As igrejas trigêmeas

A catedral de minha cidade (Campo Mourão), possui mais duas irmãs. O arquiteto Simão Gramlich vendeu o mesmo projeto para três cidades. Dessa forma Campo Mourão – PR, Antônio Carlos – SC e São Bento do Sul – SC possuem igreja matriz quase idênticas.

752e6626283a86a31a15894ccca6e907
Campo Mourão (1968), Antonio Carlos (1967) e São Bento do Sul (1958). As igrejas trigêmeas.

Meu primeiro cinema

Comecei a gostar de filmes em 1975, quando minha família comprou nossa primeira TV, ainda em branco & preto. Eu adorava assistir filmes de bang bang junto com minha mãe. E a primeira vez que fui ao cinema, foi em 1976. Fui com meus pais e minha irmã (meu irmão ainda não era nascido) assistir a um filme sobre a Família Robson. Meu primeiro cinema foi o Cine Plaza, o único de minha cidade natal, Campo Mourão – Pr. O cinema era enorme, com mais de mil lugares e aquele primeiro filme foi uma experiência incrível. Ainda em 1976 voltamos ao cinema, dessa vez para assistir ao sucesso King Kong. Esse foi um dos cinco filmes com maior público na história do cinema de minha cidade. E King Kong me rendeu muitos pesadelos nos dias seguintes, pois o macacão era assustador para um garoto de seis anos. Em compensação a loira do filme rendeu outros tipos de pensamento para o mesmo garoto de seis anos.

Durante muitos anos o Cine Plaza fez parte de minha vida. Inesquecível as muitas matines em que fui assistir a filmes dos Trapalhões. E foi nesse mesmo cinema onde levei minha primeira namorada, Roseli, para ver um filme no final de 1986. Só não lembro qual foi o filme! Mas lembro de que ela estava mais preocupada em comer pipoca do que me dar atenção. E nesse mesmo cinema assisti dezenas de filmes, muitos clássicos que entraram para a história. E muitas noites matei aula e pulei o muro do colégio para ir ver filmes no Cine Plaza.

O cinema ficava bem no centro da cidade, próximo da praça central. E numa época em que não existia internet, DVD ou TV a cabo, era no cinema e em frente a ele, que os jovens se reuniam nas noites de sábado e principalmente nas noites de domingo. Entre muitas histórias que vivi no cinema, tem duas que vale a pena mencionar. A primeira foi em 1987, quando num domingo a noite passou o filme sobre vampiros, A Hora do Espanto. O cinema estava tão cheio, que tinha muita gente vendo o filme em pé. Eu era um dos espectadores que estava em pé naquela noite, no corredor lateral direito do cinema. Ao meu lado duas belas moças, mais velhas do que eu. Em dado momento do filme tinha uma cena horrível, com vampiros derretendo ao serem expostos a luz do sol. Eu olhei para o chão, pois não queria ver tal cena. Um das moças, a mais bonita, ficou com tanto medo que me abraçou e me apertou. Aquele abraço inesperado foi um momento inesquecível para um garoto tímido como eu. Outro fato inesquecível foi em 1988, durante a exibição do filme A Volta dos Mortos Vivos. Era um sábado a noite e chovia forte. Tinha uma cena do filme que acontecia num cemitério, sob chuva. E no mesmo instante em que chovia no filme, começou a chover forte dentro do cinema, bem ao meu lado, por culpa de uma grande goteira. Aquilo parecia cinema 4D de tão real. Era até assustador! E nesse mesmo filme um rato passou correndo por cima do meu pé.

O Cine Plaza funcionou até o início dos anos noventa e o último filme que assisti nele foi O Exterminador do Futuro. Nesse filme estava acompanhado de meu irmão. Tempos depois o cinema fechou e desde então funciona no local uma Igreja Universal do Reino de Deus. Mas sempre que passo em frente ao antigo cinema, lembro-me das muitas experiências que vivi ali e das pessoas que conviveram comigo naquele cinema, algumas delas já falecidas. E pra finalizar, mais uma historinha desse cinema. Em meados de 1987 fiz amizade com um dos projetistas do cinema. Ele algumas vezes me deixava entrar escondido por uma porta existente ao lado da porta principal do cinema e que levava até a sala de projeção. Ali eu assistia filmes pornográficos da sessão das dez, em pé, olhando por uma das janelinhas da sala de projeção. Na época eu era menor de idade e não podia entrar no cinema para ver tais filmes. Assistir aos filmes proibidos, escondido na sala de projeção era uma grande aventura. Boas lembranças, doces histórias, muita saudade de um tempo que se foi…

8maio42017
Interior do Cine Plaza.
Cine-Plazza-Rua-Brasil
Antigo Cine Plaza.

