Fotos interessantes de Porto Seguro

Abaixo seguem algumas fotos interessantes da viagem á Porto Seguro. Algumas são curiosas, outras engraçadas, outras sem sentido. Por essas e outras elas foram consideradas as Top 12 dos dias que passámos em Porto Seguro.

PARA AMPLIAR CLIQUE NAS IMAGENS

Fantasma.

Bóia pra bêbado não se afogar.

Silêncio! Bêbado dormindo...

Quem mandou esquecer o tripé da câmera!

Dois primos bebendo caipirinha.

O paparazzi sendo fotografado de perto.

Surubão.

Urinando no mar...

?????? Foto que o Pity tirou. Devia estar bêbado...

Bêbado a milanesa.

Sereia Maico e Netuno Sidne.

Vou te comer todinha!!!

Acarajé

Uma coisa que vamos lembrar dessa  viagem é  do acarajé.  Eu que  não curto comidas exóticas ou nativas, nem perto cheguei de provar tal iguaria, principalmente porque só o cheiro já me deixava enjoado. Mas teve gente que se fartou com os acarajés da Baiana do Centro Histórico de Porto Seguro. O W@gner numa única pegada num final de tarde degustou cinco de uma vez só. Mas quem mais se lembrará do acarajé será o Maico. O coitado passou mal durante um bom tempo e na viagem de volta visitou quase todos ao banheiros do aeroporto de Salvador. O menino estava verde e foi vítima de muitas brincadeiras de nossa parte. Ele ficou na duvida se o problema foi causado pelo acarajé ou por um bife que ele comeu no mesmo dia. Eu acho que foi o acarajé. 

HISTÓRIA: Acarajé é uma especialidade gastronômica da culinária afro-brasileira feita de massa de feijão-fradinho, cebola e sal, frita em azeite-de-dendê. O acarajé pode ser servido com pimenta, camarão seco, vatapá, caruru ou salada, quase todos componentes e pratos típicos da cozinha da Bahia. O acarajé é um bolinho característico do candomblé. Sua origem é explicada por um mito sobre a relação de Xangô com suas esposas, Oxum e Iansã. O bolinho se tornou, assim, uma oferenda a esses orixás. Mesmo ao ser vendido num contexto profano, o acarajé ainda é considerado, pelas baianas, como uma comida sagrada. Por isso, a sua receita, embora não seja secreta, não pode ser modificada e deve ser preparada apenas pelos filhos-de-santo.

PARA AMPLIAR CLIQUE NAS IMAGENS

A Baiana do Centro Histórico.

Maico e o acarajé.

Vander e a Baiana.

Pity.

W@gner e o quinto acarajé da tarde.

Maico se garantindo com os saquinhos para vômito.

O coitado tava verde...

Maico chegando em Salvador.

Efeito acarajé.

Índia

A única mulher que pegamos em Porto Seguro foi uma índia. Fizemos até fila pra dar um abraço e uns amassos nela. O Sidne foi quem mais se aproveitou, mas essa foto dele com a índia não dá pra publicar aqui. Sei que tinha um cara na esquina ligando acho que era pra Polícia. A farra foi tanta que se a Polícia aparece acho que levariam nós cinco e a índia pra cadeia.

W@gner e a Índia.

Pity e a Índia.

Maicon e a Índia.

Vander e a Índia.

Sidne e Pity na fila pra pegar a Índia.

Santa Cruz Cabrália

O passeio a Santa Cruz Cabrália  também vale a pena ser mencionado numa  postagem própria, pois foi bem interessante. Santa Cruz Cabrália divide com Porto Seguro a primazia de ser o local de chegada dos portugueses ao Brasil em 1500. É uma cidade histórica, por nela terem sido realizadas a 1ª (Domingo de Páscoa) e a 2ª (de Posse) Missas no Brasil, ambas celebradas por Frei Henrique de Coimbra, capelão da armada de Pedro Álvares Cabral, em 26 de abril e 1 de maio de 1500, respectivamente. A primeira delas na extremidade sul da Baía Cabrália, mais precisamente no Ilhéu da Coroa Vermelha, e a segunda na foz do Rio Mutary. A exemplo de porto Seguro a cidade também é dividida em Cidade Alta e Cidade Baixa.

