Um breve resumo de 2010

O ano está terminando e por isso é o momento de fazer um breve balanço de tudo o que aconteceu em 2010. Foi um ano difícil, muito difícil. Com certeza foi o pior ano de minha vida, se levar em consideração tudo o que sofri, chorei, ás dores que senti, tanto físicas quanto psicológicas. E boa parte disso tudo foi bem descrito neste blog. Cheguei ao fundo do fundo do poço, me perdi na vida e em alguns momentos perdi a razão, quase enlouqueci de vez. Também quase encontrei a morte. Na verdade busquei a morte, pois descobri que existe algo pior do que morrer, que é a falta de vontade de viver. A vida me deu um baile, me tirou para dançar e eu mal dançarino que sou acabei dançando mal a música da vida e quase sucumbi. Olhei nos olhos da morte, mas ressurgi e lutei bravamente para me reencontrar. Quando não tinha mais forças, consegui rastejar até encontrar um apoio para conseguir me levantar. E esse apoio foi importante, ele foi firmado em minha fé em Deus, na ajuda de minha família e de amigos, bem como de pessoas que estavam desaparecidas de minha vida e retornaram para dar uma força e também o apoio de pessoas que de repente surgiram em minha vida.

Iniciei o ano já depressivo, sem vontade de fazer nada, me isolei, fugia dos amigos. Sentia que precisava tomar uma importante decisão que mudaria radicalmente meu futuro, mas não tinha certeza do que queria e o que realmente queria. E assim passou meu mês de janeiro, onde fiquei recluso, lendo livros sem parar e trabalhando muito. Nem mesmo um aumento substancial de salário me deixou animado ou motivado com meu trabalho. Eu cada dia me sentia mais sem vontade de continuar a fazer o que estava fazendo, me sentia cansado. Em fevereiro decidi tomar uma decisão importante, mas já era tarde. Quando finalmente me decidi, descobri que tinha perdido um grande amor. Não foi o primeiro grande amor que perdi na vida, mas com certeza foi o mais dolorido. Eu que já não estava nada bem, fui para o buraco de vez e ganhei uma bela depressão, que pra piorar veio acompanhada de uma hérnia de disco que me causava muitas dores. Durante um bom tempo não podia caminhar direito, não conseguia dormir, comer, trabalhar. Perdi vários quilos e fui me perdendo cada vez mais na vida. Foram vários meses de sofrimento e quando achava que tinha chegado ao fundo do poço, algo acontecia e me mostrava que o fundo do poço ainda não tinha sido alcançando. Procurei tratamento para meus problemas. Pra hérnia foram sessões e mais sessões de fisioterapia que não fizeram nenhum efeito. Depois parti para meses de doloridas sessões de acupuntura, onde por muitas vezes chorei feito criança, tamanha a dor que sentia. E foi isso que me trouxe a cura. Não a cura total, pois essa nunca será alcançada, mas uma cura que me permite viver quase normalmente e com um pouco de dor. Da depressão me curei graças a tratamento psicológico e principalmente por minha força de vontade, ao lutar contra o que me deixava mal, me entristecia. Cheguei a tomar tarja preta por uns dias, mas não quis mais, tinha receio de ficar dependente de medicamentos.

Mas o que mais ajudou em minha cura foi minha fé. Ela foi provada como nunca antes tinha sido. Consegui me agüentar e por muitas vezes pude sentir Deus agindo em minha vida. Recuperei minha fé plena e descobri que não preciso ir na igreja toda semana pra me encontrar com Deus, mas sim que Ele está presente ao meu lado em todos os momentos. O apoio incondicional da família também foi muito importante em minha recuperação. E pra completar o quadro de ajuda, o apoio de muitas pessoas próximas, distantes, algumas muito amigas, outras que mal conhecia. Muita gente me ajudou, me deu um conselho, uma palavra de apoio, um abraço, orou por mim. Isso me deu forças para lutar e superar meus problemas. E a cura começou a surgir quando tomei a decisão radical de largar tudo e mudar minha vida completamente. Resolvi dar um tempo e fui me exilar em minha cidade natal, ao lado de minha família. E foi a partir daí que fui encontrando a cura plena, que voltei a sorrir e redescobri a alegria nas pequenas coisas da vida que sempre me deram prazer. Ao mesmo tempo fiz um balanço de minha vida e mudei os valores que dava ás coisas. Algumas coisas passei a valorizar mais, outras nem tanto e muita coisa exclui de minha vida. Meses se passaram e a cada dia fui me sentindo mais feliz. Surgiram novos amores, que foram passageiros, mas que ajudaram muito em meu processo de cura. Não foi nada fácil voltar a ser feliz, tinha dias que sair da cama era complicado. Mas segui um conselho que me foi dado no início de meus problemas e passei a viver uma hora por vez, um dia por vez. E isso me ajudou, pois fui criando uma rotina que não me deixava pensar nas coisas que me entristeciam. E a cada dia fui me sentindo melhor.