Túnel do Tempo: Usina Mourão

No Túnel do Tempo de hoje, uma foto da Usina Mourão, que fica há cinco quilômetros de Campo Mourão. Essa foto é do ano que nasci, 1970 e mostra a recém terminada Usina Mourão. Na foto a estrada asfaltada ainda não estava terminada, nem a nova ponte.

É visível a cachoeira que hoje faz parte do Parque Estadual Lago Azul. Na foto aparecem poucas árvores, no local que sofreu uma grande mudança para melhor e foi bastante arborizado, tendo se tornado um Parque Estadual e área de preservação permanente.

Usina Mourão (1970).
Usina Mourão (1970).

Banca do Jonas

Eu tinha seis anos de idade em meados de 1976, quando fui pela primeira vez até a Banca do Jonas, comprar um gibi do Cebolinha. Naquela época eu estava começando a me interessar por revistinhas em quadrinhos, mesmo sem saber ler. A Banca do Jonas (ainda era a banca antiga e menor) ficava no centro de Campo Mourão, minha cidade natal. Com o passar dos anos fui aumentando a frequência de visitas e oito anos após a primeira visita, tinha me tornado colecionador de quadrinhos e amigo do Jonas, da Banca.

Dos 14 aos 18 anos eu tinha “conta” na banca. Pegava as revistas e gibis que queria e o Jonas anotava tudo num livro de capa preta. Daí no final do mês eu ia até lá e pagava a conta. Nessa época passei a fazer visitas quase diárias a banca. Algumas vezes fazia alguns serviços para o Jonas, como ir ao banco ou então lhe buscar uma Skol gelada no Bar do Bassani, que ficava próximo a banca. Graças a estes favores, ele me deixava folhear às revistas e vez ou outra ler um gibi de graça. Depois de um tempo o Jonas passou a confiar em mim e algumas vezes quando precisava dar alguma saída rápida, me deixava tomando conta da banca. Aquilo para mim era uma alegria imensa, pois para um garoto apaixonado por revistas em quadrinhos, tomar conta de um banca de revistas era algo surreal.

Em 1989 fui morar em Curitiba, mas toda vez que vinha visitar minha família em Campo Mourão, era obrigatório passar na banca conversar com o Jonas. Após alguns anos meu interesse por quadrinhos foi diminuindo, mas sempre ia visitar meu amigo Jonas nas visitas à Campo Mourão. Até que numa manhã no início de 2005, minha mãe me telefonou em Curitiba, me contando que o Jonas tinha falecido. Fiquei muito triste e lembrei da última conversa que tinha tido com o Jonas, algumas semana antes. Dois meses depois fui para Campo Mourão visitar minha família e ao passar pela banca, que passou a ser atendida pela esposa do Jonas, senti uma sensação de vazio, de tristeza. Depois disso passei a evitar passar pela frente da banca. Eu passava pelo outro lado da rua e não olhava para a banca.

Há poucas semanas ao passar pelo local da banca, levei um susto. A banca tinha desaparecido do local que ocupou por quase quarenta anos. De repente aquela banca azul que estava no mesmo local desde que eu era criança, tinha saído da calçada no centro da cidade e deixou um vazio físico e também no coração daqueles que igual a mim frequentaram aquele local durante anos.

Hoje lendo um jornal, fiquei sabendo que a velha banca ao menos terá um destino digno. Ela será reformada pela Prefeitura Municipal e ocupará um lugar no Parque de Exposições da cidade, onde servirá como espaço para divulgação de folders e folhetos durante a Festa Nacional do Carneiro do Buraco. A Banca do Jonas ao menos será preservada, mas o vazio que ela deixou na calçada onde permaneceu por décadas, jamais será preenchido…

O Jonas em sua banca. (Foto: Tribuna do Interior)
O Jonas em sua banca. (Foto: Tribuna do Interior)
A Banca do Jonas já fechada. (Foto: Boca Santa)
Banca fechada. (Foto: Boca Santa)