História: Santa Cruz Cabrália é uma cidade construída em 2 planos, seguindo a tradição portuguesa, tendo sido criada na margem norte da foz do Rio Mutary pelo navegador português Gonçalo Coelho, comandante da 2ª Expedição ao Brasil, que aportou na Baía Cabrália em 1503 para ali deixar os primeiros missionários, aventureiros e degredados, deixados ao lado da Santa Cruz de Posse, e que trouxe consigo, como Observador, o navegador Américo Vespúcio. Neste ano de 1503 o Brasil mudou seu nome de Terras de Vera Cruz para Terras de Santa Cruz. Oito décadas depois a Vila de Santa Cruz foi transferida para um platô na foz do rio João de Tiba, o atual Centro Histórico, como forma de proporcionar à população melhores condições de defesa para os freqüentes ataques indígenas. Além de belas paisagens, esta histórica cidade, berço da Civilização Brasileira, é um bonito porto de pesca. Na parte alta da cidade, encontram se a Igreja de N. Sra. da Conceição, construída no século XVII, a Casa de Câmara e Cadeia, que abrigou a 1ª Intendência do Brasil, prédio do século XVIII, e ainda as ruínas de um Colégio Jesuíta do século XVI. A 400 m fica o Morro do Mirante de Coroa Vermelha, que proporciona uma maravilhosa e inesquecível vista panorâmica de toda a bonita, larga e histórica Baía Cabrália.

PARA AMPLIAR CLIQUE NAS IMAGENS

Atracadouro de Santa Cruz Cabrália.

Santa Cruz Cabrália.

Santa Cruz Cabrália (Cidade Baixa).

Escadaria que liga a Cidade Baixa a Cidade Alta.

Santa Cruz Cabrália (Cidade Alta).

Santa Cruz Cabrália (Cidade Alta).

Igreja na Cidade Alta.

Vista do alto da Cidade Alta.
Pose para foto.

Pausa para descanso.

Local onde foi realizada a primeira missa no Brasil.

Local da primeira missa.

Porto Seguro – Centro Histórico

Um do passeios que  mais gostei, foi visitar o Centro Histórico de Porto Seguro (eu já conhecia), que fica na Cidade Alta. Como a maioria das cidades portuguesas fundadas no litoral, Porto Seguro foi construida em dois planos, Cidade Alta e Cidade Baixa. Na cidade Alta viviam os moradores mais importantes e influentes do local, bem como as construções mais importantes ficavam ali. A Cidade alta de Porto Seguro foi bem preservada e hoje é conhecida como Centro Histórico. Ali existem algumas casas e construções antigas, bem preservadas. Também nesse local fica o Marco do Descobrimento, que foi trazido de Portugal alguns anos após o Descobrimento do Brasil. E num canto fica um Farol, que na visita anterior em 1997 eu não vi. Foi nesse local, onde hoje existe uma igreja antiga, mas que não é a original, o lugar onde foi construída a primeira igreja em terras brasileiras.

Além da parte histórica e das construções antigas, a vista lá do alto é muito bonita. E no Centro Histórico existem algumas lojas de artesanato e são vendidos também produtos da culinária local. Os meninos se acabaram de tanto comer acarajé. Eu adorei as cocadas. Estivemos duas vezes na Centro Histórico, a primeira pra conhecer e passear um pouco e a segunda exclusivamente pra fazer compras e comer acarajé.

História: Primeiro núcleo habitacional do Brasil, Porto Seguro, além de ostentar o marco do Descobrimento, desempenhou papel importante nos primeiros anos da colonização. São desta época prédios históricos que podem ser visitados durante o dia ou apreciados à noite, quando sob efeito de iluminação especial. O passeio histórico pode começar pelo Marco do Descobrimento, de onde se descortina uma das mais belas paisagens do litoral de Porto Seguro. O marco veio de Portugal entre 1503 e 1526, e simboliza o poder da coroa portuguesa, utilizado para demarcar suas terras. Todo em pedra de cantaria, de um lado está esculpida a cruz da Ordem de Avis e, do outro, o brasão de armas de Portugal. Na mesma área está a igreja de Nossa Senhora da Pena, construída em 1535 pelo donatário da capitania, Pero do Campo Tourinho. Aí estão guardadas imagens sacras dos séculos XVI e XVII, entre elas a de São Franscico de Assis – primeira imagem trazida para o Brasil – e a de Nossa Senhora da Pena, padroeira da cidade. Mais adiante o Paço Municipal ou Casa de Câmara e Cadeia, datada do século XVIII, uma das mais belas construções do Brasil colônia. Nesse prédio funciona o Museu Histórico da Cidade ou Museu do Descobrimento. A igreja da Misericórdia, ou como igreja do Senhor dos Passos, de estilo singelo, guarda imagens barrocas, destacando-se a do Senhor dos Passos e um Cristo crucificado.