Agora chego ao final do ano me sentindo muito bem, feliz como há muito tempo não me sentia. E fisicamente também estou bem como há muitos anos não ficava. E hoje vejo que precisava ter passado por tudo o que passei. Foi sofrido, dolorido, triste, mas foi um grande aprendizado. Esse ano de 2010 ao mesmo tempo que quero esquecer, também não quero esquecer, pois preciso lembrar dos muitos ensinamentos que tive. Minha vida agora se divide em antes e depois de 2010, o ano que completei 40 anos, o ano ao qual sobrevivi.

Obrigado de coração a todos que de uma forma ou de outra me ajudaram nesse ano. Sem o apoio de vocês possivelmente eu não estaria aqui nesse momento escrevendo esse monte de bobagens. Sem a ajuda de vocês eu fatalmente teria desistido da vida e me entregado pelo caminho em 2010.

Alguns momentos de 2010.

Show com Munhoz & Mariano

Estive no show do Munhoz & Mariano, que aconteceu em Campo Mourão. A dupla é nova, venceu o concurso “Garagem do Faustão” e agora tem tudo para fazer muito sucesso. Eles cantam bem e algumas de suas músicas são muito boas. De negativo foi que o show estava marcado para ás 23h00min e iniciou quase três da manhã. Outra coisa interessante foi que o Juizado de Menores estava na porta barrando os menores de idade. Daí quando o show começou o pessoal do juizado foi embora e todo mundo entrou. Ou seja, o negócio não é sério, é tudo um faz de conta…

No show, com amigos.
Munhoz & Mariano

 

Cachorro fujão

Hoje nosso Rottweiler, Jack, fugiu. Ele passou por duas portas, dois portões e ninguém viu ele indo pra rua. Por sorte uma pessoa viu ele na rua, reconheceu que era nosso e telefonou avisando. Daí eu, meu irmão e minha sobrinha saímos pelas ruas do bairro e o encontramos. O coitado está velho e gordo, então não conseguiu ir muito longe. O difícil foi levá-lo de volta pra casa, pois ele cansou e empacou. Sei que entre mortos e feridos somente minha sobrinha saiu com o joelho esfolado, pois ao tentar colocar a coleira no cachorro ele a empurrou contra o muro. No final o Jack voltou pra casa cansado e feliz. Essa foi sem duvida a maior aventura de seus doze anos de vida, pois foi a primeira vez que ele saiu sozinho pela rua.

Jack, o fujão...

Caminhada em Rosário do Ivaí – Pr

A última caminhada do ano foi em Rosário do Ivaí, uma cidadezinha que eu não conhecia. Pra dizer a verdade nunca tinha ouvido falar dela. Fui pra lá com o pessoal de Maringá. Fomos em 17 pessoas num micro ônibus, tudo organizado pelo Jair, caminhante das antigas. O difícil foi levantar de madrugada, pra pegar o ônibus ás 05h00min. Parece algo insano para se fazer num domingo, acordar de madrugada, viajar 180 km e caminhar 10 km sob sol. Mas tem certas coisas que mesmo insanas são prazerosas, então não da pra reclamar. De Maringá até Rosário do Ivaí foram quase três horas de viagem e consegui dormir o tempo todo.

Estava acontecendo a Festa da Uva na cidade e o local marcado para o início da caminhada era justamente no local onde acontecia a festa. Antes de caminhar fomos tomar café da manhã, que entre outras coisas tinha bolo de uva, suco de uva, doce de uva e também… uva. O início da caminhada foi tranqüilo, sem muito esforço e por um lugar muito bonito. Depois atravessamos um rio por uma espécie de pinguela e enfrentamos uma subida brava. Em seguida atravessamos um pasto, uma região de mata fechada e saímos ao lado de um parreiral. Era bonito ver tanta uva no pé. Pelo caminho fomos encontrando postos de apoio com água gelada, frutas e muita uva. Em alguns sítios por onde passávamos era possível comprar produtos locais. Pelo caminho comprei apenas um litro de suco natural de uva. Não dava pra comprar muita coisa e ficar carregando na mochila, pois quanto mais peso pior fica pra caminhar.

Das caminhadas que fiz esse ano, essa foi a que teve as paisagens mais bonitas. Quase no final da caminhada passamos por uma ponte pênsil e depois encontramos um pessoal com cavalos, fazendo churrasco ao lado de um rio. Aceitei o convite que fizeram e subi em um dos cavalos pra tirar foto. Duas coisas que não gosto muito é cavalo e moto, pois caí de ambos e nunca mais me senti seguro em cima deles. Fiz boa parte da caminhada num ritmo rápido, para testar meu preparo físico. Quase no final fiquei esperando algumas meninas do grupo e caminhei com elas. Teve um morador local, plantador de uva, que caminhou um tempo ao meu lado e foi me contando sobre a cidade e sobre a arte de cultivar uvas.

