fonte de releituras e consultas e sempre aprendo algo novo. Teve um tempo em que eu era meio “psicopata” em minhas aventuras e ia na base do conseguir ou morrer tentando. Hoje já não arrisco tanto, e procuro planejar bem minhas aventuras e viagens e principalmente ter o discernimento de saber o momento de mudar os planos, e se for o caso desistir. Acho que isso ocorreu em conseqüência da experiência e da idade, o que nos torna mais sábios e cuidadosos. E foi isso justamente o que no meu ponto de vista faltou ao jovem Chris McCandless e lhe custou a vida.

Chris McCandless.

Sean Penn (filme) e Jon Krakauer (livro) sobre Chris McCandless.

Cenas do filme Into the Wild.

BUS 142

Assistindo novamente “Into The Wild”

Hoje assisti novamente ao filme “Na Natureza Selvagem” (Into The Wild), que é um de meus filmes favoritos. O livro no qual o filme foi baseado também é um de meus favoritos. A história de Christopher McCandless, mesmo tendo final infeliz é para mim inspiradora. E mais uma vez vendo o filme tive idéias de novas viagens e aventuras. Então aguardem que em breve terei novidades para contar aqui no Blog!!

Eu não teria coragem para largar tudo e “cair no mundo” igual fez o jovem Chris, utilizando o pseudônimo Alexander Supertramp (Supertramp significa Super Andarilho). Mas consegui entender parte do que ele sentia e coloquei em prática isso faz algum tempo. Ficar atrelado a uma vida infeliz em troca de um bom salário, certa estabilidade e uma vida pequena burguesa cercada de muitos confortos da vida moderna, pode ser bom para muitas pessoas, mas com certeza afasta essas pessoas do seu “eu” ancestral, que é viver próximo, senão junto à natureza. E viver um tempo desapegado do dinheiro e do conforto, nos faz dar ainda mais valor as coisas simples da vida e as pessoas de que gostamos. Como disse o navegador Amyr Klink: “É preciso sentir frio para dar valor ao calor, sentir-se desabrigado para dar valor ao próprio teto”. Coloquei isso em prática – se bem que era algo que eu já fazia antes em menor grau – e desde então passei a dar valor às coisas que realmente importam. Não desisti de levar uma vida confortável, mas vez ou outra tenho que fazer alguma atividade, alguma viagem que me faça deixar de lado por algum tempo o conforto da vida moderna e viver de uma forma muito simples, valorizando as pequenas coisas.

Passei alguns anos infeliz e triste, me matando de trabalhar para ganhar cada vez mais dinheiro e depois descobri que isso não me trazia uma real felicidade. E bastaram alguns problema pessoais e de saúde, para que minha infelicidade se transformasse em uma depressão que quase me matou. Tive que recomeçar minha vida do zero, e ainda estou tentando dar um rumo definitivo a ela. Mas para isso tive que parar por um tempo e me aventurar por muitos lugares na busca de um novo rumo para minha vida e principalmente tentando me reconhecer, tentando descobrir quem era esse novo “eu”, a nova pessoa em que me transformei. Esse processo foi longo e muitas vezes doloroso, mas foi necessário e hoje encontrei finalmente meu novo norte e sei o que quero e o que não quero de/em minha vida daqui para frente. E nesse processo, tanto o livro quanto o filme “Na Natureza Selvagem” me ajudaram, serviram de inspiração. Para o personagem do livro/filme, infelizmente não foi possível recomeçar sua vida quando ele finalmente tinha encontrando o seu norte e decidira voltar a viver na “civilização”. Ele cometeu um erro que lhe custou à vida. Mas sua morte não foi em vão, pois ela serviu e serve de inspiração para pessoas no mundo todo.

Se você não conhece a história de Christopher McCandless, leia o livro e veja o filme. Garanto-lhe que alguma coisa, por menor que seja, vai mudar em sua mente e no seu coração. E se assistir ao filme, com certeza a trilha sonora de Eddie Vedder vai fazer valer a pena o tempo que “perdeu” vendo o filme.

NA NATUREZA SELVAGEM

INTO THE WILD

Livro: Na Natureza Selvagem

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=ouANEo2w0Pg]