PRA AMPLIAR CLIQUE NAS IMAGENS

Fazendo pose em frente ao Marco do Descobrimento.

Marco do Descobrimento.

Em frente ao Marco do Descobrimento do Brasil.

Local onde foi constuída a primeira igreja no Brasil.

Farol.

Centro Histórico.

Antigo Paço Municipal ou Casa de Câmara e Cadeia.

Porto Seguro

A viagem á Bahia foi muito divertida e muitos momentos serão inesquecíveis. De negativo foram os atrasos e cancelamentos de voos, bem como as turbulências que enfrentamos. Mas mesmo com essas furadas foi divertido e mesmo em situações ruins nós conseguíamos nos divertir. Nossa viagem iniciou em Londrina, depois passamos por São Paulo e Salvador, até desembarcar em Porto Seguro num inicio de madrugada chuvosa. Era minha segunda vez na cidade, a outra tinha sido em 1997 e o desembarque também tinha sido com chuva. Quando comentei isso começaram a me chamar de pé frio. O pior disso tudo foi que o piloto no inicio do voo entre Salvador e Porto Seguro, avisou que o tempo estava bom em Porto Seguro. Ou ele estava com sono ou não leu corretamente o boletim de previsão do tempo. E ainda pior foi a turbulência no trecho final do voo, e uma ligeira queda de sustentação do avião que além do susto deu um frio na barriga. O desembarque foi na pista, sob chuva, de guarda chuva. Essa situação pra mim foi inédita, de sair de um avião de guarda chuva. Depois do desembarque pegamos nossa bagagem, alugamos um carro e fomos paro o hotel, onde fomos recepcionados com champagne (Clientes vip são outra coisa!). No sorteio dos quartos eu e Mayco ficamos em um, e W@gner, Sidne e Pity ficaram juntos num outro quarto. Me dei bem, minha cama era king size e cabiam umas quatro pessoas nela tranquilamente. 

Nos dias seguintes fizemos muita coisa, mas o principal foi ficar a toa na barraca de praia em frente ao hotel, bebendo (eu não) e vendo a paisagem. Fizemos alguns passeios curtos pelas proximidades, bem como algumas rápidas saídas noturnas. Por ser baixa temporada a cidade não estava muito cheia e tudo fechava cedo. Nos divertimos muitos entre nós, fizemos muita brincadeira e sacaneamos muito um ao outro. Entre outras teve neguinho que tomou caipirinha com água de piscina, outro que comeu batata frita com protetor solar, pensando que era maionese e um outro que tomou Coca-Cola num copo cuja borda tinha sido cuidadosamente besuntada com pimenta ardida. Em muitas brincadeiras fui preservado, principalmente nas guerras na piscina, guerra de coco e de travesseiros. Me preservaram por eu ainda estar com a hérnia de disco incomodando, então não queríamos correr o risco de eu parar no hospital por culpa de alguma brincadeira. 

Nossos finais de tarde eram sempre na piscina do hotel, onde bagunçamos bastante. Teve dois caras que ficaram pelados na piscina, como castigo por terem feito algo errado. As fotos que obviamente não podem ser publicadas aqui ficarão de registro para sacanearmos futuramente estes dois. Na piscina entre outras coisas jogamos bingo, fizemos lambaeróbica, jogamos uma emocionante partida de Pólo Aquático e muito mais. Nosso hotel tinha muitos paranaenses hospedados, tanto é que no jogo de Pólo descobrimos depois que todos os jogadores eram do Paraná. Por preguiça não vou contar detalhadamente os dias que passamos lá e tudo o que aprontamos. Vou fazer algumas postagens especificas sobre alguns passeios que fizemos e um ou outro comentário.