Usina Hidrelétrica Mourão

Desde que entrou em operação, a Usina Hidrelétrica Mourão nunca havia registrado uma vazão tão grande quanto a que foi contabilizada esta semana. Ela foi 17 vezes maior do que o que é registrado em média. Com o aumento no volume, a barragem que fica a seis quilômetros da cidade, virou um espetáculo à parte. A vazão que é na média de 14,4 metros cúbicos por segundo chegou a 250 metros cúbicos por segundo. Antes disso, a maior vazão registrada havia sido em 1983, ano de grandes enchentes, e mesmo assim, o máximo que se chegou foi 155 metros cúbicos por segundo. A usina que funciona no Rio Mourão está em operação desde 1964 e tem uma potência instalada de 8,2 MW. (Fonte: Jornal Tribuna do Interior)

Lembro que quando era criança fui algumas vezes com meus pais me banhar nas águas da represa, nas raras vezes em que ela transbordou. Naquela época era comum o pessoal além de se banhar, também lavar os carros nas águas da represa. Atualmente o acesso ao local é proibido e somente em cima da ponte que existe na estrada em frente à represa é que acaba sendo possível observar a água passando pela represa.

A represa essa semana. (Foto: Fábio Nogaroli)
A represa essa semana. (Foto: Fábio Nogaroli)
ac-usina-mourao-cheia_1
A represa com recorde de água. (Foto: Jornal Tribuna do Interior)
A represa nos anos oitenta. (Foto: Site Boca Santa)
A represa nos anos oitenta. (Foto: Site Boca Santa)
A represa em uma das poucas vezes que transbordou. (novembro/2011)
A represa em uma das últimas vezes que transbordou. (nov/2011)
Cris, Vander, Marilene e Mariá. (novembro/2011)
Cris, Vander, Mariá e Marilene. (nov/2011)

Foto de Sucesso

Teve uma foto minha da passeata realizada no último sábado em Campo Mourão que fez um certo sucesso. Essa foto foi publicada no site Boca Santa (www.bocasanta.com.br) e também no perfil do site no Facebook. Daí ela acabou sendo compartilhada e recompartilhada por muitas pessoas e teve diversos comentários de pessoas achando a foto bonita e elogiando.

Legal isso, de ver uma foto de minha autoria se espalhando por aí e fazendo sucesso. Isso envaidece um pouco, mesmo eu não sendo um cara vaidoso. Segue abaixo a tal foto…

Protesto ao lado da Catedral São José.
Protesto ao lado da Catedral São José.

Protesto e Passeata em Campo Mourão

No último sábado participei de uma passeata aqui em minha querida Campo Mourão. Após dias de muita chuva e frio, o tempo ajudou e até saiu um solzinho que animou centenas de pessoas a saírem as ruas e protestar contra muita coisa errada que está acontecendo nesse nosso querido Brasil. Finalmente o povo acordou, tanto nas grandes quanto nas pequenas cidades do país.

Foi uma caminhada pacifica e até mesmo a “invasão” ao Terminal de Ônibus Urbano da cidade foi tranquila, sem depredações ou violência. E o pessoal que ficou parado no trânsito em razão da passeata também não reclamou e até participou de dentro de seus carros, buzinando e acenando. Outra marca dessa passeata foram as muitas pessoas nas janelas dos prédios, acenando e mostrando cartazes.

Na passeata achei que cabia um pouco de protesto com relação a Prefeita atual da cidade, que em seis meses no cargo ainda não mostrou para o que veio. Ela fala muito, aparece muito, mas faz pouco. E a cidade está ainda pior do que estava na administração anterior e as ruas estão cada vez mais sendo tomados por buracos. E a iluminação pública está um caos, depois que sua administração foi transferida da Copel para a Prefeitura. Tem lâmpadas que estão queimadas há dez meses e não adianta ligar na Prefeitura, pois eles não fazem nada.

Hoje estive revendo antigas postagens que fiz aqui no blog e notei que há muito tempo eu já criticava o Governo Petista e essa faraônica Copa do Mundo no Brasil. Não pertenço a nenhum partido político e sempre fui critico as coisas erradas que acontecem, independente do partido ao qual pertence o Vereador, Prefeito, Deputado, Governador ou Presidente. E nunca gostei do PT e da maioria dos petistas, principalmente dos militantes fanáticos, que mais se parecem com membros de torcidas organizadas de futebol, ou então fanáticos religiosos. Com estes militantes petistas não dá para ter dialogo, pois são cegos pela sua ideologia e chegam a estremos, não conseguindo enxergar o que realmente está acontecendo e principalmente acreditam cegamente e defendem com unhas e dentes seus líderes, mesmo quando estes são corruptos e ladrões.