Terminamos a caminhada no mesmo local que iniciamos, mas no sentindo contrário. Foi cansativo, mas prazeroso caminhar os 10 km debaixo de sol meio forte. Quando chegamos já estavam servindo o almoço, um churrasco que também fazia parte da Festa da Uva. Então o jeito foi encher a pança e recuperar as energias e calorias perdidas durante a caminhada. Aproveitei para comprar um caixa de uva pra levar pra casa, já que a qualidade da uva era boa e o preço também. A única coisa chata do dia foi ter que usar banheiro químico debaixo de sol. Aquilo além de mal cheiroso e sujo, parecia uma sauna. Antes de ir embora tirei uma foto com três conhecidos de Campo Mourão que também participaram da caminhada. Pouco antes das três embarcamos em nosso ônibus e retornamos a Maringá. Mais uma vez dormi o tempo todo. Pra quem não sabe, sou especialista em dormir em ônibus e sempre acho um jeitinho de me acomodar e pegar no sono.

.

Caminhada em Rosário.

Ponte pênsil, cabeça de boi e rio.

Diversos momentos da caminhada.

Paisagens da caminhada e com as meninas de Maringá.

Uva no pé, uva no café da manhã e levando uva para casa.

Almoçando, com o pessoal de Campo Mourão e na estrada.

Almoço na Usina

Meu tio tem uma chácara numa represa (Usina Mourão) que fica próxima de Campo Mourão. O local é bonito e agradável, principalmente em dias quentes, o que é algo constante por aqui. Meu pai sempre está por lá, muitas vezes passa dias lá pescando, descansando… Então numa dessas temporadas que meu pai passa na represa, eu e meu irmão fomos fazer uma visita a ele, que nesse dia preparou um almoço caprichado.

Eu, meu irmão, meu pai e um tio.

Meu brother descansando.

Lugar bonito...

Tomando sol.

Salvando gatinhos

Estava passeando de bike pela rua quando ouvi miados de gato. Procurei de onde vinham os miados, mas não descobri. Dei meia volta e então vi que os miados vinham de dentro de um bueiro. Algum fdp tinha jogado gatinhos no bueiro. Eram dois, um rageado e um preto. Deitei na calçada e tentei tirar os gatinhos, mas não dava, pois o bueiro era fundo, meu braço quase não passava pelas grades e a tampa do bueiro era lacrada com cimento. Pra piorar o tempo estava com cara de chuva e se chovesse os bichanos fatalmente morreriam afogados. Então fui em casa e peguei uma pá de lixo com cabo comprido e um pano, pra ver se com eles eu conseguiria retirar os gatinhos do bueiro.

Quando retornei ao bueiro, tinha duas moças tentando tirar os gatinhos. Elas estavam caminhando, ouviram os miados e tentaram salvar os bichinhos. Unimos nossas forças e logo foi possível tirar o gato rageado. Já o pretinho deu o maior trabalho pra tirar, pois diferente do irmão dele que era espertinho, ele era meio burrinho, o que dificultou o trabalho de salvamento. Mal acabamos de tirar os gatos do bueiro e parou um carro da TV e nos gravou junto com os gatos, para uma reportagem. No fim os gatos ficaram com as meninas, que iam tentar encontrar um lar para eles. A história teve um final feliz para os gatinhos e para nós salvadores sobraram joelhos e braços esfolados, mas valeu à pena a boa ação de salvar os bichanos. É lamentável que pessoas sem coração judiem dos bichos, muito lamentável…

Bueiro onde estavam os gatinhos.

Eu com as moças que ajudaram e com os gatos que salvamos.

Aniversário do Maico

Ontem participei de um churrasco em comemoração aos 26 anos do Maico. O Maico sendo um dos fãs declarados do Blog e que costuma reclamar quando demoro em colocar novas postagens, merece uma postagem especial relativa ao seu aniversário. Amigo, que Deus te abençoe e que possamos no futuro fazer novas viagens juntos e festar bastante.

Maico, Vander e Sidão. Bola e Mayra.

Aniversário do Maico.

Maico e alguns de seus convidados.