HISTÓRIA: Porto Seguro foi oficialmente, o primeiro local onde aportaram os navegantes portugueses comandados por Pedro álvares Cabral em 21 de abril de 1500. Em 1530, quando o comércio com as Índias Orientais enfraqueceu e Portugal passou a se interessar pela nova terra descoberta, veio dela tomar posse, terra que lhe cabia pelo Tratado de Tordesilhas. O município foi fundado em 1534. Atualmente possui cerca de 114.459 habitantes e está tombada em quase sua totalidade pelo Patrimônio Histórico, não sendo permitida a construção de prédios altos, com mais de dois andares.

PARA AMPLIAR CLIQUE NAS IMAGENS

Recepção VIP no hotel.

Nosso hotel.

Vida boa!!!

Paisagem bonita.

Show.

Disputada partida de Pólo Aquático.

Chegando no Barramares.

Sol e mar...

Tôa-Tôa.

No Tôa-Tôa.

Aprendendo a dançar música bahiana.

Tôa-Tôa

Viagem a Bahia

Dando sequência ao meu período sabático e de viagens, no momento estou na Bahia com meu irmão e mais três amigos. Essa é minha terceira vez em terras bahianas, sendo ás duas anteriores em 1997 e 1998. Nos próximos dias quando sobrar tempo posto mais fotos e conto sobre a viagem.
No aeroporto ás quatro e meia da manhã.
Escala em São Paulo.
Aeroporto de Salvador.
Em Porto Seguro desembarque na pista e sob chuva.
Com meu irmão.

Montevidéu

Passamos uma noite e uma manhã em Montevidéu,  onde passeamos a pé pelo centro antigo da cidade e de carro por outras regiões. È uma cidade relativamente cara e o custo dos produtos e alimentação ou é igual ao do Brasil ou um pouco mais alto. Uma coisa que me chamou atenção foram os vários cartazes de uma escola de idiomas que vi pregados em postes pelo centro da cidade. Nestes cartazes eles prometiam ensinar o português em quatro meses. Fiquei interessado, pois em quarenta anos ainda não consegui aprender direito o português. 

Perto do nosso hotel ficava a Praça Independência (Plaza Independencia) a mais importante da cidade e que separa a Cidade Velha e a àerea central. No centro da praça fica um mausoléu que abriga os restos mortais de Artigas, famoso herói, considerado o fundador da nacionalidade uruguaia. Em volta da praça existem muitas construções imponentes, antigas e bonitas. Gostei de um edificio bem na esquina, meio esquisito com uma enorme torre, mas muito bonito (segundo meu gosto). Pelo centro da cidade notei muitas construções antigas, a maioria delas preservadas, e outras em estado de calamidade. A cidade me pareceu suja, não me impressionou muito em razão de ser a capital de um páis. De qualquer forma valeu nosso rápido passeio pelo Uruguai, pois foi mais um páis para a “coleção”. No final da manhã arrumamos as malas, fechamos a conta do hotel e fomos para o aeroporto. Entregamos o carro e almoçamos num… MacDonald´s!! Então fomos fazer o chekin e despachar as bagagens para voltar ao Brasil. Daí começou o maior temporal e temi que nosso voo fosse cancelado ou atrado, pois os trovões eram muito fortes. A chuva deu uma trégua na hora do embarque e decolamos sem atraso. Antes passámos no Duty Free fazer umas comprinhas básicas. A primeira hora de voo foi bem chata, com muita turbulencia. Minha labirintite incomodou bastante mas logo que entramos em espaço aéreo brasileiro o tempo melhorou e pousamos em Porto Alegre sem problemas. 

Esperamos um bom tempo no aeroporto de Porto Alegre, onde jantamos e embarcamos para Curitiba. Senti falta do cinema que existia no aerporto, que foi fechado em razão da Infraero não ter renovado o contrato de locação. Esse cinema teria servido para passar o tempo caso ainda estivesse em funcionamento. Nosso voo para Curitiba quase foi cancelado em razão do mal tempo, mas na ultima hora pousamos em Curitiba e em seguida pegamos outro voo para Maringá. Rodamos de carro os 85 km até Campo Mourão e ás três da manhã chegamos em casa, cansados mas felizes, pois o passeio mesmo tendo sido um pouco corrido valeu a pena.    