Finalmente o Brasil acordou e espero que essa série de manifestações não seja fogo de palha. E que no próximo ano o povo que esta protestando nas ruas dê sua resposta nas urnas, excomungando da vida pública tantos corruptos que estão hoje espalhados pelo Brasil e principalmente mandando para a PQP o governo petista que comanda a quadrilha lá de Brasília.

Passeata pelo centro de Campo Mourão.
Passeata pelo centro de Campo Mourão.
1016487_10151509206813067_807195591_n
Minha “velha” amiga Tania e sua filha Gabriela.
Passeata.
Passeata.
"Invasão" ao Terminal de Ônibus.
“Invasão” ao Terminal de Ônibus.
Participando da passeata.
Participando da passeata.

Virada Cultural

No final de semana teve Virada Cultural em cinco cidades do Paraná: Curitiba, Foz do Iguaçu, Cianorte, Maringá e Campo Mourão. A Virada Cultural foi promovida pelo Governo do Paraná e contou com uma grande infraestrutura e também com shows de cantores famosos.

Em Campo Mourão foi montado um grande palco na praça central da cidade, onde aconteceram apresentações variadas no sábado e domingo, quando o evento foi encerrado com show do cantor Renato Teixeira. Paralelamente aos eventos no palco principal, aconteceram outros eventos menores em outras partes da cidade.

Estive presente na Virada Cultural no sábado a noite, e mesmo não tendo um público muito grande foi um programa diferente e interessante. Depois de assistir as apresentações que aconteceram no palco principal, fui ver uma peça de teatro na Biblioteca Pública, que terminou pouco antes das 3h00min da manhã. No domingo não participei da Virada Cultural, pois estava ausente da cidade.

Mesmo sendo um evento muito bem feito e grandioso, acredito que faltou um pouco mais de divulgação e presença de público. Não sei dizer os motivos do fracasso de público em tão bom evento! Então público logo abaixo um texto do jornal Gazeta do Povo, que talvez explique um pouco do fracasso da Virada Cultural aqui em Campo Mourão.

Sintonia

O governo do estado investiu pesado na estrutura da Virada Cultural de Campo Mourão, com a instalação de um grande palco, seguranças particulares e a montagem de dezenas de banheiros químicos, que na maioria não chegaram a ser utilizados. Mesmo assim, o evento não chegou a causar empolgação na população que compareceu em número reduzido nas apresentações programadas.

O prefeito da cidade, Nelson Tureck, e sua filha, a deputada Marla Tureck, presentes na apresentação de Renato Teixeira acreditam que houve falhas na definição da programação e na divulgação. “O evento foi organizado pelo governo em Curitiba e os shows foram definidos de cima para baixo, sem consultar os municípios ou a população. Tiveram artistas por aqui que não são fazem parte do gosto do povo. Tinha que ouvir mais as cidades”, analisou Tureck, que acredita que nas próximas edições “o povo ainda vai se acostumar”. O prefeito também criticou a falta de divulgação do evento na cidade pelos órgãos de comunicação locais, mesma tese apresentada ontem pela secretária municipal de Cultura, Sonia Singer.

Mas, se houve erros no planejamento de atrações e horários por parte do governo estadual, o mesmo ocorreu com a participação dos grupos locais, responsabilidade da prefeitura de Campo Mourão. A maioria dos artistas que se apresentaram na Virada são velhos conhecidos do público e estão presentes em quase todos os eventos realizados na cidade, sempre com os mesmo números. É o caso da banda municipal, da trupe de circo, da banda Bons e Velhos – que tocou há duas semana no parque da cidade – e até mesmo da peça teatral “Hamlet Machine”, dirigida pelo diretor mourãoense Carlos Soares, que somente neste ano, foi apresentada em quatro oportunidades. Faltou inovação e sintonia com o povo.

(Gazeta do Povo, Caderno G – 12/11/2012)

Show da “Big Time Orchestra”.
Bloco Carnavalesco “Cai Nessa”.
Vander e Fabiana, na Virada Cultural.