Caminhada Rural – Apucarana/Pr

Três semanas após participar da Caminhada da Lua em Apucarana, voltei à cidade hoje, dessa vez para participar de uma Caminhada Rural. Encontrei a Elissandra, coordenadora da caminhada e alguns dos caminhantes, bem cedo, no centro da cidade. Fiz minha inscrição e fui me arrumar para caminhar dez quilômetros, tomando cuidando com meus dedões do pé que estão machucados e roxos. Para protegê-los e não piorar os ferimento coloquei muito algodão e microporo nos dedos. Notei que alguns dos participantes também tinham feito comigo a Caminhada da Lua. Logo embarcamos num ônibus da prefeitura e fomos para a periferia da cidade, num Pesque e Pague. Ali foi servido um delicioso café da manhã. O local é bem simpático e pra quem gosta de pescaria e de comer peixe (que não é meu caso) é uma boa opção de diversão. Éramos cerca de 40 pessoas.

Iniciamos a caminhada por volta das 09h00min. O início da caminhada foi por dentro do próprio Pesque Pague. Depois atravessamos um pasto, passamos por algumas cercas de arame farpado, atravessamos um riacho duas vezes, o que deu um pouco de trabalho para muitos dos caminhantes, mas felizmente sem incidentes e quedas. Atravessamos um pequeno trecho de mata, mais um pasto, outra cerca de arame farpado, uma plantação de milho, outro pasto e logo pegamos uma pequena estrada de terra. Alguns trechos dessa estrada tinha barro e ajudei algumas pessoas a atravessarem esse barro. Teve uma senhora que escorregou, quase caiu e quase me levou junto para o barro. Mas no fim foi somente um susto que gerou boas risadas. Caminhei boa parte do percurso com minha amiga Miralva. Essa foi a quarta caminhada que fazemos juntos, desde outubro último. Teve um trecho que caminhei ao lado de duas senhoras orientais e a filha de uma delas. Uma das senhoras era boa de papo e fomos falando sobre caminhadas e viagens. O legal das caminhadas é justamente conversar com um, com outro e fazer novas amizades, trocar experiências. O percurso da caminhada era muito bonito, com bastante descidas e algumas subidas não muito difíceis. O que me chamou a atenção foi que em muitos trechos caminhamos sob a sombra de árvores, o que ajudou aliviar o calor, pois o sol da manhã estava muito quente. Uma brisa fresca e constante também ajudou a aliviar o calor, mas mesmo assim minha camiseta ficou o tempo todo encharcada de suor.

Dessa vez não caminhei num ritmo muito ligeiro, acabei indo no “final da fila”. Fiz algumas paradas para tirar fotos, beber água e admirar uma ou outra paisagem. O pior trecho acabou sendo o último quilômetro e meio, que era uma subida que não tinha fim. Mesmo parte da subida sendo sob árvores, foi terrível vencer aquele trecho. O prêmio veio logo em seguida, pois a subida acabava no portão de uma chácara onde seria o fim da caminhada e onde o almoço seria servido. Passava um pouco das 11h00min e o grande prêmio para mim foi ver que o lugar tinha uma convidativa piscina. Não demorou muito e eu estava dentro da piscina descansando e me recuperando da caminhada. Foram poucos que desfrutaram da piscina, pois o pessoal não sabia que teria piscina e não levou roupa apropriada pra entrar na água. Felizmente minha calça de caminhadas vira facilmente uma bermuda e acabei sendo um dos que mais aproveitou a piscina. Sempre é bom terminar uma longa e cansativa caminhada em algum rio, cachoeira e pela primeira vez em uma piscina. Não demorou muito e o almoço foi servido. A comida estava muito saborosa e tive que me conter pra não exagerar no tamanho do prato. Com o calor que estava fazendo não era aconselhável comer muito, principalmente no meu caso que iria pegar a estrada de volta pra casa logo em seguida. Depois do almoço passei um tempo conversando com algumas pessoas e logo embarcamos no ônibus de volta para o centro da cidade.

O programa de domingo acabou valendo muito a pena, foi uma caminhada agradável e mais uma vez muito bem organizada pelo pessoal de Apucarana. Espero voltar outras vezes à cidade e participar de novas caminhadas. Esse é o novo esporte ao qual tenho me dedicado após o problema grave de hérnia de disco que tive esse ano. Como não posso mais correr ou pedalar como fazia antes, a opção é caminhar. E participar de caminhadas em comunidades rurais, no meio do mato, conhecer outros caminhantes e etc, acabou sendo o clássico unir o útil ao agradável. E depois que descobri que existe uma Federação de Caminhadas, que existe um calendário, ficou ainda mais convidativo participar dessas caminhadas organizadas. E cada vez conhecendo mais caminhantes acaba existindo um intercâmbio e fico sabendo de caminhadas que estão programadas na região onde moro e até mesmo um pouco mais longe de casa, como é o caso de Apucarana, distante 180 km de Campo Mourão.

Cartaz da Caminhada Rural.

Início de caminhada.

Tinha um rio pelo caminho...

Alguns momentos da caminhada.

A arte de atravessar um riacho.

Pasto e barro.

Bebendo água e com Miralva no fim da caminhada.

Após 10 km de caminhada, piscina para relaxar.