História: Montevidéu nasceu de um pequeno povoado de índios tapes e imigrantes das Canárias, radicados em torno de um forte construído, em 1724, por ordem de Bruno Mauricio de Zabala, governador espanhol de Buenos Aires, para manter as tropas portuguesas de Manuel de Freitas da Fonseca fora do Rio da Prata. Em 1726, adquire estatuto de cidade. No século XVIII, o crescimento de Montevidéu foi estimulado pela liberdade de comércio direto com as cidades espanholas, declarada por Carlos III em 1778. Além disso ela era o centro de exportação dos produtos da pecuária do interior da província e realizava trocas comerciais com Buenos Aires. Foi a partir dela, inclusive que partiram os navios espanhóis para libertar Buenos Aires, tomada pelos britânicos em 1806 e graças a isso foi também ocupada durante sete meses. Após a conquista da Espanha por Napoleão Bonaparte e a prisão do rei espanhol, a junta de governo de Buenos Aires declara a independência do Vice-reinado do rio da Prata, mas em Montevidéu forma-se uma outra junta favorável à cisão. A disputa entre as duas cidades levou Montevidéu a enviar tropas da Espanha posteriormente e a ser retomada em 23 de Junho de 1814. Conquistada por Portugal em 1817, tornou-se capital da Província Cisplatina do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarve em 1821. Pertenceu ao Brasil durante o reinado de D. Pedro I, chegando a receber o título de Imperial Cidade através do alvará de 15 de abril de 1825, mas logo conquistou a sua independência na chamada Guerra da Cisplatina, em que recebeu o apoio da Argentina. Com a independência (1828) passou a ser capital do Uruguai. Após a independência, a cidade foi palco de disputas políticas internas entre 1843 e 1851 na chamada Guerra Grande, contudo a partir da metade do século XIX, vê grande urbanização, crescimento populacional e industrial. Montevidéu recebeu no início do século XX um contingente de imigrantes italianos e espanhóis e logo em seguida, a partir da dácada de 30 de pessoas vindas do interior do país atraídas pelo crescimento da economia.   

Montevidéu  é a capital e maior cidade do Uruguai. Localiza-se na zona sul do país, às margens do rio da Prata e é a cidade latino-americana com a maior qualidade de vida e se encontra entre as 30 cidades mais seguras do mundo. Em 2004, possuia uma população de aproximadamente 1.325.968 habitantes. Porém, considerando sua área metropolitana, Montevidéu alcança 1.668.335 habitantes, aproximadamente a metade da população total do país. A cidade se encontra em uma zona geográfica que se caracteriza como a rota principal de movimentação de cargas do Mercosul. Por sua vez, conta com uma baía ideal que forma um porto natural, sendo o mesmo o mais importante do país, pela qual saem e entram as mercadorias que se importam e se exportam. É a capital mais austral do continente americano.  

PARA AMPLIAR CLIQUE NAS FOTOS 

Mausoléu de Artigas.

Centro velho de Montevidéu.
Plaza Independencia.
Montevidéu.
Montevidéu.
Montevidéu.
Montevidéu.

Punta Del Este

Viajamos cerca de 130 km  entre o aeroporto de Montevidéu e  a cidade  litorânea de  Punta Del Este. A estrada era boa e pelo caminho uma paisagem muito bonita. Algo que nos chamou a atenção foi a grande quantidade de depósitos de carros antigos existentes pelo caminho e também a quantidade de carros velhos rodando pela estrada. Punta Del Este está entre os dez balneários de luxo mais famosos do mundo e é um dos mais charmosos da America Latina, oferecendo tanto praias oceânicas (Oceano Atlântico) quanto de rio (Rio da Prata). É ponto de encontro do jet set internacional, muito sofisticada, com suntuosas casas típicas de balneários, modernos edifícios de grande altura, um porto com grande infra-estrutura e locais comerciais de importantes marcas, restaurantes e pubs. Alguns dos edifícios existentes em Punta Del Este foram projetados por arquitetos de renome internacional.