Basquete de Campo Mourão

Após uma longa ausência, voltei a assistir jogos de basquete do time de Campo Mourão. Dessa vez vi jogos validos pela Copa Sul Brasil, onde o time de Campo Mourão venceu todos os três jogos da primeira fase. E o mais legal foi voltar ao Ginásio JK, local onde treinei e joguei basquete muitas vezes entre meus 13 e 17 anos. Boas lembranças daquela época, dos treinos de madrugada, das participações em Jogos Escolares, Jogos Estudantis, dos antigos amigos, de namorar no escurinho atrás do ginásio. Hoje isso não seria mais possível, já que está tudo iluminado, tem rua asfaltada e casas do outro lado da rua…  Kkkkkk

E foi graças ao basquete que arrumei minha primeira namorada. Eu tinha 15 anos e fomos participar da fase final dos Jogos Escolares na cidade de Rio Negro, bem na divisa do Paraná com Santa Catarina. Uma bela tarde eu estava no ginásio esperando a hora do meu jogo começar e uma garota veio conversar comigo. Ela estava passando férias na cidade, na casa da irmã. Perguntei de onde ela era e ela respondeu que era de Campo Mourão. Não acreditei, achei que estivesse brincando! Daí foi a vez dela perguntar de onde eu era e em vez de responder virei de costas e mostrei meu agasalho, onde estava escrito CAMPO MOURÃO. Ambos começamos a rir, pois era muita coincidência sermos da mesma cidade e termos viajado 600 quilômetros para nos conhecer. Trocamos telefone e duas semanas depois nos encontramos em Campo Mourão. Mais uma semana e começamos a namorar. Foram apenas três meses de namoro, que foi inesquecível por ser o primeiro. O nome da garota era Roseli (melhor não contar o sobrenome) e faz uns vinte anos que a vi pela última vez.

Bons e saudosos tempos!!!

Colégio Estadual. Estou em pé, segundo da direita para a esquerda. O Wagão, meu irmão é o garotinho com agasalho branco. (Ginásio JK - 1984)
Colégio Unidade Polo. Estou em pé, segundo da direita para a esquerda. (Ginásio JK - 1985)
Seleção de Campo Mourão. (Ginásio JK - 1985)
Ginásio JK - 2012.
Campo Mourão X Santa Cruz/RS. (Ginásio JK - 13/04/2012)

Usina Mourão

Desde 1990 que eu não via a Usina Mourão com água passando por cima de sua represa. Nesses últimos 21 anos tal fato deve ter ocorrido algumas vezes, mas como não ia muito a Campo Mourão, acabou se passando duas décadas sem eu presenciar tal fato. Vendo a imagem da água passando por sobre a barragem, me veio algumas lembranças da infância. Naquela época parecia que a represa da Usina Mourão era gigante, mas após conhecer outras Usinas Hidrelétricas e principalmente conhecer Itaipu, descobri que a Usina Mourão é bem pequena. De qualquer forma ela é a Usina de minha infância, e sempre será a minha preferida.

História: A Usina Hidrelétrica Mourão possui potência instalada de 8,2 MW, e está localizada na margem direita do rio Mourão, no Município de Campo Mourão, a aproximadamente 6 km do centro da cidade. No final da década de 50, o Governo do Paraná solicitou pedido de concessão ao Governo Federal para aproveitar o potencial existente no Salto São João. A construção foi iniciada pelo DNAEE em 1958. Em 1961, após obtenção da concessão junto ao Governo Federal, a Copel retomou suas obras, inaugurando a usina em 1964. Foi reforçada assim a oferta de energia à região Norte. Durante muito tempo a Usina Mourão atendeu isoladamente a região composta por 15 municípios do centro-oeste paranaense. Depois, com a interligação do sistema elétrico do Paraná, passou a fazer parte do parque gerador da Copel.

Fonte: www.copel.com

Represa da Usina Mourão. (nov/2011)
Vanessa, Cris, Mariá e Marilene.
Ao fundo a represa da Usina Mourão.

Carneiro no Buraco

Hoje a tarde estive no Parque de Exposições aqui de Campo Mourão, dando uma olhada na Festa do Carneiro no Buraco. O parque estava lotado, tinha muita gente. Na arena de rodeio nem dava pra entrar, pois estava abarrotada. Andei bastante pelo lugar, onde acabei encontrando alguns amigos e parentes.

Festa do Carneiro no Buraco. (10/07/2011)
Festa do Carneiro no Buraco. (10/07/2011)