Passeamos um pouco pela cidade, demos uma volta pela orla e paramos em alguns locais para tirar fotos. Ventava muito, um vento cortante e a sensação térmica devia ser próxima de zero. A cidade estava deserta, parecia uma cidade fantasma. Por ser uma cidade balneária, seu movimento é no verão. Era estranho ver os diversos edifícios vazios, sem nenhum sinal de pessoas, parecia uma cidade fantasma. Entrar na água nem em sonho, pois estava congelante. Sem querer molhei o pé (tênis) na praia e tive que ficar o resto do dia com os dedos congelados. Mesmo deserta a cidade é bonita fico imaginando como deve ser na temporada de verão quando fica bem movimentada. Antes do final da tarde pegamos a estrada de volta para Montevidéu. O W@gner resolveu fazer uma parada rápida no aeroporto da cidade e daí aconteceu a furada do dia. Na hora de sair ele colocou o comprovante do estacionamento no buraco errado de uma cancela errada. O resultado foi que não podíamos sair do aeroporto e nem tiquet de saída tínhamos para poder comprovar que entramos. Felizmente toda nossa movimentação estava sendo acompanhada por uma funcionaria do aeroporto através de câmeras de segurança e o W@gner conseguiu resolver a situação com um pouco de conversa. 

História: A cidade foi fundada em 1829 por Don Francisco Aguilar, quem foi o primeiro a começar a explorar os recursos da área. A existência de baleias nas águas de Punta del Este era muito importante na época e foi lhe foi permitido caçá-las, por mais de 10 anos em forma exclusiva. Como prefeito da cidade fez muita obra social, fundou escolas, igrejas e prisões. Em 1843 a península foi comprada pelos irmãos Lafone em $ 4500 e a ilha Gorriti em $1500. A circulação na península somente era possível graças aos carros de madeira puxados por camelos. Os camelos foram animais ideais para a areia de Punta del Este, que muitas vezes ameaçava com cobrir a pequena cidade. Eles foram trazidos por Aguilar e faziam um ótimo trabalho. Punta del Este tem que agradecer a Enrique Burnett pela florestação de Punta del Este, que, trazendo árvores de todas partes do mundo plantou eles por toda a costa. Em 1907 só havia uma pequena população em Punta del Este o Hotel Risso, La Capitania, o Chalet de Suárez e 50 casas. Nesse mesmo ano chegou ao porto de Punta del Este o primeiro barco de turistas “La Golondrina”. Eram famílias que vinham de Montevidéu e da Argentina convidados pelo Diretório da Sociedade “Balneário de Punta Del Este”. Esse foi o começo de Punta del Este como destino turístico internacional. Nesse mesmo ano de 1907 a então Villa Ituzaingó, passou a se chamar Punta Del Este. Atualmente sua população é de 130 mil habitantes, mas nas temporadas de verão salta para 400 mil habitantes. Além das praias, os destaques de Punta Del Este são: a gastronomia, com grande quantidade e variedade de restaurantes, onde a parrillada (churrasco à moda uruguaia, com carne e vísceras de animais grelhadas de maneira típica) pode ser saboreada, os cassinos (dentre eles, os famosos Cassino Conrad e Cassino Mantra) e as lojas de grifes famosas. Uma marca tradicional de Punta Del Este são os adesivos colocados nos carros de vários estabelecimentos, como hotéis, bancos, lojas e supermercados. Possui grande apelo turístico com jovens e pessoal de classe social de média alta à alta alta.

PARA AMPLIAR CLIQUE NAS FOTOS

Estrada para Punta.
Chegando em Punta Del Este.
D. Vanda descansando.
Punta Del Este.
Punta Del Este.
Marina de Punta Del Este.
Centro da cidade.
Dona Vanda com frio.
Vento congelante.
Cidade fantasma.
Monumento.
Café para esquentar.
Punta Del Este.

Uruguai

Após os gostosos dias em  Buenos Aires chegou o momento de  arrumar as malas e partir para o outro lado do Rio da Prata, com destino ao Uruguai. Dessa vez meu irmão foi junto para passear um pouco. Saímos cedo do hotel e seguimos de taxi rumo ao Aeroparque, sendo que no caminho demos uma rápida parada no Cemitério da Recoleta. Fizemos os tramites burocráticos e por culpa de uma fila longa quase perdemos nosso vôo, tendo a Cia Aérea chamado nossos nomes pelo sistema de som para embarque imediato. Fomos os últimos a embarcar no avião da Pluna e seguimos num vôo meio turbulento até Montevidéu. Ventava muito e dava pra ver que o Rio da Prata estava cheio de ondas. Nessa hora vi que a opção de seguir por via área e não aquática foi a mais acertada, pois víamos os barcos abaixo de nós e dava pra ver que tudo balançava, o pessoal devia estar ficando enjoado. Na aterrizagem em Montevidéu o piloto mostrou ser bom, pois o vento lateral era forte e deu uma balançadas fortes no avião.

Desembarcamos e fomos almoçar num MacDonald´s pra não perder o costume. Em seguida alugamos um carro e fomos para Punta De Leste (ver post especifico). Passamos a tarde fora e quando retornamos no inicio da noite sofremos um pouco para encontrar nosso hotel, mesmo com a ajuda de um mapa. Ao menos a longa procura serviu para que conhecêssemos um pouco da cidade de Montevidéu. A cidade é bonita, mas perde para Buenos Aires. Os bairros mais afastados são mais bonitos do que a região central e lembra muito bairros dos Estados Unidos. Encontramos nosso hotel bem perto ao centro velho, um Holiday Inn. Eu já tinha trabalhado em três Holiday Inn no tempo que morei nos Estados Unidos. Dessa vez eu veria o “outro lado” do hotel, como hóspede. O hotel era bom, melhor que o de Buenos Aires e o quarto muito confortável. Anoiteceu e saímos dar uma volta pelas proximidades, fazia um pouco de frio e ventava muito. Após um passeio e algumas pequenas compras retornamos ao hotel, de onde saímos mais tarde somente para jantar numa Pizzaria próxima. 

História: A Colônia del Sacramento, o mais antigo assentamento europeu no Uruguai, foi fundada pelos Portugueses em janeiro de 1680. Em 1777, com o tratado de Santo Ildefonso, a colônia tornou-se possessão espanhola. O Uruguai conquistou sua independência entre 1810 e 1828 após uma guerra entre Espanha, Argentina e Brasil. O país é uma democracia constitucional, onde o presidente cumpre o papel de chefe de estado e chefe de goberno. A economia é baseada principalmente na agricultura (que compõe 10% doPIB e a maior parte das exportações) e no setor estatal. Segundo a Transparência Internacional, o Uruguai é classificado como o país menos corrupto da América Latina (junto com o Chile), com condições políticas e de trabalho entre as mais livres do continente. O Uruguai é um dos países economicamente mais desenvolvidos da América Latina, com um PIB per capita elevado e o 50º maior Índice de Desenvolvimento Humano do mundo. A única fronteira terrestre do Uruguai é com o estado brasileiro do Rio Grande do Sul, no norte. Para o oeste encontra-se o rio Uruguai e a sudoeste situa-se o estuário do rio da Prata. O país faz fronteira com a Argentina apenas em alguns bancos de qualquer um dos rios citados acima, enquanto que a sudeste fica o Oceano Atlântico. O Uruguai é o segundo menor país da América do Sul, sendo somente maior que o Suriname.

PARA AMPLIAR CLIQUE NAS IMAGENS

Desembarque

$$$$$$$$$$$$$

Primeira refeição no Uruguai.

Achei ás lixeiras simpáticas!

No Holiday Inn.

Passeio noturno.

Passeio noturno.

D. Vanda descansando.
Chegamos num voo da Pluna.

Cemitério de La Recoleta

E no fim acabei não visitando um dos pontos turísticos que eu queria conhecer em Buenos Aires, que é o Cemitério de La Recoleta. Gosto de visitar cemitérios antigos, onde existe arte tumular (esculturas, projetos arquitetônicos em jazigos e etc) e personagens famosos e históricos. Eu dei bobeira e só fui lembrar de ir no cemitério na ultima noite que estávamos em Buenos Aires. Fui olhar no site do cemitério e descobri que o mesmo abria todos os dias ás 8 horas, então daria tempo de fazer uma visita rápida a caminho do aeroporto. O problema foi que no dia seguinte, uma segunda-feira, ao chegar no cemitério descobri que o mesmo estava fechado, que a informação do site estava incorreta. A famosa entrada principal está sendo restaurada, daí dei uma volta no quarteirão e encontrei as demais entradas todas fechadas. Então o jeito foi engolir a decepção e seguir rumo ao aeroporto. 

O Cemitério de La Recoleta é um caso a parte, pois além da arte tumular que ele possui e dos personagens famosos que lá estão sepultados (Eva Perón e alguns ex-presidentes argentinos, entre outros) o inusitado desse cemitério é que os caixões não são sepultados ou ficam fechados dentro dos jazigos. Os caixões ficam a vista, alguns em prateleiras. Em alguns túmulos de famílias mais tradicionais e antigas, os caixões chegam a ficar um em cima do outro em razão de muitos mortos para um mesmo jazigo. Ao mesmo tempo que é curioso também é assustador tal costume. Os corpos são embalsamados antes de serem sepultados e dessa forma ficam dezenas de anos os caixões a mostra nos jazigos. 

História: O Cemitério de La Recoleta é o mais antigo e aristocrático da Cidade. Em seus quase seis hectares estão sepultados heróis da Independência, presidentes da República, militares, cientistas e artistas. Entre eles, Eva Perón, Adolfo Bioy Casares e Facundo Quiroga. Os sepulcros e mausoléus foram obras, em muitos casos, de importantes arquitetos. Mais de 70 mausoléus foram declarados como Monumentos Históricos Nacionais. Está localizado em terras concedidas por Juan de Garay a Rodrigo Ortiz de Zárate, que fazia parte de sua expedição colonizadora. Depois foi instalado nesse lugar um convento de freis recoletos. Inaugurado em 1822, em terras que até então eram dos monges recoletos, o da Recoleta é o primeiro cemitério público da cidade. Tem 54 hectares. Até então, os mortos eram enterrados nas igrejas ou nas terras sob sua administração, os chamados campos santos. Os caixões chamam a atenção. Em vez de enterrados, são guardados sobre a terra, empilhados uns sobre os outros, dentro de mausoléus. Vidros e vitrais são colocados especialmente para que se possa vê-los. Macabro, para quem não está acostumado. O cemitério da Recoleta, no rico bairro de mesmo nome, é o mais famoso e destino obrigatório para quem está de passeio por Buenos Aires. No charmoso e ostentoso cemitério, cheio de esculturas e mármores, sepultamentos e mausoléus se misturam a passeios dos portenhos e visitas guiadas de turistas. Uma curiosa junção de morte, praça e museu. Costume raro para muitos povos, mas que é rotina na capital argentina e atrai cada vez mais turistas em busca das belezas e histórias que há por trás dos sepulcros da cidade.

PARA AMPLIAR CLIQUE NAS IMAGENS

Vários caixões de uma mesma família.

Jazigo no Cemitério da Recoleta.

Jazigo aberto no Cemitério da Recoleta.
Cemitério da Recoleta.

Praça do Congresso

Outro passeio interessante que fizemos foi ir a pé até a Praça do Congresso Argentino. Foi uma longa caminhada e com um vento congelante que chegava a doer nas orelhas em alguns momentos. Mesmo assim valeu a pena e no caminho passamos por uma avenida arborizada, com prédios antigos e muito bonitos. Meu irmão disse que aquela avenida fez ele lembrar de Paris. Vi muita coisa antiga e interessante. Na fachada de um antigo hotel vi uma placa sinalizando que ali tinha vivido o famoso poeta e dramaturgo espanhol Federico García Lorca. No final dessa avenida fica a Praça do Congresso, que nesse dia estava cheia de pessoas tomando sol e curtindo o domingo de folga. Ficamos um pouco por ali, tiramos fotos e fizemos o caminho volta rumo a Calle Florida, para fazer mais algumas comprinhas. rs…

PARA AMPLIAR CLIQUE NA IMAGEM

Dona Vanda descansando.

Praça do Congresso.

Praça do Congresso.

Praça do Congresso.

Em frente ao Congresso Argentino.

Praça do Congresso.

Descansando na Praça do Congresso.

Arrastando a velhinha...

Família unida.

Placa no hotel onde viveu Garcia Lorca.

Praça do Congresso
Avenida próxima ao Congresso.